28 de janeiro de 2016

Resenha #166 Rush sem limites - Abbi Glines

Olá! Continuo minha maratona #RosemaryBeach e acabei de concluir mais um título dessa série. Essa foi a forma que encontrei para recuperar o tempo perdido e ainda bem que está dando tudo certo e fluindo muito bem. A cada livro mergulho mais e mais nesse mundo criado pela Abbi e quanto mais fundo eu vou, menor é a minha vontade de retornar.

Titulo: Rush Sem Limites (Sem Limites #04)
Autor(a): Abbi Glines
Editora: Arqueiro
N° de páginas: 208
Rush merece sua reputação de bad boy. Com seus carros de luxo e sua mansão de três andares à beira-mar, o filho de um famoso astro do rock tem uma fila de garotas a seus pés. No entanto ele precisa apenas de duas pessoas para ser feliz: seu irmão postiço e melhor amigo Grant e sua meia-irmã Nan. Até que Blaire Wynn chega à cidade em sua velha caminhonete. A beleza angelical da garota do Alabama logo chama a atenção de Rush. Mas, por causa de um segredo de família, ele decide manter distância de Blaire. Mesmo que ela precise de sua ajuda. E mesmo que ela lhe desperte sentimentos desconhecidos. Órfã de mãe e abandonada pelo pai, Blaire está sozinha no mundo – porém Rush entende que se aproximar dela pode destruir a vida da irmã, a quem protegeu desde que eram crianças. A relação secreta entre as duas e o ódio que Nan nutre por Blaire são mais do que bons motivos para Rush manter-se afastado. Só que ele não consegue. O desejo fala mais alto.

Admito que amei voltar onde tudo começou. Paixão sem limites foi responsável por me inserir nesse mundinho praiano de Rosemary Beach e me tornou fã da escrita viciante da Abbi Glines. O primeiro livro foi narrado apenas pela perspectiva de Blaire, ao contrário dos demais que trás como característica fixa a narrativa intercalada entre o casal protagonista. Acredito que esse livro veio para corrigir a quebra que houve no padrão, antes mesmo dele existir. Saber tudo que ia na cabeça de Rush confirmou algumas desconfianças e me surpreendeu em alguns momentos.

Rush é de longe um bad boy arrogante e manipulador, que sempre priorizou o bem estar e as vontades de sua irmã caçula Nan, o jovem nunca se importou em passar por cima de tudo e todos para fazê-la feliz. Até conhecer Blaire. Ela não era mentirosa e aproveitadora como ele esperava que fosse. Na verdade Blaire era ingênua e desamparada, marcada por uma vida sofrida, ela precisava ser protegida e ele o faria. Rush iria proteger aquela loira com rosto de anjo de quem quer que seja, mesmo que para isso ele tenha que desapontar Nan.

O livro possui uma narrativa intensa, transmite perfeitamente as características mais marcantes do Rush, era impossível não reconhecê-lo, cada página trazia mais e mais do personagem impulsivo e possessivo que já conhecemos tão bem. Em alguns momentos, no entanto, podemos perceber nitidamente um lado pouco conhecido desse jovem rapaz, ele trás em si uma responsabilidade sem tamanho que juro, não havia tido sensibilidade de perceber nos volumes anteriores, poucas vezes tentei entender a relação de Rush com a irmã. Sempre foi muito fácil odiar Nan e achar Rush um escroto por dar tanta corda para a ruiva mimada, mas olhando o outro lado da moeda finalmente consegui entender.

Rush sempre foi responsável por Nan, com uma mãe completamente indiferente e um pai ausente a jovem (que ainda considero insuportável e um ser humano terrível) só podia contar com o carinho e o cuidado do irmão, o bad boy cresceu com essa responsabilidade, ela era sua irmanzinha e ele podia fazê-la feliz, aliviar um pouco de toda a dor que ela sempre sentiu. Então ele o fez, mimou e deu tudo que Nan poderia querer e/ou precisar, mas ele perdeu o controle e ao ir além Nan acabou se transformando no dragão ruivo de Rosemary Beach e só restou a Rush se culpar por tudo. Uma culpa que ele carregou durante todo o livro, culpa por Nan ser quem é, e culpa por tudo e todos que ele prejudicou ao tentar aliviar o sofrimento da irmã. O amor por Blaire poderia vir a ser seu castigo ou a sua redenção.

A versão de Rush dos fatos é super crível, a autora não forçou a barra ao nos apresentar um personagem aceitável por baixo da casca indiferente e arrogante que conhecemos no primeiro livro. Óbvio que Rush não é nenhum santo, muito pelo contrário, mas tenho que admitir que a Blaire trouxe a tona o homem apaixonante que estava ali sob a superfície. Após ler seis livros da série, já o considero um dos personagens mais maduros até aqui, a evolução dele ocorreu gradualmente, mas é nítido que não houveram retrocessos, desde aquele dia em que o conhecemos sentado na sala da sua casa bebendo uma cerveja e rodeado de mulheres, Rush só evoluiu. Super recomendo o livro, para os que assim como eu sempre acreditaram que no fundo o Rush era algo mais. Já está na hora de verem o mundo pelos olhos de um dos personagens mais famosos no gênero New adult.

6 comentários

  1. Sou uma das poucas que ainda não leu nadinha desta autora...sei que tô bem atrasada, mas um dia eu recupero, nem que pra isto tenha que fazer uma maratona também, rsrs. Minha curiosidade é grande.

    Beijo, Van - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vanessa,
      Maratona da super certo, além dessa tenho algumas outras séries que terei que fazer maratona ao longo desse ano.

      Excluir
  2. Essa é uma das sagas que eu mais vejo por aí. Ainda mais no Skoob. Já tinha lido a resenha do primeiro e visto outras coisas sobre a série, mas nunca consegui ler. Faz o meu estilo e aposto que ia gostar também.
    Beijo,
    paraisodemenina.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Beatriz,
      Se faz o seu estilo aconselho que dê uma chance, pois a série cumpre bem o papel de entreter o leitor, além disso conseguimos ler os livros rapidinho.

      Excluir
  3. Eu já li essa série e gostei muito da narrativa da Abbi, os livros dela são rápidos de ler e bons para passar o tempo. Adorei sua resenha ♥
    Beijo*
    Ps: Te indiquei em uma Tag lá no blog ♥
    http://umminutoumlivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é uma das características que mais gosto nos livros da autora.
      São narrativas tão fluidas que nem assusta uma série com tantos livros.

      Excluir