16 de janeiro de 2019

[Resenha] Em pedaços - Lauren Layne

Olá personas!
Quem leu minha resenha de Mais que amigos sabe bem o quanto me encantei pela escrita da Lauren, a leveza empolgante da primeira história da autora a qual tive acesso, despertou meu interesse para as suas demais publicações, e este é o motivo exato de estarmos falando desse livro hoje. Estou sempre em busca de escritas que aprisionam, autores capazes de criar desde o universo mais simples ao mais complexo que te obrigam a devorar um livro, leituras que te deixam ansioso por mais, sedendo... E quando encontro algo que se aproxime pelo menos um pouco disto, o interesse é imediato. Em pedaços é o primeiro livro da série Recomeços.

Em pedaços (Broken)
Coleção: Recomeços #01
Autor (a): Lauren Layne @_laurenlayne
Publicação: Paralela *Cortesia
ISBN: 9788584391172 | Skoob
Gênero: Romance +18
Ano: 2018
Páginas: 248
Minha avaliação: 2/5★
Aos vinte e dois anos, Olivia Middleton tem Nova York aos seus pés. Por fora, ela é a garota perfeita — linda, inteligente e caridosa — mas, por dentro, guarda um segredo terrível: um erro que a afastou das duas únicas pessoas que realmente importavam na sua vida. Determinada a esquecer o passado, ela deixa Manhattan e vai trabalhar como cuidadora de um soldado recém-saído da guerra. O que ela não esperava era que seu paciente seria um jovem enigmático de vinte e quatro anos tão amargurado quanto atraente. Paul Langdon está furioso — com o mundo, com a vida, com o seu pai e, principalmente, consigo mesmo. Depois de sofrer na pele os horrores da Guerra do Afeganistão, a última coisa que ele quer é a companhia de uma princesinha nova-iorquina linda, mimada e irritante. A presença de Olivia parece tóxica para Paul: ela o incomoda, mas ele não consegue afastá-la, por mais que tente. 
Já faz um tempo que leio releituras de contos de fadas, me lembro de, em minha primeira experiência, ter ficado em êxtase com a nova história que surgia a partir de algo que me era tão familiar, desde então tenho procurado dar uma certa atenção a livros do tipo, sempre que tenho uma oportunidade. Mas desta vez eu acabei nem levando em consideração o fato desde ser uma recontagem de A bela e a fera, estava tão empolgada por ter a chance de ler algo da Lauren Layne novamente, que me senti como aqueles compradores desesperados que invadem as lojas em dia de Blackfriday. Mal havia recebido o pacote das mãos do carteiro e já estava passando esse livro na frente de todas as outras leituras que havia programado. Pode se dizer que fui com muita sede ao pote e, como quase sempre acontece, o que encontrei não era bem o que eu esperava/buscava. Aquele lance dos autores conseguirem se reinventar a cada novo projeto. E que graça teria se todas as histórias fossem iguais, não é mesmo? Então, Em pedaços, está longe de ser doce e empolgante como Mais que amigos, mas isso não significa que ele não tenha algumas das melhores características de escrita da autora. No final das contas ele é diferente. Só queria que vocês estivessem preparados para isto, porque eu definitivamente não estava.

10 de janeiro de 2019

Primeiras impressões: Sob águas escuras de Robert Bryndza

Olá pessoas!
Eu deveria estar postando hoje a resenha da minha primeira leitura do ano, mas infelizmente estou presa em uma trama que não flui mas também não me deixa partir pra outra, sendo assim, hoje vamos falar de um livro que estou tentando ler a vários meses e quem sabe depois de externar alguns pontos eu finalmente consiga concluí-la. O livro em questão é Sob águas escuras de Robert Bryndza (fãs do autor por favor não me odeiem), que trás uma história mega interessante, um suspense digno mas um ritmo morno que tem me feito arrastar correntes enquanto o leio. Querem saber mais? Então vamos as minhas primeiras impressões.

6 de janeiro de 2019

[Resenha] Perigo para um inglês - Sarah MacLean

Hello people!
Hoje é dia de se apaixonar por mais um romance de época arrebatador. Ano passado fiz ótimas descobertas, e graças a isto vos apresento mais uma autora que a muito tempo desejava ler, e graças as oportunidades da vida cá estou eu gritando para o mundo ouvir que SIIIM, essa mulher escreve maravilhosamente bem e novamente SIIIM, eu pretendo ler todos os livros que ela já publicou. Obviamente vocês já devem ter percebido que comecei a ler esta série pelo terceiro livro, por favor não me julguem, não é do meu feitio fazer esse tipo de coisa, mas as vezes uma leitora precisa passar por cima das manias em favor de uma boa história, não concordam? De todo modo, essa minha pequena trapaça não chegou a atrapalhar minha leitura em nada, um spoilerzinho aqui e outro ali sobre os livros anteriores, mas nada que prejudicasse de fato os mistérios de tais narrativas. Perigo para um inglês é o primeiro livro da série Escândalos e Canalhas de Sarah MacLean, e conta a história de Seraphina a mais velha das irmãs perigosas. Logo logo vou publicar um guia dessa e das outras séries da autora que estão interligadas, fiquem de olho! Agora vamos a resenha?

Perigo para um inglês (The Day of the Duchess)
Coleção: Escândalos e Canalhas #03
Autor (a): Sarah MacLean @sarahmaclean
Publicação: Gutenberg *Cortesia
ISBN: 9788582355121 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2018
Páginas: 304
Minha avaliação: 5/5★
Amazon | Saraiva | Submarino
Malcolm Bevingstoke, o Duque de Haven, viveu os últimos três anos na solidão auto-imposta, pagando o preço por um erro, e perdendo, para sempre, um amor. Mas Haven precisa de um herdeiro, o que significa que ele deve encontrar uma esposa até o final do verão. Há apenas um problema – ele já tem uma… Depois de anos no exílio, Seraphina, a Duquesa de Haven, retorna a Londres com um único objetivo – encontrar a felicidade, livrando-se do homem que partiu seu coração. Mas o marido lhe oferece um acordo: ela poderá ter sua liberdade, assim que encontrar uma substituta. Isso significa que terá que passar o verão com o marido que ela não quer, mas que, de alguma forma, não consegue resistir. O Duque tem apenas um verão para estar com a esposa e convencê-la de que, apesar do passado, ele poderá tornar o felizes para sempre, uma realidade todos os dias.
Não é de hoje que sou completamente apaixonada por romances de época, não importa o quando eu leia sempre vou desejar ler mais de livros do tipo. Eis aqui um vício do qual eu não abro mão. Depois de treze anos de leitura assídua não seria de estranhar caso eu já demonstrasse algum sinal de desânimo com tais obras, mas o que ocorre é exatamente o contrário. Isso ganha intensidade quando me deparo com escritoras e obras como estas, juro que essa experiência fez com que eu me sentisse descobrindo a leitura novamente. Nem tanto pela história em si, mas pela escrita deliciosa da Sarah MacLean que nos guia por um enredo apaixonante, e além disso por personagens perfeitamente imperfeitos como Sera e Malcom, que nos desafia a julgá-los, por uma trama amarradinha, onde se é impossível traçar rotas paralelas, por um amor arrebatador que cativa... Enfim, por um conjunto harmônico que torna até o mais previsível dos clichês uma aventura de tirar o fôlego e parar o coração.

4 de janeiro de 2019

Das páginas para a tela: After

Olá pessoas!
E lá vamos nós para mais um ano repleto de obras que serão adaptadas e de ideias que serão postas em prática. Então, juntando o útil ao agradável, cá estamos nós estreando mais uma coluna (eu sei, já temos milhões por aqui). Dessa vez vamos focar nas obras que estão em fase de adaptação, os posts contarão com informações gerais e serão atualizados frequentemente até o lançamento do projeto final. Dito isto, vamos ao primeiro filme desse nosso novo bloco.

2 de janeiro de 2019

[Resenha] 13 segundos - Bel Rodigues

Olá personas!
Um novo ano se fez e com ele novas metas e objetivos, mas antes preciso organizar algumas pendências que ficaram do ano que passou, então preparem-se porque esta mana aqui está disposta a colocar ordem na casa. Esta é apenas a primeira de tantas resenhas que já deveriam ter saído mas que por N motivos acabaram atrasando, vou tentar intercalar as pendências com as novas leituras e quem sabe assim agradar a gregos e troianos. 13 segundos é o romance de estréia da youtuber Bel Rodrigues, já conheço a autora a alguns anos e embora não acompanhe com frequência suas publicações tenho grande admiração por alguns de seus posicionamentos morais e sociais, sendo assim a leitura dessa história veio com uma dose extra de expectativa. Acredito que você já deve ter lido inúmeras resenhas desta obra, uma vez que ela foi sucesso de vendas e críticas ano passado, mesmo assim te peço um pouco do seu tempo para lhe apresentar minhas impressões. Vamos a resenha?

13 segundos
Autor (a): Bel Rodrigues @belrodrigues
Publicação: Galera Record *Cortesia
ISBN: 9788501114990 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2018
Páginas: 304
Minha avaliação: 3/5★
Amazon | Saraiva | Submarino
O fim de um relacionamento é sempre um período difícil, mas isso se intensifica quando você está no último ano do colegial e precisa decidir o que será do seu futuro. Lola sabe que a decisão foi o melhor para os dois, mas aquela saudade de alguém que estava sempre presente é inevitável. Agora, tudo que Lola quer é deixar isso para trás e focar em pôr a vida em ordem novamente, se redescobrindo após um relacionamento que exigiu tanto dela e reavaliando suas prioridades: estudo, amigos, família e o canto, sua maior paixão. Com o corte do coral das atividades extras, a garota finalmente decide ouvir seus amigos e resolve criar um canal no YouTube para postar alguns covers, nada mais do que um hobby para substituir seu tão amado coral. Focada em não se relacionar seriamente e aproveitar as festas do último ano, tudo parece se alinhar quando Lola conhece John, um intercambista que busca exatamente o mesmo que ela: se divertir e criar memórias inesquecíveis. Entre conselhos sinceros, noites quentes e provas do Ensino Médio, a única coisa que Lola não poderia prever era o quão rápido tudo poderia desmoronar. Em treze segundos, especificamente.
Li esse livro a vários meses atrás, e a falta de inspiração para falar sobre ele na época é a principal causa dessa resenha ter atrasado tanto. Isso se deu em parte porque eu não estava em um momento bom para escrever o que quer que seja, e em parte porque 13 segundos não correspondeu as minhas expectativas. Claro que isso não tira os méritos da história, contudo levei mais tempo do que eu gostaria para poder aceitar e finalmente entender os rumos que a trama seguiu. Não sou nenhuma expert em críticas literárias, mas desde que iniciei nesse universo procuro ver toda e qualquer história por vários ângulos. Gosto de mesmo não concordando, buscar entender as razões dos personagens e autores. Obviamente nem sempre sou bem sucedida nesta missão. Com esta história em específico, me peguei em um emaranhado de satisfação e decepção, a Bel possui uma escrita viciante e abordou de forma leve e direta assuntos pertinentes e relevantes, mas infelizmente forçou a barra em algumas questões que talvez tenham passado batido para a maioria, mas no final das contas me incomodaram consideravelmente.

10 de novembro de 2018

Li em um livro: As plêiades

Hello peoples!
Acho que já mencionei antes o incômodo constante que venho sentindo com a mesmice das postagens que ando publicando no blog. Quando criei este espaço pensei em trazer tudo que fizesse parte do universo literário, mas infelizmente por comodismo tenho me limitado a escrever resenhas de livros e adaptações, admito que isso tem me entristecido. Não disponho de muito tempo para fazer tudo que gostaria, mas estou disposta a me empenhar mais para diversificar o conteúdo e expôr o máximo possível da riqueza disponível nesse Nosso Mundo Literário. E dando o pontapé inicial, estou trazendo um trecho magnífico que tive acesso enquanto lia Perigo para um inglês, terceiro livro da série, Escândalos e canalhas de Sarah MacLean. A obra em questão é um romance de época, que conta a história de Seraphina, duquesa de Haven, que após inúmeros conflitos foge sem deixar rastros, abandonando um marido desesperado por encontrá-la. Durante a narrativa, a autora descreve o mito das plêiades, que além de fazer alusão ao drama de Sera, apresenta uma outra história de amor épico que despertou meu interesse instantaneamente. Quer saber mais? Então segue lendo.

8 de novembro de 2018

[Resenha] Bruxa akata - Nnedi Okorafor

Olá pessoas!
Hoje é dia de fantasia infanto juvenil, mas não estou falando de qualquer fantasia. Bruxa akata é o primeiro livro que aborda a mitologia e a cultura africana que tenho o privilégio de ler. E como toda novidade gera uma certa expectativa, não posso negar que esperei ansiosamente para ter este carinha em mãos. Inicialmente descrita como o "Harry Potter nigeriano" a obra de Nnedi Okorafor, chega repleta de hábitos e comportamentos diferenciados, ao mesmo tempo que trás nuances comuns a abordagens do gênero. Resumindo, embora este não seja o primeiro livro protagonizado por um aprendiz de magia que precisa salvar o mundo, sem sombra de dúvidas é uma das obras responsáveis por trazer novos ares a histórias do tipo. Diante disto, eu não poderia deixar de dar destaque especial ao fato desta ser uma trama que se baseia em crenças e rituais folclóricos nigerianos, que diga-se de passagem foram trabalhados com esmero. Sem mais delongas, vamos a resenha!

Bruxa akata (Akata Witch)
Coleção: Akata Witch #01
Autor (a): Nnedi Okorafor @nnedi
Publicação: Galera *Cortesia
ISBN: B07CQ5SW8Z | Skoob
Gênero: Fantasia
Ano: 2018
Páginas: 322
Minha avaliação: 4/5★
Amazon | Saraiva | Submarino
Sunny tem 12 anos e sempre viveu na fronteira entre dois mundos. Filha de nigerianos, nasceu nos Estados Unidos e é albina. Uma pária, incapaz de passar despercebida. O sol é seu inimigo. Castiga a pele e a expõe aos olhares curiosos. Parece não haver lugar onde ela se encaixe. É sob a lua que a menina se solta, jogando futebol com os irmãos. E então ela descobre algo incrível – na realidade, ela é uma pessoa-leopardo em um mundo de ovelhas. Sunny é alguém com um talento mágico latente, é uma agente livre. Uma pessoa com poderes que nasceu de pais comuns. Logo ela se torna parte de um quarteto de estudantes mágicos, pesquisando o visível e o invisível, aprendendo a alterar a realidade, sendo escolhida por um mentor e conseguindo, enfim, sua faca juju — com a qual é capaz de fazer seus feitiços. Mas isso será suficiente para que encontrem e impeçam um assassino em série que está matando crianças? Um homem perigoso com planos de abrir um portal e invocar o fim do mundo?
Primeiro quero dizer que, embora eu não seja fã de tramas protagonizadas por crianças, a agilidade narrativa de Okorafor torna tudo tão interessante que é impossível se ater aos detalhes que normalmente me incomodariam. E segundo, o enredo enriquecedor que desafia o óbvio nos impele a querer mais e mais a cada virar de páginas. Nnedi trabalha magistralmente com uma infinidade de elementos intrínsecos a cultura africana, dentre eles destaco mitologia, misticismo, nomenclaturas incomuns e seus significados, lugares, expressões, alimentos... Conforme somos inseridos e ambientados a essa realidade tão distante é possível desenvolver certa familiaridade e aos poucos abandonar a sensação de estranhamento pela qual somos dominados ao iniciar a leitura. De modo geral esta é uma história capaz de expandir horizontes, ampliar conhecimentos e despertar questionamentos, isso tudo enquanto nos aflige com o perigo a espreita e nos prende em um emaranhado de descobertas nunca antes imaginadas. Uma porta que se abre para um mundo curiosamente sombrio.

4 de novembro de 2018

[Resenha] O amante da princesa - Larissa Siriani

Hello peoples!
Hoje vamos falar sobre o livro que destruiu meu emocional (obrigada Larissa), assim curto e grosso porque quero que vocês estejam cientes como eu jamais estive. Li O amante da princesa a vários meses atrás e até hoje não havia encontrado formas de expressar o quanto esse livro mexeu comigo em alguns momentos - bem específicos, eu diria. De qualquer forma, essa leitura me forçou a olhar além e perceber os bons frutos ao invés de focar nas adversidades. Uma boa lição, não acham? Já havia lido a respeito da autora e alguns de seus livros, inclusive este, mas nada que de fato houvesse me preparado para o esta obra reserva. No final das contas a estrutura deste romance é bem simples e previsível, afinal quem nunca leu sobre a mocinha presa em um compromisso indesejado que sonha em casar-se por amor e acaba encontrando tal sentimento nos braços de outro, é um clássico. E foi exatamente isto que enxerguei antes de ler esta história, mas não cometam meu erro, não se atenham ao óbvio e estejam preparados para os desafios de um romance belo e emocionante. Agora chega de divagações, vamos ao que interessa!

O amante da princesa
Autor (a): Larissa Siriani @LarissaSiriani
Publicação: Verus *Cortesia
ISBN: 9788576866800 | Skoob
Gênero: Romance +16
Ano: 2018
Páginas: 224
Minha avaliação: 5/5★
Amazon | Saraiva | Submarino
Maria Amélia de Bragança é princesa do Brasil, prometida a Maximiliano Habsburgo, arquiduque da Áustria. Mas não há nada que ela deseje menos do que esse casamento: como alguém pode querer que ela se case com um homem que nem sequer conhece? O que Amélia não esperava é que seu noivo chegasse ao Palácio das Janelas Verdes, em Lisboa, acompanhado do amigo Klaus Brachmann, um homem charmoso e experiente que se sente compelido a seduzir a princesa apenas pelo prazer da conquista. Uma viagem inesperada que Maximiliano precisa fazer se mostra a oportunidade perfeita para que Klaus ensine uma coisinha ou outra a Amélia entre quatro paredes... E, conforme o jogo avança, a possibilidade de casamento se torna cada vez mais remota para a princesa, que agora precisa proteger seu coração a todo custo.
Antes de tudo quero deixar registrado que este livro foi INSPIRADO na história de Maria Amélia Bragança, filha de D. Pedro I que nasceu na França e viveu em Portugal. E por ser algo inspirado, entendemos que não trata-se de uma biografia, sendo assim a autora possui total liberdade para desenvolver o lado ficcional da trama. Digo isso, porque li inúmeras críticas onde os leitores diziam não se conformar com a linda história da princesa sendo "distorcida" em algo "menos empolgante". Ah! Gente, fala sério. Eu devo ter perdido algo porque em momento algum fui levada a crer que este é exclusivamente um relado histórico e muito menos esperei que reproduzisse fidedignamente os acontecimentos da vida de Maria Amélia, além disso, em nota a autora deixa claro que os eventos narrados por ela divergem da realidade em vários pontos, então qual a grande dificuldade em aceitar as abordagens e analisar o enredo pelo que ele é ao invés de pelo que gostariam que fosse? O fato da Larissa não ter se atido completamente ao viés histórico é inclusive o que me fez amar incondicionalmente esse livro, quem pesquisar saberá que a realidade possui mais tragédias do que se espera em um romance como este.