29 de julho de 2019

Papo de blogueira: Considerações de uma leitora resenhista

Olá amores!
Eu estava escrevendo uma resenha nesse exato momento e me deparei com uma questão que ganhou vida e pediu um texto próprio. Quero deixar claro que não estou aqui tentando ensinar "o vigário a rezar a missa" e nem nada do tipo, então tomem essa postagem como um momento de reflexão pessoal que decidi compartilhar com vocês. E em se tratando de uma convicção própria, não baseada em qualquer estudo ou pesquisa científica, não deve ser considerado nada além do que é, uma opinião. Eu sou leitora à mais de uma década, e blogueira a pelo menos seis anos, e nesse meio tempo aprendi muita coisa. Gosto de acreditar que amadureci minha forma de ver o mundo, mas mesmo assim, sei que ainda estou longe de saber tudo que preciso. Minha busca constante pelo crescimento, tem deixado meus olhos abertos e talvez me feito mais tolerante e menos impulsiva. Não sou exemplo de nada e nem quero, mas tenho um ponto de vista bem definido e não vejo porque não dividi-lo. Dito isto, vamos ao que interessa!

19 de julho de 2019

[Resenha] Mortina - Barbara Cantini

Olá amores!
Já faz um bom tempo que eu não leio uma HQ. Quem me conhece sabe que sou apaixonada por histórias em quadrinhos, e depois que me tornei mãe, tenho tentado dar mais atenção as tramas infantis, visto que assumi o papel de apresentar ao meu pequeno seus primeiros amores literários. E posso contar? Tem sido uma experiência maravilhosa. E foi em minha busca por algo que atendesse a esses pré-requisitos que conheci Mortina, de Barbara Cantini. Este é o primeiro livro de uma série que promete conquistar crianças e adultos. Eu posso garantir que já estou completamente encantada por essa garotinha zumbi, que usa e abusa da criatividade quando o assunto é alcançar seus objetivos. Um livro que pode facilmente ser lido em poucos minutos, mas que carrega uma mensagem atual que permanece por muito tempo, tal qual uma semente que após ser plantada germina e dá frutos.

Mortina (Ghoulia)
Coleção: Mortina #01
Autor (a): Barbara Cantini @BCantini
Publicação: Companhia das Letrinhas *Cortesia
ISBN: 9788574068442 | Skoob
Gênero: HQ
Ano: 2019
Páginas: 56
Minha avaliação: 4/5★
Amazon | Saraiva | Submarino
Mortina é uma menina diferente de todas as outras: ela é uma menina-zumbi. Passa os dias no Palacete Decrépito com sua tia Fafá Lecida e seu inseparável amigo, o galgo albino Tristão. O maior sonho de Mortina é ter amigos de sua idade para brincar, mas sua tia nunca deixa que ela saia de casa, porque tem medo da reação dos humanos ao conhecerem a pequena zumbi. Para sua alegria, um dia a oportunidade perfeita aparece: o Dia das Bruxas, quando todas as crianças saem às ruas com as fantasias mais horripilantes. Mortina nem vai precisar trocar de roupa para encarar a maior aventura de sua vida.
Conquistar novas amizades nem sempre é fácil, principalmente se você for uma criança zumbi ansiosa por se aproximar de crianças humanas. De forma leve e descontraída a autora nos apresenta um cenário comum em abordagens do gênero. Inclusive, a história de Mortina me lembrou um pouco a de Hotel Transilvânia, onde aqueles que são considerados "diferentes" vivem - literalmente a margem da sociedade - escondidos da humanidade por medo de serem rechaçados. Ver essa perspectiva pela óptica de uma garotinha, torna tudo mais comovente e reflexivo, isso porque no mundo real temos crianças não-zumbis enfrentando sérias dificuldades de adaptação, simplesmente por serem como são. Talvez não fosse intenção da autora, mas é impossível ler um enredo como este e não fazer essa analogia, principalmente quando você foi uma das crianças que sentiu isso na pele. Esta é uma história com sabor de infância que despertou em mim várias lembranças.

13 de julho de 2019

Plantão literário: Elenco da série "Bridgertons" tem seus primeiros nomes anunciados

Olá pessoal!
Desde que a adaptação da série Bridgertons foi anunciada, os fãs da obra estão em polvorosa. De lá pra cá algumas informações surgiram pelo caminho aumentando ainda mais a ansiedade pelo produto final. E graças a isso, já sabemos que a série está sendo produzida, por ninguém mais, ninguém menos que Shonda Rhimes - carinhosamente apelidada de Shondanás, entendedores entenderão -, que sua estréia está prevista para o próximo ano e que será disponibilizada no serviço de streaming Netflix. Além disso, recentemente foi divulgado que a consagrada atriz Julie Andrews dará voz a nossa querida Lady Whistledown. Todas essas informações, tem aquecido os corações apaixonados dos fãs da melhor família de todos os tempos - sou tiete, porque sim. Com base nisso, dizer que essa semana pegou fogo com as revelações dos nomes dos atores que irão compor parte do elenco, seria como chover no molhado, não é mesmo? Então se você passou os últimos dias em uma caverna, vem saber tudo o que rolou. Se você já sabe o que rolou e acompanhou todos os babados, vem me contar o que está achando de tudo isso.

Jonathan Bailey (Anthony Bridgerton), Luke Newton (Colin Bridgerton), Phoebe Dynevor (Daphne Bridgerton) e Claudia Jessie (Eloise Bridgerton)

Ruth Gemmell (Violet Bridgerton), Rége-Jean Page (Simon Basset), Nicola Coughlan (Penelope Featherington) e Golda Rosheuvel (Queen Charlotte)

9 de julho de 2019

[Resenha] A garota desaparecida - Lisa Gardner

Olá pessoas!
Em meu primeiro contato com a escrita da Lisa Gardner me deparei com uma história impressionante e tão dolorosa quanto comovente. A garota desaparecida, é o oitavo livro da série Detetive D. D. Warren, e como a maioria dos livros que compõem séries investigativas, pode ser lido de forma independente e fora da ordem de publicação, uma vez que cada título trás uma história única. Porém, contudo, todavia, levando-se em conta o fato de que a série possui uma protagonista principal, no caso D. D. Warren, é de se pensar que o ideal seria ler tudo certinho, e dessa forma acompanhar a trajetória da detetive de forma eficaz. Então, meus caros, fica ao critério de vocês. Pode ser lido fora de ordem? Claro que pode. Mas obviamente, vários detalhes da vida, tanto pessoal como profissional, da investigadora se perderão pelo caminho. Eu pessoalmente, senti curiosidade de conhecer melhor os caminhos que a trouxeram até aqui, e por isso até recomendaria que vocês fizessem a leitura como se deve, no entanto, quem não domina o inglês ficará de mãos atadas, uma vez que por aqui só foram lançados três títulos dessa coleção, e posso dizer? Completamente fora de ordem. Originalmente Detetive D. D. Warren, possui dez livros e dois contos publicados no exterior.

A garota desaparecida (Find Her)
Coleção: Detetive D.D. Warren #08
Autor (a): Lisa Gardner @LisaGardnerBks
Publicação: Gutenberg *Cortesia
ISBN: 9788582355756 | Skoob
Gênero: Suspense +18 
Ano: 2019
Páginas: 354
Minha avaliação: 4/5★
Amazon | Saraiva | Submarino
Sete anos atrás, a estudante Flora passou 472 dias vivendo um pesadelo. Após ter sido sequestrada durante as férias de primavera, ela descobriu até onde o ser humano é capaz de ir para sobreviver. Depois de resistir milagrosamente a tamanha tortura, viveu os últimos cinco anos tentando voltar a ter uma vida normal. O amor de sua mãe permanece o mesmo, mas outras coisas mudaram em sua rotina: seu irmão tem medo da pessoa que Flora se tornou, e no quarto dela há uma parede coberta com fotos de outras garotas que nunca voltaram para casa. Quando a detetive D. D. Warren é convocada para a cena de um crime, descobre que Flora está envolvida com outros três suspeitos desde seu retorno à sociedade. Mas a garota desaparece novamente, e D. D se dá conta de que um predador sinistro está a solta e, desta vez, determinado a fazer com que Flora Dane nunca mais escape.
Contém cenas de violência, abuso sexual e consumo de álcool e drogas.

Eu sou o tipo de leitora que aprecia histórias dinâmicas, cheias de acontecimentos e reviravoltas. Gosto de leituras frenéticas que me obrigam a prender o fôlego a cada virar de páginas, sendo assim, raramente sou fisgada pelo inverso disso. Então quando iniciei essa leitura e me deparei com uma narrativa linear com um ritmo meio morno, me preparei para uma experiência não tão boa. Mas Lisa Gardner teceu uma teia impecável, para qual eu fui atraída, e antes que pudesse me dar conta, estava completamente envolvida. Não me lembro de ter me sentido tocada ao ponto de querer chorar com nenhum outro livro do gênero, mas foi exatamente isso que aconteceu aqui. Tudo o que eu julgava meio chato e meio cansativo durante o enredo, construiu um caminho sólido até mim e trouxe veracidade ao drama de Flora, tornando sua jornada ainda mais comovente e admirável.

7 de julho de 2019

Irmandade da adaga negra: Ordem de leitura

Olá amorecos!
Tem alguém iniciando ou pensando em iniciar a série Irmandade da Adaga Negra? Se a resposta for positiva, chega mais pois este informativo foi feito especialmente pra você. Se a resposta for negativa, não tem o menor problema, se acomode e venha dar uma olhadinha nessa coleção impressionante que tem conquistado fãs no mundo inteiro. Irmandade da Adaga Negra, é uma série fantástica, sucesso de público a quase quinze anos. Escrita por  Jéssica Bird sob o pseudônimo J. R. Ward, IAN possui um universo próprio que foi meticulosamente construído. A trama principal gira em torno de seis vampiros, membros de uma irmandade que visa proteger sua raça em uma batalha que já dura a séculos contra seus inimigos os redutores.

3 de julho de 2019

[Resenha] A rainha aprisionada - Kristen Ciccarelli

Olá amores!
Depois de uma longa espera, finalmente pude retornar a Figaard. Finalizar a leitura de A caçadora de dragões sedenta por mais, e descobrir que a sequência ainda estava em produção, doeu mais do que eu gostaria de admitir. Mas a recompensa dos justos um dia chega, e esse dia chegou meu povo. A rainha aprisionada trouxe de volta esse universo maravilhoso que me conquistou no ato, e deu ainda mais profundidade a tudo aquilo que já conhecíamos. No segundo volume da trilogia Iskari, Kristen Ciccarelli da seguimento aos acontecimentos do livro anterior. A história ganha novos protagonistas e consequentemente uma forma mais ampla de enxergar esse mundo fantástico. De modo geral, temos aqui uma trama independente, cujos personagens possuem dramas próprios, e que pode ser lida fora da sequência, contudo, para uma melhor compreensão geral, recomendo que leiam conforme a ordem de publicação. Dito isso, vamos a resenha!

A rainha aprisionada (The Caged Queen)
Coleção: Iskari #02
Autor (a): Kristen Ciccarelli @KristenCiccarelli
Publicação: Seguinte *Cortesia
ISBN: 9788555340840 | Skoob
Gênero: Fantasia
Ano: 2019
Páginas: 369
Minha avaliação: 4/5★
Firgaard foi governada durante décadas por um rei tirano e manipulador, capaz de condenar povos inteiros apenas para aumentar seu poder. Depois de uma grande batalha, Asha, sua filha, conseguiu derrotá-lo. E, assim, Dax, o primogênito, assumiu o poder ao lado de Roa, sua esposa. Roa é uma forasteira vinda das savanas ― um território sob o domínio de Firgaard, que há anos é oprimido e está prestes a entrar em colapso. O maior desejo da nova rainha, mesmo sabendo que não é bem-vinda em seu novo lar, é mudar a vida de seu povo. O que ela não esperava era encontrar uma chance de alterar o curso do destino e trazer de volta à vida sua irmã gêmea, Essie, morta quando criança em um terrível acidente. O único obstáculo? O novo rei.
Eu amei A Caçadora de dragões incondicionalmente, e embora Roa não tenha despertado em mim uma boa primeira impressão, estava ansiosa demais para saber o que aconteceria a Asha, Torwin, Dax e Safire, para me preocupar com a protagonista desse livro. Não planejava me interessar pela história da rainha nativa e tampouco esperava mudar a visão inicial que tive da personagem. Felizmente Kristen Ciccarelli possui um talento inquestionável para tecer enredos fantásticos das quais não se pode escapar. Fui fisgada e aprisionada pelas histórias antigas que regem a cultura nativa e que são menosprezadas pelos habitantes de Figaard. Porém, não consegui me deixar conquistar por Roa, ao contrário disso, a narrativa só reforçou a antipatia que eu já nutria pela personagem. Esse detalhe específico, não foi capaz de prejudicar minha experiência de leitura, embora tenha me causado alguns aborrecimentos indesejados. No final das contas, foi maravilhoso rever personagens queridos e conhecer mais a fundo suas histórias.

1 de julho de 2019

Séries Literárias: Irmandade da Adaga Negra

Olá cariños!
Hoje darei inicio a uma série de posts sobre A Irmandade da Adaga Negra. Já faz um tempão que venho adiando a leitura desses livros, porque né? J. R. Ward tem escrito desenfreadamente sobre este universo, e eu já imaginava que uma vez iniciada, essa leitura me faria prisioneira em definitivo.  Relutei o quanto pude, porém em um dia de puro desânimo, na tentativa de fugir do ócio, me rendi. E não deu outra, estou completamente obcecada e quero devorar cada página de tudo o que essa mulher já escreveu. Mas pesquisando mais a fundo, me deparei com uma série enorme, com direito a contos, spin-off e crossover, que intercalam com os livros da coleção original, tenho certeza que os fãs da IAN estão muito bem servidos, mas não podemos negar que essa vastidão de sequências acabam confundindo os leitores que estão começando a acompanhar essa história agora. Por essas e por outras, resolvi fazer um apanhado de informações que poderão direcionar aqueles que gostariam de embarcar nessa aventura, bem como, servir de guia para aqueles que já acompanham essas publicações. Peço que fiquem atentos aos sinais de SPOILERS, que surgirão conforme as publicações forem tomando forma.

17 de junho de 2019

[Resenha] Um casamento conveniente - Tessa Dare

Olá pessoas!
Ano passado tive ótimas primeiras experiências de leitura, conheci séries maravilhosas, e autores que pretendo acompanhar. A Tessa Dare é uma dessas jóias que me conquistou de imediato, então eu não poderia deixar passar uma história de sua autoria, concordam? Dizer que eu meio que amo romances de época, é como chover no molhado, então digo apenas que minha ansiedade por esse livro era tanta que depois de iniciada a leitura, levei apenas algumas horas para chegar ao desfecho. E no final, eu pude mais uma vez apreciar a capacidade da autora de transformar um drama clichê, em uma história única. Um casamento conveniente, é o primeiro livro da série Girl Meets Duke, que conta a trajetória de quatro amigas que desafiam os padrões da sociedade da época, não só na forma como vivem e pensam, mas também em como encontram o amor. A série que chegou ao Brasil este ano, terá seu terceiro volume publicado em agosto, no exterior.

Um casamento conveniente (The Duchess Deal)
Coleção: Girl Meets Duke #01
Autor (a): Tessa Dare @tdare
Publicação: Gutenberg *Cortesia
ISBN: 9788582355831 | Skoob
Gênero: Romance +18
Ano: 2019
Páginas: 256
Minha avaliação: 4/5★
Amazon | Saraiva | Submarino
Com metade do rosto marcado e desfigurado pela guerra, não foi só a aparência do Duque de Ashbury que sofreu mudanças: a rejeição e o olhar de desprezo das pessoas mutilaram também o seu interior. E, já que precisa viver às sombras da sociedade, ele decide que passará seus dias perambulando por Londres durante a noite para assustar todos que cruzarem seu caminho. Mas o tempo passa, e em posse de um grande título, o duque sabe que precisará cumprir o dever de conseguir um herdeiro para seu ducado. Para isso, só existe uma regra: encontrar uma mulher que aceite um casamento de conveniência, lhe dê um herdeiro e desapareça de sua vida. Quando Emma Gladstone, uma costureira, aparece na casa de Ashbury para exigir o pagamento de uma dívida, ele vê ali uma grande oportunidade de acordo e lhe faz a proposta de casamento. Mas o duque deixa claro que, assim que Emma engravidar, ela deverá partir para o interior e sumir para sempre. Ele precisa de um herdeiro. Ela precisa de um bom casamento. Os dois estão dispostos a tudo, desde que não envolva seus corações. Mas será que o amor cabe nas entrelinhas de um contrato?
Se eu alguém me perguntasse, eu diria que essa trama é uma típica releitura de A Bela e a Fera. Em minha breve pesquisa, não encontrei nada que confirmasse essa minha constatação, então não posso garantir que esta foi a intensão da autora, mas existe uma série de referências explícitas, que vão além da aparência do Duque, que reforçam essa minha impressão. E onde eu quero chegar destacando isso? Simples. Em se tratando de uma narrativa composta de elementos tão familiares, é impossível não se sentir em casa, e o melhor, apesar de facilmente reconhecer aspectos já abordados em outras obras, em nenhum momento me prendi as comparações tão comuns em casos do tipo. O fato é que, a autora conseguiu dar novos rostos e identidade a um enredo clichê, além de ter tornado os dramas vividos por Emma e pelo Duque, mais profundos e críveis, o que consequentemente ampliou sua capacidade de comover o leitor. Então sim, você já deve ter lido uma história com base semelhante a esta, mas se puder olhar além das cartas marcadas, encontrará um doloroso porém encantador processo de cura.