Lançamentos: Grupo Editorial Record | Maio/2017

maio 11, 2017
Hey!
Eu havia tornado extintas as postagens de news por aqui, a ideia era postar apenas na fan page, mas decidi trazer os lançamentos de volta, só que com algumas pequenas mudanças: a primeira delas é que as postagens não terão caráter divulgador, serão postados apenas os títulos que me chamarem a atenção por algum motivo e que pretendo ler. Segundo, as sinopse serão parciais e contarão apenas a ideia principal da trama e terceiro, procurarei sempre destacar através de comentários o que me chamou a atenção no livro e o que espero da leitura. Torço que goste!

[Resenha] O erro - Elle Kennedy

maio 09, 2017
Olá querido (a)!
Eis que muita coisa boa está prestes a acontecer aqui no Nosso Mundo Literário, então para não ficar de fora da brincadeira fique atento aos próximos capítulos da nossa história. Até lá que tal dar uma olhada na resenha de O erro, segundo livro da série Amores improváveis da diva Elle Kennedy? Chega mais, vem conhecer mais um astro do hóquei universitário.

Título Original: The Mistake
Autor (a): Elle Kennedy
Publicação: Paralela (Cortesia)
ISBN: 9788584390274 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2016
Páginas: 360
Avaliação: ★★★★★

Logan é jovem, bonito e extremamente popular, um dos melhores jogadores do time de hóquei da Briar que vive a vida como se não houvesse amanhã. Mas além da superfície descontraída desse astro do gelo se escondem segredos que o torturam diariamente: apesar de promissor seu caminho rumo ao hóquei profissional está prestes a ser interrompido e pra piorar ele parece ter se apaixonado pela namorada do melhor amigo. Incapaz de lidar com dilemas que lhe fogem o controle, Logan passa a aproveitar cada segundo que lhe resta na faculdade, o frequentador assíduo de festas e conquistador de diversos corações desavisados intensifica ainda mais suas atividades. E é graças ao empenho em esquecer seus problemas que ele conhece Grace, uma jovem comedida e na maioria das vezes cautelosa que diferente de Logan ainda não teve a oportunidade de aproveitar tudo o que a vida a acadêmica tem a oferecer.

Quando Logan, por ironia do destino, aparece por engano no alojamento de Grace ela não desperdiça a oportunidade de se aproximar mesmo que por uma noite do tão cobiçado jogador de hóquei, pelo qual já nutria um interesse secreto. A partir daí tem início uma bela amizade capaz de destruir muros e construir caminhos, aos poucos Grace passa a conhecer e fazer parte da história de Logan ao mesmo tempo em que permite que ele tenha acesso a pequenos fragmentos do seu coração. A dúvida que fica no ar para ambas as partes é: seria esse sentimento que começa a crescer entre eles um erro?

[Vai uma dica ai?] Jantar secreto, Raphael Montes

abril 09, 2017
Hey amores!
Voltando aos trabalhos por aqui, porque né... Confesso que tem sido muito mais fácil me fazer presente nas redes sociais que do que no blog, já que consigo gerenciá-las sem nenhuma dificuldade através do smartphone, porém não pretendo de forma alguma continuar negligenciando a nossa plataforma base, uma prova disso é o layout maravilindo que em breve estará divando por aqui, além disso admito que acumulei alguns livros lidos que já deveria ter resenhado a tempos e nas quais estou trabalhando nesse exato momento, então só mais um pouquinho e tudo volta para os trilhos, okay? Então segue o baile e conheça essa dica bafônica que eu trouxe hoje.


Recebi o livro Jantar Secreto, como cortesia em parceria com o grupo Companhia das Letras e confesso que não sabia muito bem o que esperar da história ou da narrativa (dois pontos que considero muito importantes em um livro), apesar disso me joguei de cabeça e não deu outra, estou eu completamente refém desse suspense alucinante.

O ENIGMA DA CARNE DE GAIVOTA

"Um sujeito estava andando pela rua quando deparou com um restaurante que vendia carne de gaivota. Pediu a carne, comeu, foi para casa e se matou. Porquê?"

Talvez você já conheça a resposta para esse enigma, já que ele é bem antigo (só descobri depois), mas será que você é capaz de imaginar o que reserva as páginas desse livro?

Jantar secreto conta a história de quatro amigos que em busca de uma vida melhor, deixam sua cidadezinha natal e vão estudar no Rio de Janeiro. Mas apesar do grande desejo de vencerem na vida Dante, Leitão, Miguel e Hugo sentem na pele as consequências de viverem em um país em crise, devido a dificuldade de se posicionarem bem no mercado de trabalho e consequentemente de arcarem com o custo de vida na cidade grande, os rapazes poem em prática um plano infalível que renderia muito dinheiro e passam a realizar jantares secretos para clientes que anseiam por experiências exóticas. No entanto decisões tomadas no calor do momento tomam proporções imensuráveis, levando-os a um caminho permeado de paranoia e ambição e uma série de crimes.

CONFIRAM O BOOKTRAILER BAFÔNICO!



[Resenha] Sopa de Salsicha - Eduardo Medeiros

março 26, 2017
Hey peoples!
Desde que iniciei minha vida de leitora procurei diversificar ao máximo meus gosto literário, apesar disso as vezes acabo negligenciando estilos que já curto em prol de novas descobertas, infelizmente isso tem acontecido de forma frequente com as HQs. E foi tentando reverter esse quadro que chegamos até aqui, onde irei falar de uma Grafic Novel que me chamou a atenção desde o primeiro instante em que pus os olhos nela. Logo de cara me deixei intrigar pelo título incomum que resume muito bem tudo que se passa na história, além disso os traços simples em cores pasteis do Eduardo dão a história um ar ainda mais agradável e atraente.


Sopa de salsicha é um relato divertido das aventuras e desventuras de Eduardo Medeiros, que na tentativa de escrever sua primeira HQ teve que lidar com diversas situações inusitadas, dentre elas o tão temido bloqueio criativo, a partir dai temos acesso a fragmentos do passado e presente do autor e conhecemos seus dilemas diários compartilhados com sua esposa e fiel escudeira Aline (Baixinha), sem falar das pinceladas ficcionais que a imaginação fértil do Eduardo nos proporciona vez ou outra.

Composta de sonhos, expectativas, revelações e recomeços essa é sem sombra de dúvida uma obra afável que conquista por sua naturalidade. 

Enquanto narra as trivialidades rotineiras de forma leve e descontraída o autor nos apresenta suas dificuldades, decisões e escolhas verdadeiras, que culminam em um perceptível amadurecimento. Apesar disso ouso destacar que a beleza de tudo está nos pequenos detalhes, nos diálogos com a esposa e grande apoiadora, na tentativa de se encontrar, de resgatar amigos de outrora, na monotonia e nas decepções,  acredito que esses são os componentes da grande sopa que foi essa fase da vida do Eduardo, e o fato dele ter conseguido contar tantos altos e baixos com um humor tão singelo tornou sua obra inspiradora, afinal Sopa de salsicha é um sonho concretizado as custas de muita dedicação e perseverança. 

No que diz respeito a parte visual só tenho elogios a fazer, apesar de não possuir orelhas o livro possui uma diagramação lindíssima e texturas incríveis, que valorizam ainda mais a arte do Eduardo, que desenha divinamente, confesso que nunca tive a oportunidade de apreciar traços nem mesmo parecidos com o do autor, o que a meu ver torna sua obra ainda mais singular e especial. Recomendo aos fãs de narrativas irreverentes, auto biografias, linguagem simplista e HQ (claro).

Publicação: Quadrinhos na Cia (Cortesia)
ISBN: 9788535927030 | Skoob
Gênero: HQ
Ano: 2016
Páginas: 172
Minha avaliação: ★★★★★


[Resenha] O acordo - Elle Kennedy

março 14, 2017
Hey amores!
Olha só quem resolveu aparecer aqui, por favor não me culpem pelo sumiço andei involuntariamente vagando por um limbo que não me permitia ter a inspiração necessária para o desenvolvimento de uma resenha digna de vocês. Escrevi incontáveis textos, mas nenhum me pareceu bom o bastante e se hoje estou finalmente aqui, é graças a uma força de vontade gigantesca que me obrigou a sentar em frente ao computador e só sair depois que essa resenha estivesse pronta. Então, de antemão peço desculpas por qualquer coisa, estou meio enferrujada aqui, mas prometo que isso logo passa. Sem mais delongas, confiram a resenha do primeiro livro da série Amores improváveis, mais uma que entrou pra minha lista de preferidas.

Título Original: The Deal
Autor (a): Elle Kennedy @ElleKennedy
PublicaçãoParalela (Cortesia)
ISBN: 9788584390274 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2016
Páginas: 360
Avaliação: ★★★★★

Hannah é uma garota que sabe o que quer, apesar do passado nebuloso, a estudante de música mantém sua cabeça erguida e focada em atingir seus objetivos, que por sinal foram muito bem definidos. Na vida da jovem não há espaço para distrações, nem desvios de percurso e é exatamente isso que Garrett representa, o jogador de hóquei mulherengo é o último ser humano com o qual a garota quer interagir, porém a determinação do rapaz os leva a um impasse: Ele precisa melhorar suas notas, para poder voltar a jogar no time e ela gostaria de despertar o interesse de um dos jogadores, um claramente pode ajudar o outro, e é nesse jogo de apostas que um acordo se desenrola, mas como a vida é imprevisível, um elo começa a se formar e envolver por completo a vida desses dois opostos.

Esse é um NA com todas as características típicas do gênero, uma história previsível ao mesmo tempo que extremamente atraente, composta por personagens agradáveis e bem desenvolvidos que cumprem facilmente o papel de conquistar o leitor e transportá-lo para um mundo fictício, mas não tão longe da realidade. Um exemplo disso são os dramas pessoais vividos por Hannah e Garret. Nossa protagonista é um exemplo de força e determinação, que mesmo tendo uma história difícil não se deixou abater, muito pelo contrário buscou a superação e não se anulou diante do trauma sofrido. E

[Resenha] Dois irmãos - Fábio Moon e Gabriel Bá

janeiro 13, 2017
Dois irmãos grafic novel é a adaptação da obra homônima de Milton Hatoum, pelos quadrinhistas Fábio Moon e Gabriel Bá. Atualmente também é possível acompanhar a trama que foi produzida como minissérie televisiva e está sendo transmitida pela rede globo, o projeto comandado por Luiz Fernando Carvalho, é considerado uma adaptação extremamente fiel a obra literária.


Por volta de 1914 Manaus estava repleta de imigrantes libaneses, sírios e judeus marroquinos. E na condição de imigrante libanês Halim viu-se apaixonado por aquela que seria a dona de seus dias. O intervalo que se deu entre conhecer, se encantar e desposar Zana pode ser considerado deveras curto, mas Halim nunca duvidou de que precisava (apenas) dela para que sua felicidade fosse completa, Zana no entanto queria mais, e contrariando os desejos do marido concebeu os gêmeos Yaqub (primogênito) e Omar. Não há uma explicação lógica para a devoção ilimitada que a jovem mãe desenvolveu para com o caçula, ela o adorava de todas as formas possíveis e por isso, mesmo que inconscientemente diversas vezes preteriu Yaqub em prol do irmão.

Se isso por si só não fosse o bastante para gerar uma certa rivalidade entre os rapazes, eis que a diferença de personalidades acentua ainda mais o afastamento entre os irmãos. Yaqub é introspectivo e pouco sociável o que lhe permite dedicar-se aos estudos e lhe confere uma inteligência admirável. Omar, no entanto, é o completo oposto, não se importa em cumprir regras, leva uma vida leviana e possui aversão pelos estudos. Este último teve em sua formação, a inegável influência do amor possessivo de sua mãe.

Através de uma narrativa instigante, Milton Hatoum, autor da obra que inspirou Moon e Bá, nos envolve nos dilemas dos personagens, que possuem características marcantes e bem delimitadas. Dois irmãos é uma história permeada de dramas familiares e sentimentos conflitantes, onde a inveja, a paixão e o isolamento tem destaque garantido. A diferença de opiniões e objetivos entre os membros de uma família não é sob hipótese nenhuma algo surreal, porém no caso dos gêmeos, esses e outros fatores foram responsáveis por empurrar o amor e o respeito parental ladeira abaixo. Durante a leitura é impossível não se comover com o desespero de uma mãe que amou demais, um pai frustrado, dois irmãos perdidos, onde um por excesso de mimo tornou-se inconsequente e o outro esquecido, indiferente e revoltado... Um conjunto magnífico que nos leva para um desfecho crível e realístico.


Confesso que me surpreendi com a paixão que essa história é capaz de despertar, durante toda a leitura me vi ansiosa pelo próximo acontecimento e posteriormente para enfim descobrir o que o autor havia reservado para essa família conturbada. Após desfrutar do incrível trabalho realizado por Moon e , ando desejosa de conhecer a obra original e conferir de perto o trabalho de Milton Hatoum. Essa sem dúvidas foi uma leitura maravilhosa que recomendo sem receio algum para todos os que curtem dramas familiares intensos e HQ. O trabalho artístico está impecável, cada traço retrata com maestria o ambiente intenso em que a trama se desenrola.

Publicação: Quadrinhos na Cia (Cortesia)
ISBN: 9788535908336 | Skoob
Gênero: HQ
Ano: 2015
Páginas: 232
Minha avaliação: ★★★★★

[Resenha] Desejo Concedido - Megan Maxwell

novembro 23, 2016
Oieee! O primeiro volume da série As Guerreiras de Megan Maxwell, é também o primeiro livro que leio da autora e consequentemente meu primeiro surto de amor pela escrita daquela que já conquistou inúmeros fãs. Uma experiência super positiva que me deixou desejosa de correr atrás do tempo perdido e ir em busca de todos os livros já publicados por ela, portanto Desejo concedido é aquela surpresa que mais uma vez expandiu meus horizontes e que acrescentou a minha lista mais uma escritora a ser acompanhada de perto.


No século XIV a Inglaterra e a Escócia estavam em guerra, e obviamente havia uma tensão considerável entre esses dois povos, apesar disso era possível encontrar casais desafiando a hostilidade oriunda de uma guerra interminável e atravessando perigosas fronteiras na esperança de viver um grande amor, não antes é claro de enfrentar o repúdio e o descontentamento de sua própria gente e do país adversário. E é de uma dessas uniões improváveis que Megan e seus dois irmãos Shelma e Zac nasceram, filha de pai inglês e mãe escocesa, a jovem carrega em suas veias a união de duas nações rivais e devido sua natureza híbrida não conseguiu ser bem aceita na Inglaterra, país em que nasceu. Mas após a morte de seus pais, ser tratada como uma párea por quase todos ao seu redor torna-se o menor dos problemas de Megan.

Vítima da ganância de seus tios e tutores, a jovem se vê obrigada a fugir com seus irmãos para a Escócia, onde passa a viver com seu avô materno (um amor de pessoa diga-se de passagem), anos se passam e a paz está novamente instaurada na vida dos três irmãos, porém um evento importante trás para a vida de Megan um guerreiro, e como tal temido e respeitado por todo o país. É assim que conhecemos Laird Ducan do Clã McRae, um homem altivo e imponente, invejado por muitos e certamente desejado por mais mulheres do que se pode contar, no entanto, o destemido Laird se vê completamente intrigado pela jovem de olhos verdes que para garantir o bem estar dos irmãos desafia a tudo e a todos. Em uma das inúmeras reviravoltas que ocorrem na história Megan se vê obrigada a casar com Ducan, para através dele conseguir manter-se em segurança, contudo o enlace que deveria se não solucionar, pelo menos amenizar os problemas da jovem, torna-se um grande infortúnio para os envolvidos. Teria sido um erro a união dessa dupla inflexível?

Durante toda trama é impossível não se deslumbrar com os detalhes da narrativa, em grande parte ambientada em território escocês, a escrita de Megan nos leva para longe do nosso tempo e espaço e nos proporciona uma viagem maravilhosa. Além disso, a forma leve e descontraída com a qual a autora apresenta os fatos torna a história ainda mais fluída e viciante. As características, personalidades e interações dos personagens são um espetáculo a parte que definitivamente merece destaque. Megan é uma jovem atemporal, sem sombra de dúvidas faz jus ao nome da série e se mostra uma guerreira em muitos sentidos, apesar disso não é perfeita (e quem é, não é mesmo?) e devido sua teimosia e impulsividade, desencadeou diversos confrontos desnecessários e as vezes até irritantes. Já Ducan, se mostrou um personagem conflitante, a primeira vista é inevitável não sentir-se atraída pela beleza e imponência que ele representa, mas conforme a trama se desenrola, os atritos entre ele e a esposa se evidenciam e consequentemente tem inicio um jogo de cadeira constante, onde a cada novo embate o leitor se verá tomando partido ora de Ducan, ora de Megan.

Como guerreiro acostumado a travar guerras e quase sempre vencê-las, Ducan se vê perdido diante da audácia de Megan, que diferente das demais damas da época não pensa duas vezes antes de desafiar o marido diante de seu exército. Agora imaginem a cena, um homem poderoso, temido no campo de batalha e que não consegue controlar a própria esposa. Não há dúvidas de que essa insubordinação de Megan causou alguns (muitos) constrangimentos a Ducan, não é mesmo? Sem falar que a "desobediência" da jovem, quase sempre era o gatilho que desencadeava os conflitos recorrentes entre o casal. Claro que amei o fato de Megan não se curvar a tirania imposta pelos preceitos sociais da época, sou apaixonada por tramas que seguem essa linha, entretanto não pude deixar de notar que durante boa parte da história Ducan cedeu constantemente as vontades e caprichos de Megan, enquanto ela quase nunca parou pra pensar no quanto seus atos estavam afetando seu marido. Eu acredito que em toda relação deve haver um equilíbrio, claro que ela não deveria abaixar a cabeça para as imposições a que era submetida, mas nem mesmo aos pedidos de prudência ela dava ouvidos, o que a colocou em inúmeras situações de extremo perigo. Admito que essa característica inconsequente da personagem deu ao enredo uma dinâmica alucinante, cada virar de página era um acontecimento estimulante que ditou um ritmo de leitura frenético.

Portanto, deixo claro que Megan não era sob hipótese alguma (apenas) uma megera inconsequente, muito pelo contrário, por se achar completamente responsável pelos irmãos ela desenvolveu uma independência desconcertante, aprendeu a não temer o perigo e enfrentá-lo não importa as consequências desde que o bem estar dos seus entes queridos estivesse assegurado e por isso compreendo a resistência que ela apresentou durante a trama. Ficou óbvio que Megan no auge de sua auto suficiência não estava disposta a se tornar a cotovia ferida que pede por socorro a todo instante ao guerreiro poderoso, o que sem sombra de dúvidas deixou Laird Ducan extremamente frustrado, mas não apenas isso, era nítido o orgulho que ele sentia da autonomia da esposa, embora temesse por sua segurança e esperasse e exigisse dela um comportamento mais sensato. Por fim, a determinação ferrenha desses dois, dificultou bastante a evolução do tal romance, mas em contra partida foi essencial para dinamizar a história, que acredite se quiser é uma verdadeira loucura de acontecimentos.

Eu preciso dizer com toda a sinceridade do mundo que estou completamente enlouquecida por essa trama. Alguém me diz, por favor, onde eu estava durante todo esse tempo? Qual o motivo imoral que me levou a demorar tanto para ler um livro escrito por essa mulher, hein? Juro que não sei. Quando finalizei a leitura, não conseguia parar de falar dessa história, e ainda hoje indico ele para todos que se aproximam, sem sombra de dúvida esse livro é o meu favorito do ano, mal posso esperar pelo lançamento do segundo volume da série.

As guerreiras #01
Publicação: Planeta de livros Brasil (Cortesia)
ISBN: 9788542207934 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2016
Páginas: 464
Minha avaliação: ★★★★★

[Resenha] A garota do calendário, Abril - Audrey Carlan

setembro 22, 2016
Oieee! Estava preparando uma outra resenha pra vocês, mas devido alguns imprevistos tive que adiá-la. Então vamos de garota do calendário? Já chegamos ao quarto volume (ainda faltam oito) e posso dizer que a cada livro gosto menos da protagonista (e da série). Mas Del porque você continua lendo essa série então? Vai saber né? No fundo nutro aquela esperança doentia de que algo de maravilhoso aconteça, além do mais os livros são extremamente curtos e consigo lê-los dentro de poucas horas. Sendo assim, sigo meu dilema de amor e ódio até quando não for mais possível. Sem mais delongas, confiram a resenha de A garota do calendário, abril.  


Quando comecei a ler essa série a mais de um mês atrás, não imaginei que entraria no limbo em que estou atualmente. Sério gente, nunca quis tanto abandonar uma série como estou querendo abandonar essa, sabe a euforia inicial? Passou totalmente. Pra vocês terem uma ideia li esse livro assim que foi lançado, mas não tinha me animado a escrever a resenha até o momento, quanto aos demais livros comprei os e-books de maio e junho, mas não consigo me forçar a lê-los, nem sei se vou continuar comprando os físicos (talvez eu os compre apenas para não deixar a série incompleta na minha estante). O fato é que desenvolvi um antipatia quase que irreversível pela Mia e quase tudo que ela fala ou faz me irrita, então já adianto que essa é minha tentativa extrema de ser imparcial com essa história.

Mason é o primeiro cliente que não se mostrou um gentleman desde o primeiro instante. Acostumado a ter todas as mulheres que deseja aos seus pés, ele criou altas expectativas de que não seria diferente com sua acompanhante, e não seria, caso ele não houvesse ferido o orgulho da garota no primeiro instante. Afinal o jogador é lindo e claramente chamou a atenção de Mia, como já é de costume, ela se rendeu a beleza dele no primeiro instante e no segundo estava fantasiando com ele, mas Mason fala... E meu Deus, o egocentrismo dele chegou a me incomodar. Sabe aquele carinha gato (garota no caso dos rapazes) que você admira a distância, mas que quando você finalmente tem a oportunidade de se aproximar e conversar, te bombardeia com tanta bobagem que da vontade de arrancar a própria cabeça ou sair correndo? Pois bem, esse é o Mason a primeira vista.

Mas felizmente, até mesmo um erótico de poucas páginas apresenta evolução, certo que nada espetacular, mas está valendo (melhor que nada). Conforme se adapta a sua nova condição de namorada de mentirinha, Mia passa a compreender a vida de Mason, e tenho que admitir que coisas legais nos são apresentadas a partir daí, primeiro conhecemos Rachel, uma jovem doce e centrada que se apaixonou pelo patrão mulherengo (ele mesmo, o tal do Mason Murphy) e em seguida a família composta só de homens do nosso astro, a mãe de Mason foi vítima de câncer de mama (olha o tema relevante aqui) e deixou ele, os irmãos e o pai órfãos de amor e carinho feminino, os rapazes se viram como podem para manterem as tradições de família e são um grupo bem agradável de se ler.

Voltando a Rachel, não demora muito para que Mia perceba que a garota está interessada no seu cliente de abril e que o interesse pode ser recíproco, dessa forma decide unir esse casal improvável, certo que unir um mulherengo a uma quietinha não é algo muito fácil de se fazer, mas Mia é determinada e não se deixa abalar pelas dificuldades que surgem no caminho. Óoooh! Mas como a Mia é legal, tanto empenho para unir duas pessoas "que se amam"... Não se engane, o sentimento dura pouco, porque ela é a Mia, né gente? Então sim, ela mete o pé na jaca e faz algo que julgo no mínimo desrespeitoso (não vou entrar em detalhes para não dar spoilers, mas é o tipo de coisa que ninguém gostaria de ser vítima).

E para dar mais dramaticidade a trama, eis que surge ele... O querido de janeiro, o surfista gato, o cineasta irresistível, o meu, o seu, o nosso Weeeees. Maaas, nem tudo são flores nessa pequena aparição do Wes, o que vou falar a seguir pode ser considerado spoiler, para mim é apenas algo que natural e previsível que iria acontecer em algum momento, então lá vai...

Caso não queira ler pule para o próximo parágrafo, durante uma ligação descobrimos que o Wes está se relacionando com Gina, a protagonista do seu novo filme, essa notícia cai como uma bomba no colo de Mia, que fica arrasada e revoltada com a "infidelidade" do príncipe Wes. Ah, gente! Me poupe, né? O cara pede a ela que fique com ele, diz que vai ajudá-la a resolver seus problemas, entrega a chave da casa dele pra que ela volte pra ele quando ela quiser e ela diz: não muito obrigada, vou ficar doze meses deitando e rolando com quem eu quiser e quanto tudo acabar se tiver que ser, eu volto pra você, tá? E enquanto isso você vira um celibatário e espera eu resolver minha vida. Claro que não, né meu povo? Wes está certo, ele é jovem e lindo, tem mais é que curtir a vida mesmo. Não considero infidelidade, pois não há compromisso algum entre eles (ela não quis), sem falar que se for infidelidade ela ficou com o Alec pouco mais de uma semana após ter saído da casa do Wes, isso por si só já faz a revoltinha dela parecer ridícula e peço desculpas aos que ficaram "decepcionados" com o Wes, migos! Menos né? O cara é livre e fica com quem quiser, então quer dizer que a Mia pode correr atrás da liberdade (libertinagem) sexual e o cara tem que ficar lá, um ano olhando pela janela, esperando ela voltar. Isso não faz sentido algum e ponto final. Além do mais, agora é SPOILER (pule para o próximo parágrafo), ela não exitou em correr para a cama do Alec, novamente. Isso mesmo, em abril a dona Mia, vai atrás de um replay com o cliente de fevereiro. Agora vê se eu aguento ficar lendo mimimi sobre o Wes?

A garota do calendário - Abril, é em mais de um aspecto, bem parecido com o volume anterior, o fato de Mia ter trabalhado como cupido e ter incentivado uma linda campanha visando arrecadar fundos para ajudar mulheres com câncer de mama, atenuaram e muito o incômodo crescente que venho nutrindo pelas atitudes da personagem (e só por isso dei três estrelas), mas nem de longe reacendeu o meu velho interesse pela história, muito pelo contrário, fico me perguntando como conseguirei chegar aos últimos livros, já que esse é apenas o quarto e eu já estou quase que completamente saturada disso tudo, provavelmente não acompanharei as publicações que já estão quase chegando ao fim, mas mesmo que de forma espaçada, ainda pretendo insistir na leitura, vai que eu me surpreendo, né? Estou tão desanimada com esses livros, que não ouso indicá-los a ninguém, então se gostou de alguma coisa do que eu disse, e quer saber mais a respeito da trama, leia e descubra por si só se vale a pena, pra mim (com toda a sinceridade do mundo) não está valendo.

A garota do calendário #04
Publicação: Verus
ISBN: 9788576865193 | Skoob
Gênero: HQ
Ano: 2016
Páginas: 160
Minha avaliação: ★★★