[Resenha] Meu corpo virou poesia - Bruna Vieira

4 de novembro de 2021

Olá cariños!
Quando entrei na blogosfera há mais ou menos uns oito anos atrás, Bruna Vieira já era referência no meio. Tanto o blog como o livro Depois dos Quinze despertavam o interesse da grande maioria, e comigo não foi diferente. Eu quis conhecer esta história, e mesmo sem ler o livro de fato, eu conheci. Havia trechos da Bruna por todo lugar e eu os colhi aqui e ali, e acreditei que um dia leria algo dela, o tempo passou e este desejo ficou em suspenso, novos interesses ocuparam minha mente e varreram pra debaixo do tapete este querer antigo. Contudo, eis que quando eu menos esperava a oportunidade surgiu, Meu corpo virou poesia é o lançamento mais recente da autora, onde ela se rasga por inteiro, desta vez, através de prosas e versos. Linhas que sussurram, falam e gritam. A cada virar de página conhecemos um pequeno fragmento da menina mulher Bruna Vieira. E posso falar? Que experiência incrível. 

Meu corpo virou poesia
Autor (a): Bruna Vieira @brunavieira
Publicação: Seguinte *Cortesia
ISBN: 9788555341434 | Skoob
Gênero: Poesia
Ano: 2021
Páginas: 184
Minha avaliação: 4/5★
Em 2017, Bruna Vieira fez as malas, deixou a vida no Brasil de lado e foi escrever uma nova história em outro país, vestida de coragem e guiada por um sentimento que sempre foi sua maior prioridade: o amor. Com o tempo, porém, os dias foram ficando cada vez mais longos e solitários. Era como se naquele lugar o amor tivesse perdido o equilíbrio e se tornado uma obrigação. Foi bem perto do fim e de jeito mais frio que ela finalmente se deu conta: é impossível ser “nós” sozinha. Formado por quatro partes ― cabeça, garganta, pulmão e ventre ―, este livro é um mapa. Um mapa que leva Bruna de volta à escrita e a si mesma. São relatos reais, repletos de lembranças, aprendizados e cicatrizes, que agora deixam o corpo da autora para encontrar o seu, em forma de poesia. Ao tocar em temas como autoestima, amizade feminina e relacionamentos (com o outro e sobretudo consigo mesma), Bruna olha para dentro e nos convida a percorrer nestes versos nossa própria viagem de autodescoberta.
Poesia não é um gênero que leio com frequência, mas sempre que me permito arriscar fora da caixinha me deparo com conteúdos incrivelmente inspiradores. E dessa vez não foi diferente, Bruna se derrama por completo em cada verso, sua franqueza me impressionou e conquistou já na primeira página, e mesmo não a conhecendo intimamente, pude senti-la em cada texto. Frações  da autora dispostas em cada palavra, em cada arte. Uma obra que transpira Bruna Vieira, aborda questões tão próprias e ao mesmo tempo tão comuns. O tipo de leitura que te acolhe, te sacode e te desperta, de forma prática e certeira.

Dividido em quatro partes: cabeça, garganta, pulmão e ventre, Meu corpo virou poesia se apresenta como uma obra  completa, a autora trabalha de forma magistral temas como, desilusão amorosa, auto descoberta, sensação de não pertencimento, sororidade e amor próprio. Cada poema me encantou e preencheu de forma ímpar. Durante a leitura fui tomada pela sensação de estar cara a cara com uma amiga, compartilhando suas dores e conquistas. A cada virar de página me vi ouvindo, consolando e vibrando, isso enquanto me encontrava em alguns desses textos tão pessoais, me senti ali também, disposta como peças de um enorme quebra cabeças. Tentada a me curar, a crescer, a olhar pela janela e sentir o sol me aquecer.
 
Quantas vezes o medo de parecer idiota te impediu de se parecer com quem você sentiu na boca do estômago que deveria ser? Somos todos idiotas para alguém.

Embora cada experiência de leitura seja única, creio que muitos facilmente se encontrarão em alguns destes poemas, que em sua maioria arremetem a acontecimentos simples e cotidianos, dispostos sem rodeios. Bruna possui um olhar atento que capta os mais ínfimos detalhes de tudo que habita ao seu redor. Sua perspectiva nos é apresentada através de uma narrativa sensível e direta que nos convida a conhecer sua jornada rumo ao reencontro. Se perder, perceber, se reencontrar e florescer, são etapas importantes que compõem uma trajetória admirável.

Nenhum comentário

Postar um comentário