9 de julho de 2019

[Resenha] A garota desaparecida - Lisa Gardner

Olá pessoas!
Em meu primeiro contato com a escrita da Lisa Gardner me deparei com uma história impressionante e tão dolorosa quanto comovente. A garota desaparecida, é o oitavo livro da série Detetive D. D. Warren, e como a maioria dos livros que compõem séries investigativas, pode ser lido de forma independente e fora da ordem de publicação, uma vez que cada título trás uma história única. Porém, contudo, todavia, levando-se em conta o fato de que a série possui uma protagonista principal, no caso D. D. Warren, é de se pensar que o ideal seria ler tudo certinho, e dessa forma acompanhar a trajetória da detetive de forma eficaz. Então, meus caros, fica ao critério de vocês. Pode ser lido fora de ordem? Claro que pode. Mas obviamente, vários detalhes da vida, tanto pessoal como profissional, da investigadora se perderão pelo caminho. Eu pessoalmente, senti curiosidade de conhecer melhor os caminhos que a trouxeram até aqui, e por isso até recomendaria que vocês fizessem a leitura como se deve, no entanto, quem não domina o inglês ficará de mãos atadas, uma vez que por aqui só foram lançados três títulos dessa coleção, e posso dizer? Completamente fora de ordem. Originalmente Detetive D. D. Warren, possui dez livros e dois contos publicados no exterior.

A garota desaparecida (Find Her)
Coleção: Detetive D.D. Warren #08
Autor (a): Lisa Gardner @LisaGardnerBks
Publicação: Gutenberg *Cortesia
ISBN: 9788582355756 | Skoob
Gênero: Suspense +18 
Ano: 2019
Páginas: 354
Minha avaliação: 4/5★
Amazon | Saraiva | Submarino
Sete anos atrás, a estudante Flora passou 472 dias vivendo um pesadelo. Após ter sido sequestrada durante as férias de primavera, ela descobriu até onde o ser humano é capaz de ir para sobreviver. Depois de resistir milagrosamente a tamanha tortura, viveu os últimos cinco anos tentando voltar a ter uma vida normal. O amor de sua mãe permanece o mesmo, mas outras coisas mudaram em sua rotina: seu irmão tem medo da pessoa que Flora se tornou, e no quarto dela há uma parede coberta com fotos de outras garotas que nunca voltaram para casa. Quando a detetive D. D. Warren é convocada para a cena de um crime, descobre que Flora está envolvida com outros três suspeitos desde seu retorno à sociedade. Mas a garota desaparece novamente, e D. D se dá conta de que um predador sinistro está a solta e, desta vez, determinado a fazer com que Flora Dane nunca mais escape.
Contém cenas de violência, abuso sexual e consumo de álcool e drogas.

Eu sou o tipo de leitora que aprecia histórias dinâmicas, cheias de acontecimentos e reviravoltas. Gosto de leituras frenéticas que me obrigam a prender o fôlego a cada virar de páginas, sendo assim, raramente sou fisgada pelo inverso disso. Então quando iniciei essa leitura e me deparei com uma narrativa linear com um ritmo meio morno, me preparei para uma experiência não tão boa. Mas Lisa Gardner teceu uma teia impecável, para qual eu fui atraída, e antes que pudesse me dar conta, estava completamente envolvida. Não me lembro de ter me sentido tocada ao ponto de querer chorar com nenhum outro livro do gênero, mas foi exatamente isso que aconteceu aqui. Tudo o que eu julgava meio chato e meio cansativo durante o enredo, construiu um caminho sólido até mim e trouxe veracidade ao drama de Flora, tornando sua jornada ainda mais comovente e admirável.

Flora Dane era uma jovem de sorriso fácil que levava uma vida feliz e despreocupada, porém durante as férias de primavera, enquanto curtia um dia na praia com os amigos, Flora foi sequestrada. Seu desaparecimento tornou-se um completo mistério, que a polícia local não conseguia resolver. Refém de um homem perturbado, ela conheceu e desafiou todos os limites humanamente possíveis. Flora passou pelas mais diversas privações, foi torturada, estuprada, diminuída e humilhada incansavelmente. O processo de desconstrução de Flora Dane, durou 472 dias, e quando enfim ela foi resgatada, já não sabia mais como ser ela mesma. Então ela assumiu para si a tarefa de se fortalecer, ela não se permitiria mais ser o alvo fácil, a garota na praia que um maníaco sequestra levianamente. Cinco anos depois, Flora possui treinamento e determinação para caçar criminosos sexuais, e ela faz disso sua missão de vida, sua obsessão. Até ser sequestrada novamente. A detetive D. D. Warren é designada para encontrar flora, e durante a difícil investigação, se depara com uma série de pontas soltas, que podem ligar - ou não -, o desaparecimento de Flora ao de três outras jovens. Enquanto isso, Flora tenta escapar de seu novo cativeiro, e no processo, descobrirá que "sobrevivência não é um destino, mas sim uma jornada."

Existem alguns padrões que são facilmente encontrados em histórias como esta. Detetives solitários, que prezam sua individualidade, é uma deles. Mas logo de cara é possível notar que esta trama possui particularidades suficientes para lhe conferir "aquele" diferencial. D. D. Warren, é fanática por trabalho, uma mulher experiente e desconfiada, que ama o que faz e se doa sem reservas, contudo, ela também é esposa e mãe. Mesmo tendo iniciado a leitura dessa série, a partir de um ponto bem avançado, consegui conhecer e entender muito bem essa mulher, acompanhar sua rotina pessoal e profissional, vê-la errando, admitindo, se corrigindo... Ter acesso as auto cobranças que a afligem constantemente, a tornou quase real. O primeiro contato de D. D. Warren com Flora Dane, é hostil, a desconfiança mútua, dita o tom, e não é dos mais amenos. Isso me fez questionar a integridade moral de ambas. De um lado uma detetive pouco solidária a uma vítima em potencial e do outro, uma vítima inabalável, com um conhecimento técnico admirável. Num primeiro momento não soube como processar isso. Mas a evolução do enredo está ai para este fim, e não demora muito para que as verdadeiras faces de ambas se revelem. O processo é gradativo, a narrativa é detalhista e cuidadosa, e é assim que acontece, pouco a pouco Lisa Gardner nos apresenta sua história, suas personagens, seu mistério... E nos faz amá-los.

A principio a trajetória de Flora  a torna uma suspeita. Não há dúvidas que a mulher que retornou para casa depois de 472 dias de cativeiro, está longe de ser a doce jovem sorridente que desapareceu de forma misteriosa. A mulher sombria, avessa a contato, que pouco fala e nunca sorri, guarda um mundo dentro de si, e não parece disposta a compartilhá-lo com ninguém. Até a sua versão dos fatos decorridos nos dias em que permaneceu sequestrada parece incompleta, e nem mesmo o especialista em vítimas com a quem Flora desenvolveu uma frágil ligação consegue acessá-la por inteiro. Quem é esta mulher? Uma justiceira ou uma criminosa? Com a narrativa intercalada entre o ponto de vista de D. D. Warren, com ênfase na investigação, e o ponto de vista de Flora Dane, este por sua vez divido entre passado - mais especificamente, o tempo em que ela esteve longe - e presente, nos deparamos com uma série de informações que possibilita traçarmos nós mesmos o perfil da personagem. Assim como a detive Warren, Flora foi construída de forma impecável, e possui uma trajetória comovente, o que viabiliza a criação de um elo poderoso entre leitor e personagem. E apesar de o enredo não possuir grandes reviravoltas e o desfecho não reservar muitas surpresas, tudo acontece de um jeito que não dá pra botar defeito.

"Ninguém quer ser um monstro."

A garota desaparecida, é um suspense surpreendente. Não devido as escassas reviravoltas que encontramos pelo caminho, mas principalmente por sua construção paciente e elaborada. A narrativa ditada por um ritmo meio morno, me fez crer que não conseguiria prosseguir com a leitura, contudo, a cada capítulo narrado por Flora Dane eu me rendia um pouco mais. As experiências de Flora, são angustiantes. O relato de uma mulher que se perdeu em meio ao medo e a dor, e que anos depois não consegue encontrar o caminho de volta. Lisa Gardner, realizou uma pesquisa minuciosa e usou elementos verídicos para compor esta ficção. Talvez essa seja uma das razões dessa história ter mexido tanto comigo, é impossível acompanhar descrições tão realistas, e não sentir na pele cada sensação retratada pela personagem. Uma trama visceral, onde sobreviver é só o primeiro passo de uma longa caminhada em meio aos espinhos. Flora Dane é uma sobrevivente, mas as vezes isso não basta.  

Um comentário

  1. Eu sou apaixonar pelas histporias da Lisa, o livro Sangue na Neve, o primeiro dela publicado no Brasil é maravilhoso e acredito que vais gostar.
    A Garota desaparecida parece ser um excelente suspense, tenho curiosidade em saber mais sobre a Flora e o que aconteceu de fato com ela.

    ResponderExcluir