16 de dezembro de 2017

[Resenha] O silêncio das águas - Brittainy C. Cherry

Oi amores!
Eu estava super ansiosa por esta história, já havia lido inúmeras resenhas positivas e por ter tido boas experiências com os dois livros que antecederam este, sabia que não deveria esperar muito para conferir por conta própria o que essa trama tem a oferecer, e já adianto que esta é uma obra linda e comovente que eu só me arrependo de não ter lido antes e embora eu tenha me frustrado com o tempo que as coisas levaram para acontecer busquei entender e exercitar minha empatia para não me tornar um desses "juízes" que se esquecem que a vida não gira ao redor do seu umbigo. O silêncio das águas, é o terceiro livro da série Elementos de Brittainy C. Cherry, a coleção trabalha com os quatro elementos: água, terra, fogo e ar. As histórias de cada livro possuem desenvolvimento independente e podem ser lidas fora da ordem de publicação. Todos os livros já foram publicados no Brasil.

O silêncio das águas (The Silent Waters)
Coleção: Elementos #03
Autor (a): Brittainy C. Cherry @BrittainyCherry
Publicação: Record *Cortesia
ISBN: 9788501109644 | Skoob
Gênero: Romance +16
Ano: 2017
Páginas: 364
Minha avaliação: 4/5★
Quando a pequena Maggie May presencia uma cena terrível à margem de um rio, sua vida muda por completo. A menina alegre que vive saltitando de um lado para o outro e tem uma paixonite por Brooks Griffin, o melhor amigo de seu irmão, sofre um trauma tão grande que acaba perdendo a voz. Sem saber como lidar com o problema, sua família se vê em uma posição difícil e tenta procurar ajuda, mas nenhum tratamento vai adiante. Ao longo dos anos, Maggie aprende sozinha a conviver com os ataques de pânico e, sem conseguir sair de casa, encontra refúgio nos livros. A única pessoa capaz de compreendê-la é Brooks, que permanece sempre ao seu lado. A cumplicidade na infância se transforma em amizade na adolescência, até que um dia eles não conseguem mais negar o amor que sentem um pelo outro. Mas será que o forte sentimento que os une poderá resistir aos fantasmas do passado e a um acontecimento inesperado, que os forçará a navegar por caminhos diferentes?
Assim com A chama dentro de nós este é um livro que divide opiniões. Eu estou sempre buscando encarar as coisas com a mente aberta, odeio julgamentos e por isso não os faço. Acredito que quando o assunto é a vida, não existem verdades absolutas e por isso procurei entender da melhor forma possível a situação dos personagens. Li muitas opiniões em que as pessoas julgavam as decisões da Maggie e diziam que o trauma que ela viveu não foi tão grande para causar tanto estrago. Sabe o que eu faço quando me deparo com uma situação que desconheço por nunca ter vivido nada sequer parecido? Eu me pergunto, quem sou eu para medir o tamanho da dor do meu próximo? E mesmo quando se tem conhecimento de causa é preciso entender que as pessoas são diferentes e por isso é meio irracional exigir que "fulano ou siclano" pense e haja como eu faria. Menosprezar e diminuir sofrimento alheio não faz ninguém mais forte ou racional, ao contrário disto só mostra a ausência de empatia que tem tomado conta do mundo. Eu achei que perder a voz foi drástico, que durante algum tempo Maggie se acomodou a vida reclusa e que ela não se esforçou ao máximo para reverter a situação logo, fiquei sentida pelos anos e oportunidades perdidas e tive dificuldades de aceitar isto. Mas "quem sou eu para medir o tamanho da dor" dela? E é por isso que independente dos meus achismos eu optei por escrever esta resenha da forma mais imparcial possível.

Maggie sempre teve uma ligação muito forte com o pai, mas isso não a impediu de ainda na infância desejar um lar estável, então quando ele opta por casar-se com Katie, uma promessa é feita a garotinha que está cansada da vida amorosa intranquila do patriarca. Dessa vez será para sempre. Agarrada a esperança de finalmente pertencer a uma família Meggie não demora a adaptar-se. A nova mãe e os irmãos postiços são muito bem recebidos nessa nova fase da vida dela, mas é Brooks, melhor amigo do irmão, que ganha total atenção e admiração da pequena. No entanto, a garota falante e cheia de vida tem sua paz arrancada de si após presenciar um crime brutal, tomada pelo medo a menina perde a voz e torna-se reclusa em sua própria casa. E embora não lhe passe despercebido que seus familiares estão desmoronando pouco a pouco por não saberem como lidar com o que lhe aconteceu, ela não consegue enfrentar o pânico que lhe assola, e é em meio a este caos que Brooks torna-se o amigo e companheiro fiel de Meggie, aquele que está sempre por perto para escutar seu silêncio. Mas até quando este mundinho limitado será capaz de acomodar este encontro de almas? 

Estou arrasada na mesma medida que encantada com esta história. Maggie era um flor desabrochando que de repente se viu arrancada de um jardim feliz e passou a habitar um jarro simples no canto escuro da casa. Conforme o tempo passava eu me via ainda mais angustiada pela ausência de evolução, eu quis acreditar que conforme a garota fosse crescendo tudo melhoraria e ela conseguiria superar o trauma, mas as coisas não são bem assim, não é mesmo? Um choque como o que a Maggie viveu em um período tão frágil (infância) não é simplesmente arrancado da memória como se fosse um band aid. Eu ficava me perguntando o que uma história cuja protagonista é muda e reclusa poderia oferecer? E eu descobri da melhor forma possível que a autora soube desenvolver maravilhosamente bem esta vertente, Brittainy descreveu de forma crível várias etapas do processo de adaptação. A mudança brusca gerou rachaduras consideráveis e abalou a relação promissora que estava se formando na nova família. Maggie de imediato foi acolhida pelo apoio e carinho incondicional do pai, mas nem todo mundo reage da mesma forma, então ela também precisou lidar com as inseguranças da madrasta que posteriormente transferiria seus medos para a própria garota dificultando ainda mais seu processo de cura, além disto teve que ver sua irmã e melhor amiga se virar contra ela. Revoltada pelas atenções que eram dedicadas a Maggie, Cheryl passou a se sentir preterida e tornou-se rebelde e indisciplinada, prejudicando ainda mais a convivência familiar.

Mas dentre tudo que foi oferecido a personagem nada se compara a dedicação de Brooks, ele nunca a viu como uma pessoa defeituosa, nunca se importou com sua mudez ou com o fato dela não conseguir sair de casa. Obviamente ele desejava que ela pudesse curar suas feridas, pudesse viver uma vida plena e desbravar o mundo, mas nunca impôs isto a ela, ele sempre respeitou suas limitações e esteve lá sendo sua âncora. A amizade com Brooks foi capaz de resgatar Meggie uma infinidade de vezes, ele era o porto seguro para o qual ela podia retornar em dias de tempestade, dessa forma não deve ser nenhuma surpresa quando eu digo que o vínculo criado na infância se fortaleceu consideravelmente com o passar dos anos. Quando o amor compartilhado entre eles se torna inegável, novos medos são plantados em Meggie. Ela o ama e quer estar com ele enquanto for possível mas Brooks tem uma vida cheia de oportunidades que ele não pensaria duas vezes em abandonar para estar com ela e isso a corrói dolorosamente. Por conhecimento de causa Meggie sabe que a vida da qual é refém poderia podar os sonhos daquele que ama e a partir dai duas possibilidades lhe são apresentadas, libertá-lo ou deixar-se voar com ele. Este é mais um peso que ela carrega em suas costas, primeiro porque ela deseja tê-lo consigo mais do que tudo na vida e segundo porque ela simplesmente não consegue superar seus medos. Os dilemas são dolorosos, os caminhos impiedosos, a vida não espera, o tempo não para e Meggie precisa entender e lidar com seus traumas e desejos uma infinidade de vezes de incontáveis formas. Quem a vê de fora a acha covarde, mas quem conhece sua mente sabe dos fantasmas e das angústias com as quais ela precisa lidar diariamente.

Brittainy C. Cherry definitivamente possui lugar garantido em meu coração e em minha estante. Estou apaixonada pela capacidade que esta mulher tem de escrever histórias tocantes e que trazem reflexões importantes. A autora possui uma narrativa inteligente e ágil que vicia ao ponto do leitor não desejar sequer pausar a leitura e se com muita dedicação ele enfim conseguir se interromper certamente estará com os personagens e seus dramas cravados em sua mente. Além disto, os temas abordados nesta série possuem um quê de singularidade mesmo se tratando de assuntos rotineiros. As histórias de Elementos são perfeitamente passíveis de acontecer, e ao abordar dores comuns Cherry desperta o carinho e a empatia de quem lê. No mundo real nem sempre é possível seguir em linha reta, e nas curvas da vida os desvios e tropeços são comuns, nem sempre sabemos ou conseguimos tomar as decisões certas. Quantas vezes erramos todos os dias? Quantas decisões erradas tomamos acreditando que é a coisa certa a se fazer? Quantos arrependimentos carregamos conosco? É isso que temos aqui, falhas e acertos, perdas e ganhos, dores e alegrias, feridas que se curam lentamente, medos que nos roubam de nós mesmos e limitações. É isso que eu amo nessas histórias. É simples ao mesmo tempo que incrível a forma que a autora expõe o melhor e o pior de nós.

O silêncio das águas, é uma história de medos e perdas, mas também de amizade e esperança. Através de uma narrativa habilidosa a autora nos apresenta um drama angustiante e um amor construído gradativamente ao longo dos anos que encanta e comove. Os protagonistas partilham de um sintonia incrível que nos faz torcer ferrenhamente para que as coisas se resolvam da melhor forma possível, e embora eu tenha achado que a solução demorou um pouco demais para chegar, entendo que a forma que cada um lida com seus traumas é único e particular. O desfecho é apaixonante, a concretização dos desejos que alimentei cuidadosamente durante a leitura e embora não tenha sido surpreendente, valeu cada segundo de espera. Este é o tipo de livro capaz de despertar sentimentos (não disse quais), duvido que exista uma pessoa no mundo que o lerá e se sentirá indiferente. Ler esta história serviu para reafirmar a admiração que já nutro pela escrita da Brittainy, bem como o meu desejo de seguir lendo tudo o que ela vier a publicar. Super recomendo para quem já leu os primeiros livros da série, e para quem não leu mas curte altas doses do mais puro romance dramático.


12 comentários

  1. Olá...
    Adorei sua resenha!
    Desde que a editora lançou essa obra eu estou bastante ansiosa para realizar essa leitura. A premissa é muito interessante, traz elementos interessantíssimos e é exatamente o tipo de leitura que curto. Sua resenha me animou ainda mais a ler <3
    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Que vontade de ler esse livro depois da sua resenha!!! Muito bacana isso que você faz de entender que não dá pra medir o sofrimento do outro, é algo que também costumo fazer: evitar julgar tanto os personagens, principalmente as femininas. Parece que a autora escreve ótimas histórias, pelo que puder perceber em sua resenha.

    ResponderExcluir
  3. Vejo tantos elogios quanto a essa série que confesso ficar tentada a ler. Mas sempre achei que eram romances adultos e toda vez que vejo as resenhas descubro que estava errada.
    Fiquei curiosa quanto as decisões de Maggie e que cura é esse que fala?! Preciso dar um jeitinho de ler está série, antes que a curiosidade me corroa.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. A série como um todo é muito elogiada e eu amei a analogia que você fez ao dizer que se sentiu arrasada e ao mesmo tempo encantada com a história. É mais ou menos isso que a gente sempre espera de um drama não é?
    Quero ler!!!
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Realmente esse livro divide opiniões, vi tantos comentários positivos e negativos que não sei no que acreditar, de verdade, sua resenha foi muito esclarecedora e admirei muito sua postura a respeito de julgamentos. Li apenas o primeiro livro dessa série e fui arrebatada pela escrita da autora e espero conferir os outros livros da série em breve.

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Eu vi que o segundo livro dessa série dividiu muito as opiniões, mas ainda li só o primeiro. Acho que a sua resenha foi a primeira que li sobre esse terceiro livro e fiquei muito feliz de ver que você gostou. Eu amei O ar que ele respira e estou muito ansiosa para dar continuidade a série.
    Eu adorei a construção de personagens no primeiro livro e, pelo que vi na sua resenha, a autora acertou novamente. Mesmo que seja um pouco difícil entender a demora da protagonista em superar seus traumas, concordo com você que é muito complicado tentar julgar e medir a dor do outro. Acho que é uma leitura que precisa da empatia do leitora, né?
    Mesmo com algumas ressalvas que senti, fiquei ainda mais animada para ler este livro e o anterior. Adorei sua resenha e espero fazer parte do time dos que gostaram do livro hehe.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  7. Nunca li nenhum livro da Brittainy C. Cherry e só escuto elogios, a resenha ficou ótima e me deixou bem curiosa para saber o que ela viu q a fez perder a voz! Gostei muito dE como vc se colou no lugar da personagem no início da resenha!

    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oiee Del ^^
    Eu já tinha lido resenhas dos livros anteriores, mas deste ainda não. Não sabia bem do que se tratava a história, mas como eu sempre acabo me envolvendo mais com personagens que sofreram em algum ponto da vida, e que precisam superar algum trauma, já fiquei mega curiosa para conhecer a Maggie. Saber que o livro mexeu tanto contigo e que você se apaixonou pela história me deixou ainda mais animada para ler <3
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi, não gosto muito da britainy, e os livros dela que li não funcionaram para mim. Mas, que bom que esse livro foi tão positivo para você, apesar de todas as demoras. Gosto de personagens com histórias de vida belas e que nos levam a refletir, tentar se colocar no lugar e etc. Tomara que a leitura do próximo livro seja boa.

    ResponderExcluir
  10. Oiee, tudo bem? Que resenha linda! Adorei conferir sua opinião sobre o livro. Eu nunca li nada da Brittainy, mas tenho esse livro aqui em casa e provavelmente começarei por ele. Parece mesmo ser uma história linda e comovente. Minha irmã leu e amou! Acho que irei gostar bastante também :)

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Oi querida!
    Esse é o único livro da autora que ainda não li ainda. Já li todos, e super recomendo também. Adorei a resenha, e a forma que foi sincera falando sobre o enredo e os personagens...
    Como ainda não li, vou adorar conhecer a história após ler a sua resenha.

    Beijoss, Enjoy Books

    ResponderExcluir
  12. Oi Delmara, tudo bem?
    Eu vi quando o primeiro livro saiu, nem tinha noção que seria uma série. E nunca havia me interessado em ler, mas após tua resenha, mudei de opinião. Achei a trama bem diferente e me senti instigado a ler. É triste as pessoas sairem julgando uma personagem, pq essas mesmas pessoas acabam julgando tbm pessoas na vida real...
    Enfim, ótima resenha já quero ler ♥

    ResponderExcluir