2 de dezembro de 2017

[Resenha] Brumas do tempo - Karen Marie Moning

Hey peoples!
Vamos começar o mês com o pé direito? A primeira leitura de dezembro me deixou mergulhada em uma bolha de felicidade plena. Você já sabe que amo histórias protagonizadas por guerreiros Highlanders, não sabe? Claro que sim, aposto que já está até "careca de saber". Pois bem, tenha em mente que dentre os livros que abordam o tema, este foi o melhor que li esse ano, o que serviu para lavar a vergonha e a decepção que haviam me atingido após a leitura de Fúria domada, mas isso é uma outra história. Se você ama tramas compostas por guerreiros escoceses apaixonantes e mocinhas desafiadoras, seja bem vindo ao paraíso. Brumas do tempo é o primeiro livro da série Highlanders, composta por OITO livros, isto mesmo que você leu, não quatro, nem cinco mas oito livros (bendita Karen Marie Moning), TODOS já publicados no exterior. Esta é uma série bem antiguinha lá fora, o primeiro livro foi publicado originalmente a uns dezoito anos atrás e o último a mais de dez anos (nem acredito que demorou tanto pra chegar aqui, antes tarde do que nunca, né?). Enfim, vamos logo a resenha que estou ansiosa para compartilhar minha euforia.

Brumas do tempo (Beyond the Highland Mist)
Coleção: Highlanders #01
Autor (a): Karen Marie Moning @KarenMMoning
Publicação: Verus *Cortesia
ISBN: 9788576866145 | Skoob
Gênero: Romance +18
Ano: 2017
Páginas: 308
Minha avaliação: 5/5★
Um sedutor lorde escocês... Ele é conhecido no reino como Falcão, o lendário predador nos campos de batalha e na cama. Nenhuma mulher resiste ao seu toque, mas nenhuma jamais conseguiu mexer com o coração dele — até uma fada vingativa tirar Adrienne da Seattle dos dias de hoje e transportá-la para a Escócia medieval. Presa em um século que não é o seu, ousada demais, franca demais, Adrienne representa um desafio irresistível para esse conquistador do século XVI. Forçada a se casar com Falcão, Adrienne jura manter distância do marido — mas o poder de sedução dele vai destruir lentamente a determinação dela. Uma prisioneira no tempo... Adrienne tem o “não” na ponta da língua para o notório lorde escocês, mas Falcão jura fazê-la sussurrar seu nome com desejo, implorando que ele a incendeie de paixão. Nem mesmo as barreiras do tempo e do espaço o impediriam de conquistar o amor dela. Apesar das incertezas sobre seguir seu coração apaixonado, a hesitação de Adrienne não é páreo para a determinação de Falcão de mantê-la a seu lado.
Um livro que vai além das expectativas é um livro que sempre será lembrado. Eu quis ler esta história desde o instante que soube do seu lançamento, o motivo único e exclusivo é a temática abordada, o lance dos guerreiros highlanders ("pirikilt", lembram?), apesar de não ter me deixado convencer completamente pela sinopse, estava ansiosa para visitar a Escócia dos séculos passados pela visão da Moning, e olha que nunca havia lido nada dessa mulher. Eu poderia estar caminhando para um desastre sem tamanho mas me recusei a recuar, eu acreditei que esta história seria épica e ela foi além, me arrebatou completamente e não me largou nem mesmo depois de finalizada. Ah! Quantos sorrisos bobos e suspiros sonhadores no meio da madrugada, quanta vontade de me esconder em um canto solitário da casa para poder devorá-lo sem ser interrompida durante o dia. Sabe aquela sede por mais e mais que te atinge irrevogavelmente quando você está completamente preso em um mundo fictício arrebatador? Pois bem esta fui eu durante as doze horas que passei na companhia de Falcão e Adrienne em Dalkeith, porque eu estive lá, duvida?

Adrienne se deixou enganar por um homem de beleza estonteante, um homem que lhe prometeu amor e devoção mas que no final apenas a usou como uma peça insignificante em seu jogo atroz, e dessa forma roubou sua paz. A ferida aberta deixada por esta ilusão deu a Adrienne a certeza de que ela jamais voltaria a cair de encantos por outro homem tão belo ao ponto de cegar seus instintos. Mas quando ela de forma inexplicável viaja quinhentos anos para o passado e se vê obrigada a casar com o Highlander mais deslumbrante de toda a Escócia do século XVI, ela sabe que não há muito o que fazer para proteger seu corpo e seu coração que começam a clamar por ele. Mesmo assim ela se recusa a ceder de imediato e reúne toda a determinação que possui para afastar o galante Falcão, o guerreiro imponente, desejado por todas, que mesmo inocente despertou a ira de dois reis, um mortal que o aprisionou e humilhou durante vários anos e um sobrenatural que traçou um plano sórdido para feri-lo como nunca antes. Inconsciente da origem dos ataques de que é vítima, Falcão luta como o guerreiro que é, forte e destemido, ele se vê completamente encantado pela esposa que o despreza abertamente sem lhe dar qualquer oportunidade de aproximação, mesmo assim ele está determinado a lutar por aquela que mexeu com todos os seus sentidos e fez aflorar os seus desejos mais secretos, ele a quer em sua vida e lutará com tudo que estiver ao seu alcance para que ela o corresponda na mesma intensidade.

Quando se lê muito de um determinado gênero ou a respeito de um mesmo assunto torna-se comum a busca constante por singularidades, você passa a ansiar por novidades e por algo que te surpreenda nem que seja minimamente. Com o tempo os déjà vus tornam-se mais frequentes e incômodos, e por isso é bem difícil manter o interesse por um período longo. E esse é o primeiro ponto que fez meus olhos brilharem para esta história. Vamos começar pelos tão falados guerreiros, quem lê sabe como são fortes e viris os líderes de clãs poderosos e senhores de grandes castelos que precisam impor seu poder e domínio não apenas sobre o exército que comandam mas também sobre suas mulheres, o que os levam por vezes a agirem como ogros, claro que esse detalhe incomoda. Então eis que aqui eu me deparo com um homem deslumbrante, ardente e um modelo de virilidade que de tão bem arranjado em seus dotes é considerado uma lenda viva por toda a Escócia, que quando rejeitado abertamente pela esposa, ao invés de impor seus desejos e exigir seus direitos, opta por conquistá-la, nada de gritos e imposições aqui senhoras e senhores, o lendário falcão se empenha em seduzir aquela que despertou seus mais íntimos interesses, porque quando ela enfim for sua será porque ela escolheu estar com ele e entregar-se a ele. Outro diferencial desse personagem é que na maior parte do tempo ele se deixa guiar pela paixão e posteriormente pela devoção que nutre pela esposa, ao invés do orgulho e vaidade, mesmo estes últimos tendo sido feridos incontáveis vezes, ele não se deixa desistir e demonstra acreditar verdadeiramente que algo mais sólido pode ser construído entre eles. Nem preciso dizer muito mais para que vocês saibam que me deixei conquistar por esse highlander galante.

Quando o jogo de sedução teve inicio, passei a ansiar para que Adrienne deixasse seus receios de lado e cedesse ao encantos do marido, essa ansiedade me levou a desmerecer as justificativas dadas para sua resistência, mas conforme a história se desenrola fica claro que as atitudes da "moça" tem uma razão de ser plausível, só então eu compreendi e me tornei solidária a ela. Além disso toda essa resistência trouxe dinamicidade e muito mais emoção a trama, diferente do que se está acostumado em livros do tipo, Adrienne mesmo estando inegavelmente atraída pelo highlander não se deixou dominar por este anseio. Sempre me incomodei com as mocinhas que mal aguentam estar perto do homem desejado e já perdem o sentido, a razão, e tudo o mais, sempre me soa muito fantasioso que uma mulher excitada não consiga dizer não, nem mesmo nas situações mais incômodas ("Ah! essa atitude é horrível, mas estou eufórica demais para pensar ou mandá-lo pastar." Ah, vá!). E o fato de Adrienne ter a principio se negando a Falcão, por um motivo que agora já considero razoável, deu uma base sólida para que o enredo se desenrolasse. O que começa com uma atração pulsante e reprimida, vai tomando forma conforme os personagens se apresentam. A paixão se une a admiração e ao entendimento, e juntos caminham em direção a um sentimento pleno, a aproximação é gradativa e crível. Os protagonistas amadurecem suas personalidades e crenças, se conhecem e entendem para só então poderem usufruir do tão ansiado néctar.

A quem se incomode com o fato de Adrienne ter se adaptado tão rapidamente ao mundo estranho para o qual foi lançada, para mim no entanto ficou bem claro desde o início que a jovem vivia uma vida atribulada no século XX, que a ausência de paz em sua própria época a estava enlouquecendo pouco a pouco e que estar na Escócia do século XVI casada com um completo estranho foi para ela algo mais tolerável que a solidão assustadora da qual era refém, além disso fica nítido o encantamento que esse novo cenário despertou na personagem, soma-se a isso a aura mágica que a envolveu nesse novo lugar e pronto, nada a impedia de desfrutar dessa experiência inusitada. Sempre me deparei com menções a lendas e mitos em todas as histórias que já li do universo Highlander, mas até agora não havia lido nenhuma que trabalhasse tão abertamente com estes elementos. Moning da vida e importância significativa a seres místicos, usa e abusa de magia e torna Brumas do tempo uma história abrangente e profunda, isto porque tudo que se apresenta nessa trama está interligado, e para que estas pontas se unam tão perfeitamente sem deixar brechas, a autora não poupa nos detalhes, e o melhor sem tornar a história massante e/ou cansativa. As grandes doses de magia ditam os rumos da história, é através deste elemento peculiar que se apresentam as dificuldades e possibilidades partilhadas pelo casal.

Brumas do tempo é uma história fantástica, repleta de magia, lendas, sensualidade e romance. Possui uma narrativa ágil e cativante que te aprisiona durante toda a leitura, personagens carismáticos de personalidades bem definidas que conquistam com suas ações e dilemas, uma trama dinâmica que te faz ansiar pela próxima página e pelo próximo capítulo. Este é o tipo de livro que te deixa com um sorriso bobo nos lábios e te faz suspirar sonhadoramente. E além de tudo isso, ainda trás incontáveis pequenos suspenses capazes de te deixar apreensivo pelo que está por vir. Muitos são os obstáculos enfrentados, e devido a complexidade desses, fica difícil prever de onde virá a solução para tais problemas, isso por si só proporciona um número considerável de surpresas. O desfecho é previsível, mas o caminho trilhado para se chegar até ele é impressionante e por vezes angustiante. A edição está magnifica, com uma diagramação agradável aos olhos e repleta de detalhes, composta por letras medianas e as tão amadas páginas amarelas. Já faz um tempinho que não lia um livro que me deixasse tão satisfeita de modo geral, sempre existe este ou aquele pormenor capaz de anular a plenitude da experiência, mas não desta vez. Claro que não trata-se de uma obra perfeita, existem um ou dois pontos que lhe privam deste feito, mas nem mesmo isso rouba a magnitude de tudo que esta história me proporcionou. Um livro para entretenimento, escrito de forma impecável. 

13 comentários

  1. Delmara, te contar uma coisa: que resenha linda! Eu tenho esse livro na estante, mas ainda não me animei muito para fazer a leitura, mas depois de ler suas considerações, quero ler para já. Eu amo romances de época, e tenho que concordar com você que, quando lemos muito de um determinado assunto, as vezes torna-se tudo o mais do mesmo, e quando encontramos algo inovador, que nos surpreenda, é algo satisfatório. Vou fazer a leitura ainda essa semana (fiquei empolgada, menina!), e espero me apaixonar tanto quanto você! Ah, adorei o "pirikilt"! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. Eu fiquei abismada ao saber que essa história foi lançada a tanto tempo e só foi trazida pra cá agora, que pena poxa! Mas você tem razão, antes tarde do que nunca. Esse não é o meu genero favorito mas saber que você, que já leu tanto sobre, ficou encantada, me deixou super animada.

    ResponderExcluir
  3. Nossa, sua resenha me cativou e está super completa. Confesso que olhando a capa eu não teria este interesse todo mas o jeito como você transformou a história foi como estivesse realmente vendendo o livro. Não como as pessoas pensam tanto na beleza da Escócia, eu só penso no frio que há por lá. rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  4. Olá!
    Quando vi a capa não me agradei,mas a sua resenha foi tão maravilhosa que agora eu necessito desse livro.Além de que essa conquista do personagem deve ser muito boa e maravilhosa.
    Vou procurar mais sobre essa série
    Adorei mesmo sua resenha!
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Ai Meu Deus! Agora vou colocar mais uma série na minha extensa lista de desejados! Culpa sua, rsrs. Mas obrigada mesmo assim. Estava bem em dúvida se lia ou não esse livro por não ter curtido muito os highlanders mandões que encontrei nos livros até então, mas parece que esse Falcão é bem mais legal do que eu imaginava.

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem?

    É a primeira resenha que leio sobre esse livro. Confesso que queria comprar ele pela capa. Não sabia do que se tratava a história e lendo sua resenha, só aumentou minha vontade. Se antes eu queria por um motivo, agora quero pela história.

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Oi queridona, eu não li muita coisa dentro deste gênero, mas entendo a sua busca por singularidades. E é sempre maravilhoso quando encontramos isso né? Mesmo que existam os elementos que nos faz fieis a determinados gêneros, queremos ser surpreendidas. Adorei seus comentários sobre este livro e quero ler.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Oi Delmara!

    Tudo bem? Eu nunca tinha lido nenhuma resenha do livro e, acredito que por isso, toda vez que via a capa ou a sinopse de Brumas Do Tempo sempre me remetia a Outlander pelo fato de as duas histórias se passarem na Escócia (<3), e por todo esse misticismo e magia que você citou que envolve a história talvez continue me remetendo a uma das minhas séries favoritas da vida (o que não é necessariamente algo ruim). Além do fato de o mocinho ser totalmente apaixonante né?

    Gosto de histórias assim e sua resenha me deixou verdadeiramente curiosa para ler o livro e o fato de você dizer que vai me deixar com um sorriso bobo no rosto conta muito a favor da história.

    Beijinhos
    www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir
  9. Oie, tudo bom?
    GENTE, amei sua resenha!
    Eu adoro histórias assim também, amo Outlander então acabo me jogando em tudo que envolve o assunto. Amei a capa desse livro, quero muito ler!

    ResponderExcluir
  10. MEU DEUS QUE RESENHA MARAVILHOSA!
    Menina, desde que vi esse livro eu to louca para lê-lo, porque eu amo um homem bruto de kilt (hahahahaha). Mas sério, só tenho ouvido elogios sobre essa história e eu fiquei mais empolgada ainda com a sua resenha. Homens das Terras Altas da Escócia sempre serão meus homens favoritos da ficção, rs. Sua resenha só me deixou com mais vontade de ler ainda, preciso para ontem hehe.

    beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    Não sei o que é mais divertido o pirikilt ou sua empolgação ao escrever a resenha. Confesso que sou nova nesse universo de highlands, mas os que já li até agora me agradaram bastante, então estou aberta para conhecer outros livros do gênero. Achei a premissa desse livro muito legal, não terei tempo de conhecer essa história ainda esse ano, no entanto já anotarei a dica para o mais breve que eu consegui, obrigada pela dica!

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá tudo bem??

    Já lembro de Outlander quando leio highlander, mas com aquele sorriso bobo no rosto de quem já está querendo ler esse livro, essa série...Gostei muito da sua resenha e não li muito sobre os personagens, pq me interessei muito pelo livro e já quero muito pra ontem!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    Já tinha visto essa capa por ai, mas nunca lido uma resenha. Acho que muita gente acaba lembrando de Outlander por várias situações e essa capa acabou favorecendo também.
    Me interessei pela trama e como amo históricos já quero ler.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir