14 de outubro de 2014

Resenha #153 Primavera Eterna - Paula Abreu

E a gripe terrível persiste, após ter levado embora minha voz e me causado incontáveis espirros, desisti de dormir essa noite, e por esse motivo estou aqui, terminando essa resenha, lá pelas altas da madrugada, provavelmente irei relê-la antes de publicar (quando estiver melhor de preferência), uma noite em claro as vezes me desnorteia. Então apresento a vocês um livro cheio de cor como a primavera é, e como a vida deve ser.

Titulo: Primavera Eterna
Autor(a): Paula Abreu
Editora: Arqueiro
N° de páginas: 128
Maia é uma jovem publicitária bem-sucedida. Tem um emprego estável, um namoro estável, uma vidinha estável. Até demais. Certo dia, tentando imaginar como seria sua vida no futuro, o casamento, os filhos, visualiza duas crianças loirinhas correndo... Loirinhas? Então ela se dá conta de onde vem aquela cor de cabelos: Diogo, o menino por quem se apaixonou à primeira vista aos 12 anos, numa cidadezinha do interior, onde costumava passar os fins de semana com a família. Acontece que ele se mudou para os Estados Unidos há mais de dez anos, e a essa altura da vida, já nem deve se lembrar mais dela. Mesmo assim, num impulso, Maia pede férias na agência, inventa uma viagem de trabalho como desculpa para o namorado e vai para Nova York, atrás do seu primeiro amor. Primavera Eterna é a história de uma jovem cheia de sonhos esquecidos, que ousa arriscar tudo o que tem e acaba encontrando a si mesma. 

Maia tinha tudo sobre controle na sua vida, bem sucedida em sua carreira e em um relacionamento com Pedro que sempre faz de tudo para agradá-la. A vida de Maia estava correndo nos trilhos, tudo como manda o figurino. Mas quando se tem uma imaginação fértil como a desta jovem não se consegue viver muito tempo uma vidinha perfeita demais. Acostumada a imaginar todo tipo de imagem, algumas sem pé nem cabeça, Maia se pega imaginado seus futuros filhos com Pedro. E visualiza nitidamente crianças loirinhas e felizes... Êpa! Loirinhas? Logicamente a cabeleira loira não pode ser atribuída a Pedro, mas sim ao primeiro amor de Maia, um rapaz que ela não vê a mais de dez anos, Diogo.

Diante disso Maia não pensa nem duas vezes pede férias no trabalho e inventa uma desculpa para Pedro e vai em busca do seu primeiro amor, aquele por quem ela se apaixonou aos doze anos e com quem conviveu apenas um fim de semana e trocou apenas alguns telefonemas e cartas nunca respondidas. Parece loucura não é mesmo?

Primavera eterna é um livro curtinho que li em pouco mais de três horas, trás uma estória de apenas um dia, um dia de reencontros e redescobertas, ao mesmo tempo que retrata anos passados e que contribuíram para o dia em questão. A princípio achei a protagonista completamente louca e desnorteada, mas com o desenrolar do enredo fui analisando os frutos que uma decisão impulsiva proporcionou e consegui entender o que a autora desejava passar.  Não creio que teria coragem de partir em uma aventura impensada e com uma base tão frágil como Maia fez. Apesar de achar loucura e de não ter certeza do que encontraria em Nova York a jovem arriscou sua carreira, seu relacionamento e sua vida estável em troca de algo indefinido e inconcreto. No final das contas essa loucura desmedida lhe proporcionou um encontro com a garotinha de 12 anos que a tanto havia ficado para trás.

Ao arriscar tudo de uma vida que não lhe pertencia verdadeiramente, Maia foi em busca daquilo/daquele que sempre desejou, ousou sentir. O sair da zona de conforto, do concreto, em busca de algo que não se sabe ao certo se é real ou imaginação, não é loucura. Agora posso dizer que o ato de Maia foi corajoso. O fato de ter conseguido entender a atitude da personagem não anula a minha antipatia para com a personalidade da mesma. Maia é uma mulher adulta que tem pensamentos (muitos pensamentos, por sinal) que considero deveras infantis, as divagações contínuas e infundadas da personagem me irritaram em alguns momentos, mas não chegou a atrapalhar a leitura. Já Diogo ainda é uma incógnita pra mim, não sei bem o que pensar do rapaz que em algumas situações demonstrou desinteresse, pareceu estar alheio a tudo a sua volta, em outros momentos entanto, demonstrou uma profundidade inesperada. Em um contexto geral é um bom livro, com uma boa estória e que pode facilmente ser lido em poucas horas. Primavera eterna deixa claro que a zona de conforto nem sempre é o melhor lugar para se estar, principalmente quando se estar lá lhe causa desconforto.

Bom

Confira esse e outros livros incríveis, além de muitas novidades 
legais na Fan Page da editora.

7 comentários

  1. Oi Delmara tudo bem?

    Já vi esse livro várias vezes nas lojas por ai e acho ele bem bonitinho, mas lendo sua resenha vi que não faz mesmo meu tipo! Acho que pra quem curte é uma boa leitura, mas achei bem normal o livro, não tem aquele diferencial pra nos fazer ler!!

    De qualquer forma foi uma boa resenha, bom saber que não me atrairia por ele!!

    Beijos!!

    http://livrosontemhojeesempre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ooi Cah,
      o livro trás umas lições legais, mas se não faz te atrai não adianta forçar,
      caso contrário não irá fluir.

      Excluir
  2. Acho a capa deste livro linda e gostei muito da resenha, ainda não sabia sobre o quê se tratava a leitura. Não senti tanta vontade de ler, infelizmente, não me deixou curiosa. :)
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Dani,
      esse não chega a ser um livro instigante, realmente...
      É algo mais reflexivo.

      Excluir
  3. Oii!
    Que capa linda é essa? Adoro esse estilo de capa. *-*
    Não imaginei que era tão curtinho o livro. Fiquei bastante interessada em lê-lo!
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Dessa,
      bem curtinho mesmo, foi uma surpresa até pra mim..
      A capa é realmente magnífica, também amei e achei que super se encaixou no layout do blog.

      Excluir
  4. Oi Delmara, tudo bem?
    Gostei da premissa da história, de ir em busca de si mesma, pois viver com "se" não é nada agradável. Mas se ela chegou a ter duvidas é porque algo em sua vida nesse momento não está funcionado.
    Parece ser um bom livro e a capa realmente é simples, mas encantadora.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir