26 de abril de 2018

[Resenha] Submissa - Maya Banks

Olá pessoal!
Recentemente recebi este livro em parceria com o Grupo autêntica e embora narrativas sadomasoquistas não sejam minhas preferidas dentro do gênero erótico consegui alimentar certa empolgação para com esta leitura, associo isso quase que exclusivamente ao fato desta ser uma obra da Maya Banks, uma autora que sempre me surpreendeu positivamente, até aqui. Ainda não tinha lido nenhum título hot da autora e acabei não me contendo diante da oportunidade, contudo acabei não encontrando o que tanto procurava e dando ênfase a minha frustração me deparei com o que há de pior em histórias do tipo, o que me deixou inegavelmente decepcionada. Submissa é o primeiro livro da série The Enforcers, composta por três livros já publicados no exterior, os dois primeiros Submissa e Dominada já estão disponíveis no Brasil.

Submissa (Mastered)
Coleção: The Enforcers #01
Autor (a): Maya Banks @maya_banks
Publicação: Gutemberg *Cortesia
ISBN: 9788582354483 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2017
Páginas: 288
Minha avaliação: 2/5★
Evangeline nunca soube o que é viver no luxo, pois sempre teve que trabalhar duro para ajudar os pais e conseguir sobreviver em Nova York. Típica garota do interior, sente-se deslocada em meio à metrópole e percebe que ingenuidade e sinceridade, que sempre foram suas características mais marcantes, são vistas como defeitos pelos nova-iorquinos e, principalmente, por seu ex-namorado que a seduziu e a abandonou. Drake Donovan é um magnata do entretenimento e um dos milionários mais cobiçados do mundo. Ele e seus “irmãos” ergueram um império em Nova York, e o seu maior empreendimento é a badaladíssima Impulse, a casa noturna mais exclusiva da cidade. Acostumado a ter todos na palma da mão, Drake sente seu inabalável mundo balançar quando vê uma jovem com ar angelical e inocente perdida em sua boate. Quem era aquela garota? Ele não tem ideia, mas de uma coisa tem certeza: ela será dele!
Antes de tudo quero deixar registrado aos que não conhecem as obras da autora que este livro aqui não serve como parâmetro. "Pelamordedeus", esta história nem parece que foi escrita pela Maya Banks. Juro que até agora estou tentando entender o que aconteceu aqui. Tenho lido livros da Banks a algum tempo e esta é a primeira vez que me deparo com um que não me convenceu em âmbito algum. Quero deixar registrado que não associo minha decepção ao gênero em si, costumo ler livros hots com certa frequência e até então nunca desgostei completamente de nenhum enredo, talvez o fato desta trama ser muito fechada e não dar margem para outras histórias se desenvolverem em paralelo a dos protagonistas e esta por sua vez ser exposta de forma limitada, não abordando quase nada além do dia a dia atual do "casal" possa ser considerado um dos elementos determinantes para minha impressão final. Sem mais delongas, vamos ao que realmente interessa!

Desde muito jovem Evangeline se propôs a ajudar seus pais da melhor forma que pôde, ela não pensou duas vezes antes de abrir mão dos seus sonhos para poder trabalhar e dessa forma ajudar nas despesas de casa, tamanha responsabilidade e dedicação acabaram lhe tornando vulnerável a diversas situações. Detentora de uma inocência quase infantil a jovem se viu envolvida e desprezada por um canalha de marca maior e na tentativa de superar a humilhação a que foi submetida ela sai do roteiro e vai para uma noitada numa das boates mais badaladas da cidade, seguindo o conselho de suas melhores amigas Vangie, mesmo tomada pela dúvida enfrenta seus receios e encara o desafio de se divertir como se não houvesse amanhã, no entanto quando a noite toma rumos completamente inesperados ela se vê frente a frente com um dos homens mais intimidadores que ela já teve a oportunidade de conhecer. Apesar da curiosidade crescente, sua razão lhe impele a fugir deste homem sombrio, ela só não imaginava que uma vez na mira de Drake não haveria chance alguma dela escapar do seu domínio.

Mesmo não me considerando uma grande fã do gênero erótico, costumo gostar das tramas as quais me proponho a ler, no entanto isso não me impede de perceber e me incomodar com algumas situações que exigem além do que eu estou disposta a oferecer. E esta história forçou em demasia em algumas situações, a primeira delas foi a forma precoce com a qual as coisas aconteceram. Tudo se desenrola rápido demais, após poucos minutos de convivência com Drake, Evangeline toma decisões importantes que atrelam a ele não apenas seu futuro recente como também o de seus pais e amigas. Claro que ele lhe dá garantias - apenas algumas promessas que podem facilmente ser quebradas, só pra deixar claro - mas se levarmos em consideração o fato dele ser um completo estranho, é inevitável considerarmos a história precipitada e na melhor das hipóteses fantasiosa. Afinal, não consigo achar coerente uma pessoa descrita como reservada e independente abrir mão tão facilmente de sua autonomia para se submeter completamente aos mandos e desmandos de um estranho, do qual não se sabe absolutamente nada e muitos menos se é digno de confiança. E a Maya que me desculpe mas esse é o tipo de coisa que não se garante só de olhar nos olhos.

Outro ponto que me frustou bastante durante a leitura foi a descaracterização dos personagens. Inicialmente Evangeline se apresenta como uma mulher responsável que trabalha arduamente para ajudar os pais e que se coloca em segundo plano em prol daqueles que ama, além disso existem nuances bem nítidas de que a personagem é orgulhosa e autossuficiente, confesso que a partir dai tracei em minha mente um perfil favorável da protagonista e já estava preparada para me apaixonar por sua força, mas de uma hora para outra esta ideia é completamente desconstruída. Quando Evangeline conhece Drake, facilmente se deixa enredar por meia dúzia de palavras e promessas, e este meus caros é o início da grande catástrofe. E se isso por si só não bastasse eis que me vejo em meio a uma trama repleta de melodrama barato, enquanto o dominador poderoso se derrete pela inocência pueril da protagonista, ela por sua vez o coloca no mais alto dentre todos os pedestais e se veste de uma baixa estima irritante, e a cereja do bolo fica por conta dos "caras" - brutamontes insensíveis e mal encarados, temidos por todos que se aproximam e que alimentam a fama de cometerem os piores atos se preciso - que trabalham para o Drake, se derretendo instantaneamente pelo ar angelical da protagonista. Sério?

É fato que nada do que falei até agora é inédito em livros do gênero, contudo os excessos desta história pendem negativamente a balança. A trama possui um enredo previsível com personagens inconstantes que não correspondem ao que foi proposto, além disto temos um enredo repetitivo que tenta vencer o leitor pelo cansaço e que foi completamente esfacelado pelas atitudes dos próprios personagens, isso só tornou a história ainda mais incongruente e contestável. Mesmo assim não me permiti desistir, e esperei por alguma reviravolta milagrosa até o último instante, o que só serviu para dar ênfase a minha insatisfação. O desfecho é uma coisa de outro mundo, não importa quais justificativas sejam dadas é impossível não se indignar com os acontecimentos finais, e se eu já considerava o Drake um embuste da pior espécie, após finalizar a leitura eu só conseguia achá-lo o ser mais desprezível do universo.

Submissa, é uma história previsível e pende para o extremismo, tem a seu favor uma narrativa rápida e ágil que flui muito bem apesar do enredo absurdo. Os protagonistas não convencem em suas personalidades e o evolvimento precoce soa genérico mesmo com o desenrolar da história. Infelizmente não consegui perceber um desenvolvimento digno de nota, a verdade é que a trama incomoda muito mais do que entretêm. O título descreve perfeitamente a protagonista em todos os âmbitos de sua vida após conhecer Drake, ao contrário do que eu imaginei a submissão não é algo que se limite apenas a intimidade mas a cada ato ou pensamento dela. Passiva e subordinada, Evangeline não demonstra qualquer sinal de autonomia, e isto meu povo me incomodou imensamente. Ao finalizar a leitura não conseguia parar de pensar em tudo que foi descrito e no rumo que as coisas tomaram, obviamente mesmo agora enquanto escrevo esse texto me encontro tomada pela frustração. Ainda não sei se lerei os demais livros e se por acaso o fizer será apenas para não deixar a história incompleta em minha mente. 

14 comentários

  1. Nunca li nada da autora, mas infelizmente essa não é uma premissa que me agrade tanto, ainda mais que essa é a segunda resenha negativa que leio sobre esse livro e ambas concordam em alguns pontos: A rapidez como tudo acontece e a falta de personalidade dos personagens. Diante da sua opinião eu só tenho que fugir desse ser desprezível que é o tal Drake, passo a dica.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi, Delmara!
    Eu também sou de ler muitos hots, mas ultimamente ando me detendo somente nas autoras que eu conheço. Não aguento mais essas histórias de CEOs dominadores e meninas virgens inocentes submissas. Já deu, sociedade.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Eu gosto de livros eróticos, e inclusive já li alguns dessa editora que eu gostei bastante, mas não curto quando é muito forçado ou com enredos absurdos. Por isso nem vou perder tempo lendo esse livro, porque já sei que não vou curtir. :/
    beijos
    www.apenasumvicio.com

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que pena que o livro se perdeu tanto! Já vi que vou passar beeem longe desse título. Nunca li nada da autora, nem tenho muita curiosidade por não ser meu estilo de leitura favorito, então vou passar esse mesmo :) Gostei muito da sua resenha, super completa e sincera em suas opiniões.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Oi, Del.
    Apesar de gostar de livros com essa temática, a autora já me decepcionou tanto, que nem me animo a começar uma nova série dela. Até ganhei um exemplar desse livro, mas vou passá-lo para frente sem ler. Não vi ninguém ainda dizer que curtiu essa história!
    Uma pena!
    Beijos
    Camis - blog Leitora Compulsiva

    ResponderExcluir
  6. Simmmmmmmmm, esse livro nem parece escrito pela Maya, é totalmente diferente de tudo que li dela e isso nem é um ponto positivo. Uma certa cena me incomodou bastante, a maneira como tudo correu e o cara é um grande babaca abusivo... Definitivamente nada nessa obra funcionou comigo, o que é uma pena.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Del

    Eu nunca li nada da autora, apesar de ter alguns romances dela aqui. E apesar de não ter esse parâmetro de comparação acho que eu não ia curtir essa trama. Só pelo que você descreveu realmente me pareceu bem incoerente, e detesto quando os personagens vão se descaracterizando ao longo da história. Para mim tem mais contras do que prós, por isso creio que não vou ler. E acho que você não deve ler os outros também não! Hahahahahaha

    Beijos
    - Tami
    https://www.meuepilogo.com

    ResponderExcluir
  8. Sabe quando você encontra uma resenha que descreve completamente o que sentiu com a leitura de um livro, então, foi exatamente o que aconteceu agora. O livro é bom sim, mas o ódio das atitudes e de como o Drake é babaca é ainda maior, e sobre a Evangeline... Não sei nem o que dizer dela,tenho apenas pena. Mas já adianto que quero dar continuidade a leoleit da trilogia pq não aceito esse fim tão humilhante. Excelente resneha.

    www.bercoliterario.wordpress.com

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem?
    Eu li apenas um livro desta autora e amei, o romance de época Seduzida por um guerreiro escocês. Aquele livro me surpreendeu positivamente e me encantou pela força de sua protagonista. É triste perceber que nesse romance erótico, a autora errou completamente.
    Eu não sou muito fã do gênero e, pelo que percebi na sua resenha, esse livro potencializa ao máximo os estereótipos que detesto em romances assim. Casal que se envolve muito rapidamente, mocinha que se diz independente e forte, mas abre mão da sua liberdade pelo protagonista, e o mocinho embuste, mandão e machista.
    Mesmo sem ter lido o livro, já detestei o Drake e não quero nem pensar o que ele apronta no final.
    De qualquer forma, adorei a resenha e a sinceridade com que falou sobre a obra. Uma pena que a leitura tenha sido tão frustrante.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  10. Delmara, tenho muita preguiça de livros assim, não por serem previsíveis, mas por serem repetitivos, querendo vencer o leitor pelo cansaço. Terminei de ler a sua resenha tendo a certeza que o que você escreveu foi infinitamente melhor do que o livor inteiro que leu... rs
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Tenho um caso de amor e ódio com a Maya Banks. Ela é maravilhosa nos romances de época, envolvendo Highlanders e tudo mais, porém não consigo gostar da sua escrita nos romances contemporâneos que acabam sendo exagerados e com uma escrita cansativa.
    Então esse certamente não vou pegar pra leitura.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  12. A história parece ser interessante, mas quando você mostrou que a história é previsível perdi o interesse, pois gosto de enredos que me surprendam e que tenha personagens encantadores, e pelo que vi não me alegraria pela história. Então dessa vez passo a dica.

    ResponderExcluir
  13. Oi, Delmara!
    Eu já li alguns livros da autora, mas achei bem fraquinho... Sabe aquela história erótica que na verdade qualquer coisa é uma desculpa pra uma cena hot? Pois é. Além disso, não curto BDSM, acho tudo muito exagerado. Esse é um livro que vou deixar passar.
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  14. Oiiiii,

    Esta é uma obra que eu nunca lerei mesmo, eu consegui tomar antipatia de tudo neste livro sem nem ter lido! Acho o tempo para o relacionamento deles irreal Fora o relacionamento abusivo que se estabelece! Sério não parecd nem um obra da Maia Banks, é como se tivessem usado o nome dela para escrever uma história cheia de esteriótipos que deveriam ser combatidos e não propagados. É definitivamente uma obra que eu corro!

    Beijinhos...
    http://www.paraisoliterario.com

    ResponderExcluir