8 de junho de 2018

[Seriando] 13 Reasons Why

Olá amores!
Em tempos de segunda temporada, cá estou eu para falar sobre o começo de tudo. Já faz mais de um ano que 13 Reasons Why, chegou as telinhas do mundo todo. Claro que a adaptação da obra homônima de Jay Asher não passaria batido, não importa como viesse a ser produzida, afinal a trama é permeada de assuntos polêmicos. Soma-se a isto as questões envolvendo o próprio autor (acusado de assédio) e a apresentação explícita da série, e está feito o balaio de debates e discussões. Há quem seja contra dar mais ênfase do que a história já está tento e inclusive defenda um possível boicote, e há quem advogue em prol de tais abordagens. O que eu sei é que em meio aos extremismos dos que defendem e daqueles que atacam, existe também um grupo que consegue enxergar um meio termo entre o amor e o ódio que vem sendo destilado contra a produção. E mesmo sabendo que o assunto já está batido e até mesmo super saturado, decidi dar minha opinião a respeito. Confesso que já estou um pouco cansada de toda essa campanha de assista e não assista que ando vendo por ai, sendo assim quero começar dizendo algo simples como: A série é pesada, explícita, é cheia de gatilhos, aborda de forma crua assuntos como ESTUPRO, ABUSO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS, AGRESSÃO, SUICÍDIO e coisas do tipo, então eu particularmente NÃO RECOMENDO que seja assistida por pessoas que passam ou passaram por problemas do tipo ou menores desacompanhados. Se você não se enquadra em nenhuma das categorias anteriores e deseja assistir, aqui vai mais um aviso, você provavelmente se sentirá incomodado com algumas cenas, no mínimo. E diante dessas informações, sinta-se a vontade para decidir por si só se quer ou não conhecer a série.

13 Reasons Why (S01 E13) (S02 E13)
Gênero: Drama
Países de Origem: EUA
Ano produção: 2017
Avaliação: 4/5🎬

Clay ainda está tentando lidar com o recente suicídio de Hanna - a colega de escola por quem nutria sentimentos profundos -, quando recebe um pacote com várias fitas cassete onde a própria lista treze motivos para ter cometido tal ato. Se isso por si só já não fosse mórbido o suficiente, eis que logo na primeira fita a garota da a entender que o próprio Clay é um dentre os treze motivos em questão. Tomado por um sentimento de impotência ele se vê cada vez mais mergulhado no passado, e passa a reviver as situações que culminaram na morte da garota. Ao mesmo tempo ele ainda é obrigado a lidar com os outros jovens que tem seus nomes nas fitas e que desejam manter as revelações de Hanna em segredo. Mentiras, traições, segredos... Em meio a uma tempestade que se forma, Clay precisará descobrir não só a sua participação na morte de Hanna como terá que decidir o que fazer com as informações que lhe foram confiadas.


A primeira vez que assisti 13 Reasons Why, o fiz sem pretensão alguma. Não havia lido o livro ainda e por isso não sabia muito bem o que esperar. Então tendo em mente apenas uma sinopse básica, conheci a história de Hanna Backer. Admito que fiquei chocada e muitas vezes angustiada com as cenas explícitas retratadas e por isso entendo a maioria dos questionamentos, no entanto não posso negar que a mensagem é verídica e realista (por mais que a maioria se recuse a admitir). Mas vamos por partes. A impressão que tive ao assistir a série é que Hanna sempre foi uma garota vulnerável, apesar do amor e cuidado que os pais lhe dedicavam, ela era uma adolescente insegura e suscetível. Com isso não quero de forma alguma desmerecer a personagem, ao contrário disso quero destacar o fato de que hoje em dia não existe uma regra bem definida para se identificar um suicida em potencial. Além disso, não cabe aqui julgamentos, cada pessoa reage de forma singular a situações similares e por último não estou justificando - romantizando ou seja lá qual for a palavra da vez - o suicídio, estou apenas tentando entender os pontos que foram levantados na trama.


O fato é que inúmeros jovens estão sofrendo bullying diariamente, a medida que milhares praticam ou já praticaram tal agressão. Não sei porque está cada vez mais comum, dar ênfase ou banalizar em demasia alguns assuntos, se não todos. Me parece que existe uma dificuldade bizarra de se olhar os dois lado da moeda e por isso é frequente vermos pessoas ora minimizando uma situação que merece atenção, ora dramatizando algo que precisa ser apenas revisto e conversado. Por exemplo, quem nunca leu/ouviu alguém dizer: "bullying é mimimi", "na minha época eu era apelidado e nunca pensei em me matar", "essa geração 'nutella' não aguenta nada" e por ai vai. Eu sei que na realidade nada é tão simples como gostaríamos que fosse, mas me pego pensando nas bases que tivemos e as que estamos construído com nossos filhos. O bullying, fere pessoas diferentes, de formas diferentes e as consequências quase sempre são desastrosas para a vítima. Então obviamente, achei super válida a campanha "Não seja um porque", levantada pelos produtores e atores da série. Considero importante conscientizar nossa sociedade de que todas as pessoas merecem respeito e que ao interagir com o próximo deve-se levar em consideração os limites individuais, afinal nem sempre o que é okay pra mim é tolerado pelo colega ao lado e isso deve ser respeitado.


Porém, como uma série inicialmente construída por jovens e para jovens poderia abordar assuntos tão pesados sem piorar ainda mais a situação? Eu sinceramente não vejo uma saída para esse dilema, todas as possibilidades levantadas até o momento possuem falhas e despertariam inúmeras críticas negativas. Fala-se que a série é um desserviço, pois pelo andar da carruagem pode vir a desestimular a vítima de abusos a denunciar tal agressão, isso porque a impunidade rola solta na trama, mas se formos sinceros poderemos admitir que não é preciso assistir 13 Reasons Why para ter essa concepção. Infelizmente todos os dias podemos constatar o quanto a nossa cultura anda corrompida - pra não citar nossas leis frágeis e mal elaboradas - e é mais comum do que eu gostaria de admitir a culpabilização da vítima, ainda mais se o agressor for, homem, rico e branco. Isso é fato! Claro que ter isso divulgado em larga escala em uma obra de visibilidade ampla trás um gosto amargo e um desânimo maior que o normal, mesmo assim não acho que seja razão para condenar o projeto. Quanto as cenas de estupro e suicídio, onde esta última tem sido descrita com "uma espécie de tutorial para quem deseja suicidar-se", considero desnecessária, uma vez que a sensação de incômodo me acompanhou por dias após tê-la visto.


No final das contas a série está longe de ser perfeita, mas a meu ver isso não se deve as temáticas abordadas ou as imagens chocantes. Eu considero falha não se saber ao certo qual o público alvo da produção. São os jovens? Inicialmente acreditava-se que sim, mas depois de tudo que foi dito e visto não se pode mais afirmar. São suicidas em potencial, vitimas de abusos e agressões? Aparentemente a trama não é saudável para essas pessoas em específico, devido a infinidade de gatilhos que podem vir a desencadear uma série de transtornos. São os adultos? Até mesmo estes tem se incomodado com o teor do que é apresentado, então acho que não chegam a ser o principal alvo. Para ser sincera, não acredito que exista de fato um público bem definido para esta série. Posso estar sendo leviana mas na minha humilde opinião 13 Reasons Why é uma série que veio para agradar apenas alguns, mas que devido a enorme divulgação e expectativa que se criou, a produção veio a atingir um público com os mais variados gostos e pensamentos, inclusive pessoas que normalmente não assistem/lêem obras do tipo. Como Game of thrones (só uma comparação grosseira), que aborda assuntos polêmicos como estupro e incesto, e por isso é odiada por alguns, porém amada por outros. Mas a essa altura do campeonato, quem não curte simplesmente não assiste e segue com a vida.


Ouso dizer que todo esse rebuliço está sendo causado pelo gigantesco hype que a série está tendo. Onde a maioria dos expectadores é formada por curiosos que querem entender o porque de tanta notoriedade, bem ao estilo de Cinquenta tons de cinza, e quando se deparam com uma abordagem impactante, que não faz parte da sua zona de conforto não se privam de condenar segundo a sua opinião pessoal. Não digo que seja errado, eu mesma estou escrevendo esse texto baseado no que acredito. A série é sim pesada e não deve ser assistida por todos, mas não é a primeira e nem será a última que aborda tais assuntos com essa explicitude, inclusive posso citar uma infinidade de filmes, séries e livros que retratam de forma semelhante ou até mesmo mais intensa que a encontrada em 13 Reasons Why, a diferença é que esta está em evidência e por isso existe um crescente falatório a respeito, novamente não estou criticando, muito pelo contrário, acho essa miríade de opiniões super válida, precisamos falar sobre os assuntos que a série aborda, a forma que eles são abordados e os impactos que podem e estão sendo causados em quem assiste. Não podemos fechar nossos olhos a nenhuma vertente, inclusive a mais óbvia de todas: Pessoas são agredidas, estupradas, negligências, discriminadas, ignoradas, todos os dias, não ver isso da sala de casa não muda isso. Por fim, essa não é uma série para entreter, não te fará suspirar com um final feliz e um romance que cura todos os problemas. Essa é uma trama para te fazer pensar, que incomoda e que levanta questões, é uma série para ser refletida, discutida e isso nem mesmo os que criticam podem negar.

13 comentários

  1. Oi Del. Assisti a primeira temporada depois de escutar muito falar da série. E apesar de ter temas que são muito atuais, e necessários de discussão, acaba que no fim eu não amei tanto a série quanto tanta gente. Eu gostei muito de vários personagens, e odiei outros tantos. E não sei bem se o final me agradou, porque por mais que seja algo tentando retratar algo real, achei que poderia ser de outro jeito. Estou pensando se vejo ou não a segunda temporada.


    Bjoxx ~ Stalker Literária

    ResponderExcluir
  2. Oi Delamra tudo bem? Pois é, tem um enorme hype, mas eu gosto e como vc bem falou nem sou de ler obras do gênero e muito menos ver, mas fui conquistada na primeira temporada e agora na segunda, apesar de algumas falhas no roteiro que se estendeu mais do que precisava, eu continuo gostando. Acho inclusive super válido discutir os temas abordados da série! Excelente resenha!

    Bjs, Mi

    O que tem na nossa estante

    ResponderExcluir
  3. a série fala sobre o que a gente sabe que existe, mas ignora. No fim ela choca ´por não trazer uma visão "felizes para sempre", fiquei muito emotiva quando assisti e realmente sentida pelas ações que levaram ao desfecho

    http://felicidadeemlivros.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  4. Concordo contigo, acredito que essa segunda temporada em especial nao seja destinada aos jovens, os assuntos e cenas são bem mais pesados que na primeira temporada e nem todo mundo tem estomago para isso, aguentei ver apenas três episódios e desisti.

    ResponderExcluir
  5. Oi Delmara!
    Apesar de tudo que foi falado a respeito da série, ainda não assisti. Mas tenho curiosidade para ter minhas próprias opiniões sobre ela. O problema está sendo o tempo, mas acredito que nas férias eu consiga pôr ela em dia.
    Sobre as discussões que ela trouxe à tona, acho muito importante estarmos falando sobre elas, mas tem que ser tratada do jeito correto.
    Gostei bastante do seu texto. Você conseguiu passar muito bem as suas visões sobre a série para quem está lendo.
    Bjss

    http://umolhardeestrangeiro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Para ser sincera eu não tenho vontade de assistir a série porque não acho que iria aguentar tudo isso. Mas gosto da iniciativa e quero ler o livro.
    Beijos
    https://porvarioslugares.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Olá!
    Eu já assisti as duas temporadas, a primeira foi consideravelmente bom, porém a segunda foi um desastre. Os escritores deveria corrigir os problemas da primeira temporada na segunda, mas só piorou o caos. A serie tem uma grande responsabilidade nas costas quando toca alguns temas que são dificeis de trabalho e ter um facil diálogo. Recentemente foi anunciado a confirmação da terceira temporada, o que é super desnecessário, mas vamos ver como o pior podera ficar ainda pior ou os escritores eram corrigir os grandes erros de duas temporadas. Adorei sua resenha.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Oi Delmara, eu li o livro tem muito tempo e fiquei empolgada com a série, porem a primeira temporada me deixou bem decepcionada porque é inegável a irresponsabilidade da produção no desenvolvimento do enredo. A segunda temporada foi uma pá de terra sobre a gota de respeito que eu tinha por ela. É uma série que eu não recomendo e que eu ficaria feliz se fosse cancelada e tirada do catálogo. Um pouco radical??? Não, apena acredito que ela é um desserviço.
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Olá Del,
    Eu não assisti nenhuma temporada e não pretendo fazê-lo. Já li o livro e não gostei da forma como autor abordou temas tão importantes, achei forçado e não quis assistir, mas acho que a série é um desserviço para o combate ao bullying. Eu digo isso pelas poucas cenas que vi e o que eles representam para aqueles que praticam tal ato.
    Sua postagem está incrível e fico contente por tê-la lido, mas continuo com a ideia de não assistir rs.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Eu fico muito de cara dessas pessoas reclamando da série e que ela não sabe conduzir assuntos importantes. Eles são explícitos porque são a realidade. Já vi alguns deles em séries/filmes que não tinham o intuito de passar esse tipo de mensagem e nunca ninguém reclamou. Gosto da série, e só vem terceira temporada. ♥

    ResponderExcluir
  11. Oi Del,
    Eu assisti a primeira temporada e eu odiei com todas as minhas forças, porque justamente é uma série cheia de gatilhos e achei que muitas vezes trataram com descaso situações, inclusive, a cena do suicídio da Hanna. Enfim, não perdi meu tempo vendo a segunda temporada e não recomendo, porque ao meu ver, não houve tato para lidar com o assunto. Mas é pertinente seu ponto sobre para quem eles estão fazendo essa série? Qual o público alvo?

    beijoooo!

    ResponderExcluir
  12. Oiii tudo bem??

    Li o livro e não curti, ai assisti a primeira temporada e achei que houve um crescimento então do livro, mas a segunda temporada está bem arrastado, e acredito que estão deixando tudo impune pra punir tudo no fim, acredito, mas não to curtindo muito. Concordo com suas colocações do publico alvo.

    ResponderExcluir
  13. Oi, tudo bem?
    Eu comecei a assistir essa série e tantas coisas me incomodaram na abordagem que desisti. Acredito que o problema da série não é exatamente a não definição de um público alvo (embora isso seja um problema também), mas a forma sensacionalista que um assunto tão sério foi abordado, visando chocar e causar polêmica para atrair o público. Quando você coloca uma série como esta em uma plataforma tão acessada com a Netflix não tem como controlar quem vai assistir e muito menos o efeito que ela terá nas pessoas. Na verdade, as cenas são tão perturbadoras que elas podem ser gatilhos até para quem nunca passou por situações parecidas ou que não têm nenhum problema psicológico/emocional aparente. Não é atoa que diversos especialistas, médicos e psicólogos condenam a série veementemente. Além disso, a mensagem final do livro e da série é de que há culpados para o suicídios (o que é um absurdo), que não adianta procurar ajuda porque ninguém se importa e que a impunidade é inevitável. Por mais nós saibamos que ainda há muita impunidade no mundo, reforçar de maneira tão sensacionalista essa ideia é um desserviço que a Netflix prestou, especialmente para aqueles que trabalham todos os dias tentando convencer pessoas com problemas psicológicos e emocionais a procurarem ajuda.
    Enfim, eu gostei muito do seu post e consegui entender seu ponto de vista. Mas acho que essa série trouxe muito mais pontos negativos que positivos e, por isso, continuo considerando um desserviço da Netflix.
    Beijos!

    ResponderExcluir