4 de julho de 2017

[Resenha] Anita - Thales Guaracy

Olá amados!
Hoje trago uma história deveras apaixonante que me apresentou uma nova forma de enxergar dois heróis que fizeram parte de grandes conquistas nacionais. Confesso que apesar de admirar os feitos históricos ocorridos em nosso país sempre soube muito pouco a respeito dos caminhos trilhados até a concretização de tais feitos e não nego que me envergonho por não ser uma grande conhecedora da nossa história, por essas e por outras me interessei tanto em ler Anita, uma guerreira atemporal que se lançou de peito aberto em inúmeras batalhas devido a necessidade de conquistar a liberdade de povos oprimidos pela maldade e ganância de seus governantes. Então se vocês desejam saber um pouquinho mais a repeito dessa grande mulher se acheguem e compartilhem das sensações dúbias que essa leitura me proporcionou.

Anita, um romance sobre a coragem
Autor (a): Thales Guaracy @tguaracy
Publicação: Record*Cortesia
ISBN: 9788501109002 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2017
Páginas: 224
Avaliação: 3/5★
Um romance sobre coragem, um romance sobre Anita Garibaldi. Neste romance repleto de beleza literária e cores realistas, tão chocante quanto maravilhoso, tão particular quanto universal, Thales Guaracy olha Anita pelos olhos de Giuseppe Garibaldi, a única pessoa que testemunhou por completo a vida da revolucionária. E assim desvenda e nos apresenta, com estilo único, pessoal e emocionante, a mulher que se atira sozinha sobre o exército inimigo; que corta os cabelos do marido por ciúme e o ameaça com um par de pistolas; que abandona os próprios filhos entre desconhecidos para atravessar um país conflagrado, escondida sob as cartas de um carro de correio, até uma cidade sitiada. E que aprendeu que “as causas perdidas são as mais certas”, tornando-se uma das mais extraordinárias personagens da história, considerada a “heroína de dois mundos”, precursora e símbolo do feminismo, representação de mulher forte e independente.
Ana de Bentão sempre foi um espirito livre, desprendida das convenções sociais de sua época ela mais de uma vez despertou interesses indesejados. Quando seu pai, revolucionário por natureza, foi assassinado em consequência dos ideais que defendia, Ana teve que abandonar a casa em que cresceu e partir com a mãe e os oito irmãos rumo a um destino incerto, obrigada a casar-se ainda muito jovem, devido a necessidade de um protetor para a família órfã ela nunca deixou morrer dentro de si a esperança de uma vida livre. Quando a guerra entre farroupilhas e imperialistas estoura no Rio Grande o Sul a jovem guerreira se lança desesperadamente nessa oportunidade contraditória de liberdade sem temer por si ou por aqueles que deixava para trás, ao lado de Giuseppe Garibaldi o italiano exilado de seu país que fazia fama no Brasil apoiando as tropas de Bento Gonçalves, Ana de Bentão tornou-se Anita, uma revolucionária destemida que inspirou a todos que tiveram a oportunidade de conviver com ela e presenciar seus rompantes de coragem. Uma mulher forte que teve uma vida difícil, mas que nunca abriu mão de suas convicções e que amou plena e intensamente até seus últimos instantes de vida.

Anita é descrito pela perspectiva de Giuseppe, ou apenas José como ela o rebatizou, trás uma narrativa apaixonada que retrata a heroína revolucionária como um ser quase místico. Durante a leitura fica nítido o quanto o homem admirou e amou aquela que foi sua companheira de todas as horas durante anos e por consequência mãe de cinco filhos seus. Conhecer Anita em meio a mais uma guerra, foi para Giuseppe como um prêmio inesperado, a mulher cheia de vida que compartilhava de seus sonhos e que não se deixava abater diante da adversidade era exatamente aquela que foi feita para ser o seu par. Ambos sedentos pelas batalhas encontraram um no outro uma fonte inesgotável de estímulo e companheirismo. Essa obra não nos apresenta os sentimentos, temores ou as emoções de Ana, mas sim a forma como ela se apresentava aos olhos do homem a quem tanto amou, ele a reverencia com uma adoração que perdurou durante toda a sua existência, um amor que nem a morte foi capaz de aplacar. 

Estou completamente apaixonada ao mesmo tempo que impactada e partida pelo relado das experiências contidas nessas páginas. O cenário de guerra é uma constante que paira ininterruptamente durante o desenrolar do enredo que já é um dos mais comoventes que li nos últimos anos. Comecei a leitura com a sensação palpável de que Anita e Giuseppe eram vítimas das circunstâncias que seus respectivos países apresentavam, mas conforme a leitura evoluía ficou evidente que eles não estavam ali por estar, não tornaram-se guerreiros forjados em meio as batalhas por acaso ou necessidade, o que eu consegui perceber é que eles se sentiam parte de algo maior (e de fato eram) e não se importavam de emprestar suas vidas para tornar possível a tão sonhada revolução, eles não se tornaram guerreiros, eles sempre foram, acreditaram no direito a liberdade e e por ele lutaram com todas as suas forças.

Não ouso desmerecer nenhuma das tantas conquistas atribuídas a ambos, mas como de praxe não posso me deixar completamente indiferente a alguns pontos que de fato me incomodaram durante a narrativa. Alguns falam que o livro romantiza a guerra, mas não vejo dessa forma, principalmente porque existem nessa história relatos extremamente dolorosos que descrevem a rotina desesperadora daqueles que se doaram completamente por um ideal, o fato de alguns deles estarem entregues e dispostos a perder tudo inclusive a própria vida nos campos de batalhas é tratado como algo heroico e corajoso, não digo que não seja, mas acrescento que por vezes me pareceu doentio. Essa inquietação que assolava os personagens da vida real que não conseguiam contentar-se com uma vida pacata e feliz e que almejavam desesperadamente as incertezas de dias de lutas e de glórias me desconcertou um sem número de vezes. Sei que os rumos da história teriam sido completamente diferentes e mesmo esta trama já tendo um fim definido a vários anos, me peguei desejando com afinco para que o casal se aquietasse em definitivo para poder enfim curtir a felicidade que uma família que se ama tem direito, mas como já se é sabido essa não foi a escolha dos lendários revolucionários, é de conhecimento geral que o casal Garibaldi nasceu na guerra, nela viveu e na guerra morreu.

Conhecer a trajetória de Anita e Giuseppe foi um prazer imensurável, me senti parte dessa história tão conturbada onde fui levada a diversos extremos, desde o amor e o ódio, a euforia e a dor, a esperança e a descrença, vida e morte. Nessa trama vamos conhecendo muito mais do homem que conta sua devoção, do que da mulher objeto de sua admiração. Giuseppe nunca se considerou um herói, mesmo tendo saído vivo das incontáveis batalhas perdidas que travou, mesmo tendo lutado além do limite por aquilo que sonhava, mesmo tendo sido aclamado por multidões gigantescas que o declararam como salvador do povo, mesmo tendo vivido uma vida de lutas, muitas derrotas e algumas grandes vitórias. Ainda em seus últimos dias ele se recusava a aceitar os créditos por seus feitos, mas entoava incansavelmente em sua mente elogios a mulher que pra ele foi sem igual, a única que ele ousa considerar como a grande heroína de sua história. Uma obra ficcional que preenche lacunas e que torna quase impossível discernir entre o real e o imaginário (exceto pelo epílogo, onde o viés fictício empregado pelo autor fica bem nítido), super recomendo para os apaixonados por aventura, romance e mulheres guerreiras que de alguma forma mudaram os rumos da história.

19 comentários

  1. Ola
    Deve ser um livro muito especial e quanto a isso não tenho dúvida, digo porque Anita tem história na minha cidade (Laguna SC), e é difícil quem nunca tenham ouvido nada a seu respeito por aqui. Já li muito a respeito de sua trajetória, e é incrível. Dessa forma, eu gostaria muito de fazer essa leitura, e não sei como não tinha lido nada a respeito anteriormente. Obrigada pela indicação!
    Beijos, F

    ResponderExcluir
  2. Oi Del,
    Nossa já tinha visto essa capa, mas nem imaginava sobre o que era.
    Adoro história, então saber que através desse livro podemos conhecer uma mulher tão icônica, porém esquecida de certa forma é maravilhoso.
    Adorei os pontos que você destacou e com certeza vou por esse livro na minha lista de futuras leituras.

    Bjs,
    Garotas de Papel

    ResponderExcluir
  3. Já vi essa capa (maravilhosa, por sinal) por aí e sempre ouço vejo resenhas positivas, e tenho curiosidade de ler só pelo fato de ser uma mulher forte, que como você disse, mudou o mundo de alguma forma e livros assim sempre me chamam atenção.
    Espero poder ler em breve!

    Virando Amor

    ResponderExcluir
  4. Oi Delmara, não conhecia o livro e fiquei bem impressionada com as suas considerações. Eu gosto muito destes cenários de guerra, mas acho que nunca li nada assim, tão intenso. Quero poder ler o livro e me sentir parte da história assim como você se sentiu também.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Sem dúvida é uma leitura muito importante e especial.
    Parece ser um livro forte e marcante.
    Deu pra perceber também que é um romance histórico cheio de outras temáticas relevantes para nossa reflexão e discussão.
    Queria te parabenizar por essa indicação tão útil e tão rica.
    Literatura nacional dessa qualidade, é raro vermos frequentemente nos blogs.
    A forma como você falou sobre o livro também foi super bem estruturada e bem escrita.
    Amei! Sucesso!

    Eliziane Dias

    ResponderExcluir
  6. Oie, tudo bem?
    Eu não sei se leria essa obra, pois não me chamou muito a atenção a narrativa, por se tratar de história nacional (SIM, me julgue também, rs.) Mas acredito que deva sim ser uma leitura muito prazerosa pra quem gosta do assunto, e a capa está magnífica!

    ResponderExcluir
  7. Olá, tudo bom?

    Não conhecia o livro mas acho a história de Anita bem interessante. Seu relato sobre ele me deixou com muita vontade de lê-lo, ainda por se saber que o livro te passou diversos sentimentos.
    Ps: Adorei a capa do livro, é bem intrigante.

    Beijos:*

    ResponderExcluir
  8. Olá!

    Eu não conhecia o livro e nem quem o escreveu, mas certamente já havia ouvido falar nos protagonista. Sua resenha trouxe elementos que me deixaram extremamente curiosa em relação a trama, principalmente quando citou todo amor e admiração que Giuseppe sentia por sua companheira, Anitta. Até mesmo os comentários nem tão positivos assim me deixaram bem interessada. Espero poder realizar essa leitura um dia, obrigada pela dica!

    Ingrid Cristina
    Plataforma 9 3/4

    ResponderExcluir
  9. Olá...
    Eu acho essa capa liiiiiinda <3
    Assim como você, também sei muito pouco sobre nossos herois nacionais e justamente por esse fato fiquei bastante curiosa em relação a essa obra. Gostei bastante de seus comentários e espero poder ler em breve ;)
    Bjo

    ResponderExcluir
  10. Oii
    Nossa eu não conhecia esse livro e a primeira coisa que me chamou a atenção foi a capa. Confessoo que não sou uma pessoa muito boa em ler livros nesse estilo, mas acho a história bem fascinante e eu conheci um pouco mais sobre a vida dos dois por causa daquela minissérie que teve bem antiga, A Casa das setes mulheres, lembra?

    Infelizmente não é o tipo de leitura que eu faria no momento, mas adorei a sua recomendação

    beijos
    Livros & Tal

    ResponderExcluir
  11. Olá Delmara,
    Ainda não conhecia esse título, mas gostei de conhecer suas impressões. Fiquei contente por você não ter notado esses pontos negativos que todos notam. É muito interessante saber que o livro não falar sobre romance em si, mas sim sobre como a mulher mexe com o homem que ama.
    Espero ter a oportunidade de ler esse livro.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  12. Olá!

    Eu não conheço o autor ou a obra. Apesar da premissa ser interessante eu não acho que irei ler esse livro. Fico bem feliz que você gostou da leitura, tenho certeza de que quem gosta de aventura irá adorar! Adorei a sua resenha ❤️

    Um beijo

    ResponderExcluir
  13. Olá!

    Não conhecia o autor ou o livro, mas fiquei tentada a ler um livro com esse tipo de trama, ainda mais com sua resenha maravilhosa! Suas palavras puxaram muito minha atenção para o livro e, assim que possível irei lê-lo sim.

    ResponderExcluir
  14. Oi, Delmara

    Eu não gosto de ler nada ambientado em guerras, seja ela qual for. Mas gosto muito da Anita e me encantei com a personagem quando assisti a série A Casa das Sete Mulheres. Mas como essa história é mais concentrada na guerrilha eu não leria... A Casa das Sete Mulheres tinha batalha, mas o romance compensava.
    Sua resenha ficou ótima, parabéns.

    Beijos

    ResponderExcluir
  15. Oi!
    Não conhecia esse livro (e morrendo de vergonha confesso que não conheço nem as pessoas em que a história é inspirada).
    Pela sua resenha deu pra perceber que o livro é completemente fiel e cheio de detalhes incríveis, mostrando a realidade que ela passou e todas as suas conquistas, e isso deve encher os olhos dos leitores que admiram esse tipo de trama.

    ResponderExcluir
  16. Olá,

    Eu tinha uma ideia totalmente diferente desse livro e estava louca para lê-lo, mas, agora já não estou mais tão ansiosa. Não é que a premissa não seja boa ou interessante, no entanto não é o que estou procurando para ler por agora. Um dia espero ter a oportunidade de fazer essa leitura, pois o que você falou sobre a protagonista me deixou muito intrigada e mais do que disposta a conhecer mais da vida dessa personagem.

    Beijos,
    entreoculoselivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  17. Sou doido pra ler esse livro, pois sei que é daquelas histórias de tirar o fôlego, Anita já é tão conhecida e de fato um ícone e ver essas representações me deixa cada vez querendo mais, essa retratação de mulheres que estavam a frente e revolucionavam sua época, espero lê-lo logo.

    ResponderExcluir
  18. Olá, tudo bem?
    Nossa não conhecia o livro, mas adorei a sua resenha a ponto de ir logo procurar para comprar.
    Aposto que é uma leitura de tirar o fôlego!
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  19. Faz pouco tempo que soube da existência de Thales Guaracy. Já li Filhos da Terra e Amor e Tempestade.
    Gostei dos dois e pelo que li agora, tenho que ler Anita!

    ResponderExcluir