8 de julho de 2018

[Resenha] Codinome lady V - Lorraine Heath

Olá pessoas!
Hoje vou falar um pouquinho sobre o meu mais novo queridinho. Um livro que queria ter lido a bastante tempo e que me prendeu de uma forma que não esperava. Minha experiência foi tão positiva que ao finalizar esta leitura eu mal conseguia segurar a empolgação e o desejo de compartilhar minhas impressões, então é com muita alegria que venho falar sobre ele hoje aqui. Codinome Lady V é o primeiro livro da série Os Sedutores de Havisham de Lorraine Heath, que já possui os três primeiros volumes e um conto, publicados no exterior. A série trás a história de quatro amigos que tiveram suas vidas ligadas ainda na infância, e de suas respectivas ladys. 

Codinome lady V (Falling Into Bed with a Duke)
ColeçãoOs Sedutores de Havisham #01
Autor (a): Lorraine Heath @LorraineHeath
Publicação: Gutenberg
ISBN: 9788582354193 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2017
Páginas: 256
Minha avaliação: 5/5★
Cansada de rejeitar pretendentes interessados apenas em seu dote escandalosamente vultoso, Minerva Dodger decide que é melhor ser uma solteirona do que se tornar a esposa de alguém que só quer seu dinheiro. No entanto, ela não está disposta a morrer sem conhecer os prazeres de uma noite de núpcias e, assim, decide ir ao Clube Nightingale, um misterioso lugar que permite que as mulheres tenham um amante sem manchar sua reputação. Protegida por uma máscara e pelo codinome Lady V, Minerva mal consegue acreditar que despertou o desejo de um dos mais cobiçados cavalheiros da sociedade londrina, o Duque de Ashebury. E acredita menos ainda quando ele começa a cortejá-la fora do clube. Por mais que ele seja tudo o que ela sempre sonhou, Minerva não pode correr o risco de ele descobrir sua identidade, e não vai tolerar outro caçador de fortunas.
Nos últimos anos tenho lido um número considerável de romances de época e encontrei quase sempre nessas histórias, mocinhas que desafiam as convenções sociais e se rebelam contra o sistema. Admito que esta é uma das principais características que me atraem nesse tipo de história, gosto de quando as personagens não se privam de chocar os politicamente corretos que envoltos num manto de hipocrisia oprimem os direitos de terceiros, que ditam regras como se fossem leis divinas, sem se importarem verdadeiramente com o bem estar do outro. E por isso, não poderia ter gostado mais desse livro, Minerva é a principal razão do meu rendimento. Que mulher senhores! A jovem possui uma firmeza em suas decisões que muito me agradou e mais ainda quando percebi que ela foi criada para ser quem e como é.

26 de junho de 2018

[Resenha] Anna vestida de sangue - Kendare Blake

Hello peoples!
Hoje irei falar sobre minha releitura mais recente. Não costumo reler muitos livros mas vez ou outra me permito fazê-lo, nesse caso em especial julguei necessário, uma vez que li Anna vestida de sangue a mais de um ano e já havia esquecido muitos detalhes de sua história, e como pretendo ler o segundo volume da duologia que foi lançado este ano, achei interessante resgatar essas memórias perdidas. Quanto a resenha, esta é a segunda vez que escrevo, isto porque enquanto relia a primeira me incomodei com alguns aspectos do texto, sendo assim cá estou eu "matando dois coelhos com uma cajadada só". Agora tenho a história de Anna fresca em minha memória e posso trazer um texto de melhor qualidade para vocês. Dito isto, já podemos seguir para o momento em que lhes apresento os mistérios que envolvem esta garota.

Anna vestida de sangue (Anna Dressed in Blood)
Coleção: Anna #01
Autor (a): Kendare Blake @KendareBlake
Publicação: Verus
ISBN: 9788576864431 | Skoob
Gênero: Suspense
Ano: 2016
Páginas: 252
Minha avaliação: 4/5★
Cas Lowood herdou uma vocação incomum: ele caça e mata os mortos. Seu pai fazia o mesmo antes dele, até ser barbaramente assassinado por um dos fantasmas que perseguia. Agora, armado com o misterioso punhal de seu pai, Cas viaja pelo país com sua mãe bruxa e seu gato farejador de espíritos. Juntos eles vão atrás de lendas e folclores locais, tentando rastrear os sanguinários fantasmas e afastar distrações, como amigos e o futuro.Quando eles chegam a uma nova cidade em busca do fantasma que os habitantes locais chamam de Anna Vestida de Sangue, Cas espera o de sempre: perseguir, caçar, matar. Mas o que ele encontra é uma garota envolta em maldições e fúria, um espírito fascinante, como ele nunca viu. Ela ainda usa o vestido com que estava no dia em que foi brutalmente assassinada, em 1958: branco, manchado de vermelho e pingando sangue. Desde então, Anna matou todas as pessoas que ousaram entrar na casa vitoriana que ela habita. Mas, por alguma razão, ela poupou a vida de Cas. Agora ele precisa desvendar diversos mistérios, entre eles: Por que Anna é tão diferente de todos os outros fantasmas que Cas já perseguiu? E o que o faz arriscar a própria vida para tentar falar com ela novamente?
Antes de tudo, quero deixar registrado o meu contentamento por ter me permitido reler este livro. Mesmo tendo em mente que poderia ter esquecido um ou outro detalhe importante da história, não estava preparada para me deparar com todas as informações que deixei pra trás. Sério mesmo, fiquei surpresa em demasia, pois enquanto relia, fui dominada pela sensação de que estava pegando esta obra pela primeira vez. Enquanto me reconectava com a obra peguei lembrando da série Sobrenatural, que por hora é a única referência que tenho para histórias de caçadores de fantasmas, e no final das contas o enredo trás algumas semelhanças que ficam evidentes a cada virar de páginas.  Admito que minhas lembranças escassas acabaram por tornar a experiência satisfatória, já que mais uma vez me vi presa numa teia repleta de mistérios e acontecimentos sinistros, que me envolveram e angustiaram na mesma medida. 

24 de junho de 2018

Flip pop: O festival de literatura pop

Olá cariños!
Hoje vamos falar um pouquinho sobre a FLIP POP, o Festival da literatura pop criado pela Editora Seguinte, selo jovem do Grupo Companhia das Letras. O evento este ano terá sua segunda edição e contará com diversos convidados nacionais e internacionais, além do apoio de outras editoras. Visando aproximar ainda mais leitores e autores, o festival trará diversas atividades e presenteará os participantes com brindes. Como infelizmente não poderei estar presente, deixo aqui algumas informações pertinentes que podem ser úteis aos que desejam comparecer. 

22 de junho de 2018

[Resenha] Ele - Elle Kennedy e Sarina Bowen

Olá carinõs!
Recentemente recebi uma proposta do grupo Companhia das letras, para realizar a leitura da prova antecipada de Ele, quando Ryan conheceu James, um erótico LGBT+ que será lançado pela editora paralela no final deste mês. E como a obra já havia despertado meu interesse desde o anúncio de sua publicação, não pensei duas vezes antes de agarrar esta oportunidade com as duas mãos. Considero o livro escrito por Elle Kennedy e Sarina Bowen, um desafio autoimposto, uma vez que até o momento não havia lido nada do gênero. Mesmo assim, não tive dúvidas de deveria dar uma chance a história desses dois. Ainda não conhecia a escrita da Sarina, mas depois de ter lido e amado incondicionalmente a série Amores improváveis, tenho confiança suficiente na Elle para arriscar em tudo que ela se propor a escrever. Ele, é o primeiro livro de uma duologia, já publicada integralmente no exterior, que aborda de forma direta, instrutiva e responsável o relacionamento homoafetivo, além de não se privar daquele toque de sensualidade comum aos casais. 

Ele (Him)
Coleção: Him #01
Autor (a): Elle Kennedy e Sarina Bowen @sarinabowen
Publicação: Paralela *Cortesia
ISBN: 9788584391202 | Skoob
Gênero: Erótico + 18, LGBT +
Ano: 2018
Páginas: 256
Minha avaliação: 4/5★
Quatro anos atrás, seu tatuado, destemido e impulsivo companheiro desde a infância simplesmente cortou contato. O maior arrependimento de Ryan Wesley é ter convencido seu amigo extremamente hétero a participar de uma aposta que testou os limites da amizade deles. Agora, prestes a se enfrentarem nos times de hóquei da faculdade, ele finalmente terá a oportunidade de se desculpar. Mas, só de olhar para o seu antigo crush, Wes percebe que ainda não conseguiu superar sua paixão adolescente. Jamie esperou bastante tempo pelas respostas sobre o que aconteceu com seu relacionamento com Wes, mas, ao se reencontrarem, surgem ainda mais dúvidas. Uma noite de sexo pode estragar uma amizade? Essa e outras questões sobre si mesmos vão ter que ser respondidas quando Wesley e Jamie se veem como treinadores no mesmo acampamento de hóquei.
Eu sempre tive em mente que não importa o quanto você saiba sobre determinado assunto, sempre é possível aprender mais, mesmo assim não estava preparada para as lições que viria a ter com esta trama. Confesso que tive receio, não por se tratar de um romance homoafetivo, na verdade eu estava preocupada com a abordagem que a história teria, já li livros LGBT que me encantaram por completo, mas como leitora assídua do gênero sei bem como os romances eróticos podem ser desproporcionais, mas como disse anteriormente, apostei todas as minhas fichas nas boas impressões que sempre tive da escrita da Elle Kennedy, e já adianto que não poderia ter ficado mais satisfeita. Fui surpreendida por um romance encantador que me conquistou desde a primeira página. 

8 de junho de 2018

[Seriando] 13 Reasons Why

Olá amores!
Em tempos de segunda temporada, cá estou eu para falar sobre o começo de tudo. Já faz mais de um ano que 13 Reasons Why, chegou as telinhas do mundo todo. Claro que a adaptação da obra homônima de Jay Asher não passaria batido, não importa como viesse a ser produzida, afinal a trama é permeada de assuntos polêmicos. Soma-se a isto as questões envolvendo o próprio autor (acusado de assédio) e a apresentação explícita da série, e está feito o balaio de debates e discussões. Há quem seja contra dar mais ênfase do que a história já está tento e inclusive defenda um possível boicote, e há quem advogue em prol de tais abordagens. O que eu sei é que em meio aos extremismos dos que defendem e daqueles que atacam, existe também um grupo que consegue enxergar um meio termo entre o amor e o ódio que vem sendo destilado contra a produção. E mesmo sabendo que o assunto já está batido e até mesmo super saturado, decidi dar minha opinião a respeito. Confesso que já estou um pouco cansada de toda essa campanha de assista e não assista que ando vendo por ai, sendo assim quero começar dizendo algo simples como: A série é pesada, explícita, é cheia de gatilhos, aborda de forma crua assuntos como ESTUPRO, ABUSO DE SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS, AGRESSÃO, SUICÍDIO e coisas do tipo, então eu particularmente NÃO RECOMENDO que seja assistida por pessoas que passam ou passaram por problemas do tipo ou menores desacompanhados. Se você não se enquadra em nenhuma das categorias anteriores e deseja assistir, aqui vai mais um aviso, você provavelmente se sentirá incomodado com algumas cenas, no mínimo. E diante dessas informações, sinta-se a vontade para decidir por si só se quer ou não conhecer a série.

4 de junho de 2018

[Resenha] O idiota - Fiódor Dostoiévski por André Diniz

Olá personas!
Li esse livro assim que ele chegou aqui em casa a várias semanas atrás, mas ainda não tinha tido coragem de sentar para falar a respeito dele aqui. Confesso que andei procrastinando pelo simples fato de não saber como escrever a resenha desse livro e pra ser sincera ainda não sei. Decidi pelo menos tentar colocar pra fora o que for possível, embora não saiba se o resultado final será satisfatório, tenho em mente de que mais uma vez darei o meu melhor. O idiota é uma das obras de maior destaque de Fiódor Dostoiévski, considerado um dos grandes escritores da história da literatura mundial e responsável pela publicação de grandes sucessos como Crime e Castigo e Os Irmãos Karamazov. Pelas mãos de André Diniz esse clássico renomado ganha uma versão ousada, onde o artista reconta uma história complexa através de ilustrações expressivas que respaldam o texto conciso porém enfático. 

O idiota
Autor (a): André Diniz @AndréDiniz
Publicação: Quadrinhos na Cia *Cortesia
ISBN: 9788535930726 | Skoob
Gênero: HQ
Ano: 2018
Páginas: 416
Minha avaliação: 4/5★
Em preto e branco, e num registro quase sem palavras, André Diniz propõe uma recriação surpreendente de O idiota, obra máxima de Fiódor Dostoiévski. Publicado em 1869 e escrito em meio a crises epilépticas e perturbações nervosas e sob a pressão de severas dívidas de jogo, o romance é um dos mais célebres da literatura mundial. Sua oralidade intensa encontra na explosão e na fluidez, na ternura e na enorme capacidade expressiva do traço de Diniz, uma correspondência única. A história é conhecida: após anos internado num sanatório suíço para tratar sua epilepsia, o jovem Míchkin retorna à Rússia e se vê envolvido num triângulo amoroso cujos ares folhetinescos darão o tom desta adaptação. Entre a vilania de Rogójin, um devasso perdulário que dilapida a fortuna herdada de seu pai, e a beleza arrebatadora de Nastácia Filíppovna, acompanharemos Míchkin e sua pureza quixotesca até o desenlace desta bela e trágica graphic novel.
Já de antemão quero deixar registrado que não conheço a obra integral que baseia essa HQ, embora sempre tenha tido uma certa curiosidade pelos escritos do autor, que são sempre tão bem avaliados, ainda não havia tido chance de ter algo do tipo em mãos. Sendo assim quando a oportunidade de ler essa adaptação surgiu, decidi agarrá-la com as duas mãos, confesso que desde o primeiro instante tive receio de não conseguir absorver tudo o que a obra poderia proporcionar, mas de que valem as oportunidades se nós não a aproveitarmos não é mesmo? No final das contas não poderia ter ficado mais satisfeita com a experiência que tive durante essa leitura. A narrativa de Dostoiévski ilustrada pela arte de Diniz formam um combo magnífico que merece ser lido e apreciado.

2 de junho de 2018

Séries literárias: Mosaico de Sue Hecker

Hey peoples!
Já faz um bom tempo que venho namorando a série Mosaico da brasileiríssima Sue Hercker, sempre fui apaixonada por suas capas e curiosa por suas histórias, infelizmente a oportunidade de lê-la ainda não havia surgido. Mas como tudo na vida tem um momento certo para acontecer, eis que recebi o quinto livro dessa série em parceria com a editora Harlequin Books, e obviamente vi a chance que tanto esperava surgir diante dos meus olhos. Porém, não tenho o costume de ler livros de séries/trilogias fora de ordem, mesmo aquelas cujas obras possuem histórias independentes, por isso decidi que faria a leitura de todos os livros que vieram antes de Pertinácia para só então lê-lo, contudo tive uma certa dificuldade em encontrar a sequência a ser seguida e após entrar em contato com a autora - um amor de pessoa, diga-se de passagem -, consegui entender melhor a cronologia dos livros. Por essas e por outras estou aqui hoje criando este post na esperança de facilitar a vida daqueles que estão lendo ou pretendem ler estes livros. Dito isso, segue abaixo um guia singelo. Espero ter ajudado!

22 de maio de 2018

[Resenha] A caçadora de dragões - Kristen Ciccarelli

Hey peoples!
Hoje eu vou falar sobre o meu mais novo xodózinho. Já faz um tempinho que venho me aventurando pelo gênero fantástico e como tenho repetido várias vezes por aqui, as experiências tem sido as melhores, então quando soube do lançamento deste livro não pude conter a curiosidade, embora não tenha alimentado nenhuma grande expectativa, me lancei com verdadeiro interesse nesta leitura e o resultado não poderia ter sido mais satisfatório. A caçadora de dragões é o primeiro livro da trilogia Iskari, de Kristen Ciccarelli. São três livros independentes, cada um contado da perspectiva de um personagem diferente, que podem ser lidos fora da ordem de publicação, mas que juntos culminam num desfecho épico. Apesar da não obrigatoriedade, recomendo que acompanhem a sequência correta, uma vez que as histórias seguem uma cronologia, - importante ao meu ver - e todos os personagens principais aparecem em todos os três livros.

A caçadora de dragões (Iskari: the last Namsara)
Coleção: Iskari #01
Autor (a): Kristen Ciccarelli @KristenCiccarelli
Publicação: Seguinte *Cortesia
ISBN: 9788555340529 | Skoob
Gênero: Fantasia
Ano: 2018
Páginas: 398
Minha avaliação: 5/5★
Quando era criança, Asha, a filha do rei de Firgaard, era atormentada por sucessivos pesadelos. Para ajudá-la, a única solução que sua mãe encontrou foi lhe contar histórias antigas, que muitos temiam ser capazes de atrair dragões, os maiores inimigos do reino. Envolvida pelos contos, a pequena Asha acabou despertando Kozu, o mais feroz de todos os dragões, que queimou a cidade e matou milhares de pessoas — um peso que a garota ainda carrega nas costas. Agora, aos dezessete anos, ela se tornou uma caçadora de dragões temida por todos. Quando recebe de seu pai a missão de matar Kozu, Asha vê uma oportunidade de se redimir frente a seu povo. Mas a garota não vai conseguir concluir a tarefa sem antes descobrir a verdade sobre si mesma — e perceber que mesmo as pessoas destinadas à maldade podem mudar o próprio destino.
Eu ainda não havia lido nenhuma história com dragões, isso porque eu os amo. Sem brincadeira. Amo tanto que mesmo depois de já ter assistido Coração de dragão milhares de vezes, eu sigo chorando copiosamente com aquele desfecho infame, não aceito e nunca aceitarei como tudo acaba. E por amar tanto, obviamente não me sentia preparada para ler nada que oferecesse qualquer risco a saúde desses meus queridos, que ironia não é mesmo? Resolvi começar logo por uma história que tem como título A caçadora de dragões. Pra vocês verem o quando esse livro me interessou logo a primeira vista. Enfim, o fato é que me rendi, e embora tenha tido minhas dores durante a leitura, também soube aproveitar as alegrias que a trama me proporcionou.

12 de maio de 2018

[Resenha] Uma Irmã - Bastien Vivès

Oi cariños!
Já faz um tempinho que ando batendo cabeça com minhas leituras e por isso andei ausente daqui. Sabe aquela fase negra onde nada flui? Pois então, andei passando por algo tipo. Vários livros iniciados e quase nenhum finalizado e quando o milagre de concluir uma leitura acontece, eis que o ânimo para falar a respeito é quase inexistente. Pensem numa barra pesada! Maaaas, felizmente como tudo na vida, as fases ruins possuem começo, meio e fim, e a minha terminou graças a este livro, nunca escondi de ninguém minha paixão por HQ's e Grafic novel's, e esta em especial trás o sabor da adolescência, e me fez recordar das inesquecíveis sensações que as primeiras descobertas do mundo adulto é capaz de nos proporcionar, e é por isto que estou aqui hoje, tomada pela empolgação de quem se lembra e quer compartilhar uma história singela e comovente. Uma irmã é a mais recente grafic novel de Bastien Vivés, um jovem quadrinista francês que vem ganhando destaque na Europa.

Uma irmã (Une soeur)
Autor (a): Bastien Vivès @bastienvives
Publicação: Nemo *Cortesia
ISBN: 9788582864401 | Skoob
Gênero: HQ
Ano: 2018
Páginas: 216
Minha avaliação: 4/5★
Ao ter suas férias pacatas transformadas por Hélène, o jovem Antoine passa a viver os dias mais intensos de sua vida, repletos de emoção e receios. De forma sutil, ainda que forte, ele vai descobrindo um universo feminino tão gracioso quanto perturbador. E o que poderia ser apenas mais uma história de verão, se transforma, pelas mãos de Vivés, em uma narrativa apaixonante. Um conto delicado e sensual sobre o despertar de um adolescente que provoca um turbilhão de sentimentos.
Eis uma leitura que me surpreendeu consideravelmente, não por sua história em si, mas pela forma simples, direta e porque não dizer crua, que o autor usou para abordar situações que além de comuns são de extrema importância ao nosso processo de evolução pessoal. A descoberta da sexualidade surge para o adolescente como uma espécie de tabu, algumas vezes vem acompanhada de um constrangimento pegajoso e inconveniente, que pode desencadear alguns bloqueios e dificultar o processo além do necessário. Claro que não existe uma regra a ser seguida, não me arrisco a generalizações e nem tenho nenhuma pesquisa como base, mas tendo em mente alguns exemplos pessoais, ouso dizer que o processo de auto descobrimento nem sempre é fácil. Enquanto me entregava a esta história consegui sem muito esforço resgatar memórias que, embora antigas, seguem vívidas em minha mente. O primeiro amor, as primeiras descobertas e as primeiras sensações, são lembranças que ganham vida enquanto esta trama singela se desenrola.

8 de maio de 2018

[Resenha] Alma - Audrey Carlan

Hey personas!
E lá vamos nós para o capitulo final da história que teve um inicio polêmico em Corpo. Já de antemão quero dizer que fiquei admirada com os rumos que a história tomou, como já não esperava muita coisa desses livros, confesso que acabei me surpreendendo em alguns momentos, o que tornou a leitura até agradável, por assim dizer. E sem sombra de dúvidas preciso dar ênfase ao fato de que a trama no final das contas apresentou evolução relevante ao ponto de amenizar a má impressão inicial que tive com as obras da autora. Alma é o terceiro livro da trilogia Trinity e trás o desfecho da história de Chase e Gillian, mas se acalmem este não é de fato fim de tudo, ainda existem dois spin-offs que trarão Maria e Kat como protagonistas e contarão suas histórias a partir dos acontecimentos deste livro. Dito isto, vamos seguir com a resenha.

Alma (Soul)
Coleção: Trinity #03
Autor (a): Audrey Carlan @AudreyCarlan
Publicação: Verus *Cortesia
ISBN: 9788576866220 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2017
Páginas: 224
Minha avaliação: 3/5★
No terceiro livro da série Trinity, essa história de suspense e erotismo continua, agora mostrando os acontecimentos pelos olhos de Chase, Gillian e do homem que quer possuir a alma dela, mas nunca poderá tê-la, porque ela já a entregou ao amor da sua vida. Gillian sabe que Chase está procurando por ela desesperadamente e que a polícia vai fazer o que for preciso para salvá-la. Mas será que eles vão conseguir vencer a corrida contra o tempo?
A essa altura do campeonato preciso admitir que não sei mais o que pensar da Audrey Carlan. Quando li A garota o calendário (os primeiros livros pelo menos), senti um desapontamento crescente, todas as expectativas que alimentei com relação a série foram esmagadas por uma história completamente fora do esperado, mas tudo bem, eu meio que já superei isso. Então Trinity surgiu, e embora já estivesse com os dois pés atrás, me propus a  dar uma segunda chance a autora e eis que o incio se desenrolou tal qual, se não pior, a primeira série. Fiquei arrasada com a possibilidade de mais uma decepção, mas a necessidade de insistir era tão grande que me apeguei as menores esperanças que foram surgindo, e foi dessa forma que cheguei até aqui. Hoje no entanto, não tenho mais toda aquela má impressão do principio, não digo que a Audrey tenha entrado para minha lista de autoras favoritas, de forma alguma, mas certamente minha fé de que ela ainda pode evoluir foi alimentada. Após este livro consigo acreditar no potencial da autora e digo mais, ela deveria abandonar de vez o gênero erótico e dedicar-se ao suspense/terror.

6 de maio de 2018

[Resenha] Como se vingar de um cretino - Suzanne Enoch

Oi pessoal!
Cá estou eu de volta para compartilhar com vocês mais uma história incrível. Esse é o primeiro livro da Harlequin com essa nova configuração que leio e não poderia ter ficado mais satisfeita. Sempre fui apaixonada pelos livros desta editora, que por sinal foram os primeiros que li. Iniciei minha vida literária com os romances de banca e ainda hoje mantenho minha coleção bem guardadinha, e é por esta minha história que me sinto privilegiada por fazer parte desta nova fase da editora e enquanto a Harlequin busca alçar novos vôos eu sigo aqui acompanhando e me deleitando com romances maravilhosos que trazem mais cor e amor a vida de quem se propõe a lê-los. Como se vingar de um cretino é o primeiro livro da trilogia Lessons in love (lições no amor em tradução livre) de Suzanne Enoch, sucesso de vendas no exterior e que vem conquistando seu espaço nos corações brasileiros, no meu pelo menos já tem lugar garantido. Querem saber mais? Então se liga aqui que eu vou contar o que achei dessa trama. 

Como se vingar de um cretino (The Rake)
Coleção: Lessons in Love #01
Autor (a): Suzanne Enoch @SuzieEnoch
Publicação: Harlequin *Cortesia
ISBN: 9788539825967 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2018
Páginas: 288
Minha avaliação: 5/5★
Era uma vez um notório visconde Dare, que seduziu lady Georgiana Halley e tomou sua inocência para ganhar uma aposta, e agora ele vai ter que pagar. O plano é simples: ela vai usar cada artifício de conquista que conhece para ganhar o coração de Dare, e então quebrá-lo. Mas o olhar do visconde tenta Georgiana a se entregar ao prazer mais uma vez, e quando ele a surpreende com um pedido de casamento, ela se pergunta: esse é mais um de seus jogos, ou dessa vez é amor verdadeiro?
Nem me lembro qual foi o meu primeiro contato com um romance de época, e apesar disto não me permito esquecer o quanto tenho sido feliz lendo livros do gênero. Sendo assim, acho que fica claro o quanto eu sou suspeita para falar a respeito de tais obras, não é mesmo? Mas se acalmem, mesmo em meio a toda a minha paixão consigo admitir que como tudo na vida existem aqueles que seguem o fluxo e aqueles que se destacam em meio a multidão. E este meus caros, é sem sombra de dúvidas um livro que se destaca. Confesso que não esperava, nem mesmo tinha levado a sério a declaração da Julia Quinn - uma autora que admiro muitíssimo - presente na capa, mas ao finalizar a leitura eu não poderia estar mais satisfeita com tudo que se apresentou e o melhor, sedenta pelos próximos livros da série.

4 de maio de 2018

13 Reasons Why: As fitas foram só o começo

Hey peoples!
Cá estou eu falando de séries novamente. Já faz um tempão que não posto nada que não seja resenha de livros, né? Pois bem, estou voltando aos poucos a minha antiga vibe e aproveitando a disposição resolvi falar de um dos assuntos do momento, que é nada mais nada menos que o retorno de 13 Reasons Why, a segunda temporada já está chegando e o frisson está atacando os fãs da série. Afinal quem não quer saber os rumos que esta história vai tomar, hein? Ainda mais se tratando de uma sequência que não terá nenhum livro como base, e sendo assim tudo o que está por vir é completamente inédito. O serviço de streaming responsável pela exibição da série já divulgou algumas informações, então reuni tudo para compartilhar aqui hoje. Chega mais que tem coisas bem legais.

2 de maio de 2018

[Resenha] É assim que acaba - Colleen Hoover

Hello peoples!
A leitura é algo que possui uma importância real em minha vida, não leio apenas por prazer ou diversão, isso também, é claro. Geralmente pego um livro porque preciso. Ler é uma necessidade que completa e modifica meus dias, vai além de um hobbie qualquer. Estou contando isto porque quero que vocês entendam a dimensão do que este livro fez comigo. Já faz alguns meses que não consigo alimentar minha paixão pelos livros, sabe quando você está doente e come sua comida favorita mas não consegue sentir o sabor? Pois bem, era assim que eu estava me sentindo, não conseguia manter meu ritmo de leitura normal e os poucos livros que eu conseguia ler parecia comida sem gosto, até tinham uma boa aparência mas eu não sentia o cheiro e nem o sabor de nada. Quando peguei É assim que acaba para ler, tinha em mente que o acharia um livro no mínimo bom, afinal de contas sempre consegui boas experiências com a escrita da autora, mas diferente do esperado - embora eu não esteja surpresa - sinto que com esta leitura consegui consertar algo que estava quebrado e agora posso finalmente sentir as coisas de novo. Me diz se logo de inicio, isso por si só já não é algo maravilhoso.

É assim que acaba (It Ends with Us)
Autor (a): Colleen Hoover @colleenhoover
Publicação: Galera record *Cortesia
ISBN: 9788501301642 | Skoob
Gênero: Romance +16
Ano: 2018
Páginas: 368
Minha avaliação: 5/5★
Lily nem sempre teve uma vida fácil, mas isso nunca a impediu de trabalhar arduamente para conquistar a vida tão sonhada. Ela percorreu um longo caminho desde a infância, em uma cidadezinha no Maine: se formou em marketing, mudou para Boston e abriu a própria loja. Então, quando se sente atraída por um lindo neurocirurgião chamado Ryle Kincaid, tudo parece perfeito demais para ser verdade. Ryle é confiante, teimoso, talvez até um pouco arrogante. Ele também é sensível, brilhante e se sente atraído por Lily. Porém, sua grande aversão a relacionamentos é perturbadora. Além de estar sobrecarregada com as questões sobre seu novo relacionamento, Lily não consegue tirar Atlas Corrigan da cabeça — seu primeiro amor e a ligação com o passado que ela deixou para trás. Ele era seu protetor, alguém com quem tinha grande afinidade. Quando Atlas reaparece de repente, tudo que Lily construiu com Ryle fica em risco. 
Exitem uma série de fatores capazes de conquistar um leitor durante uma leitura, eu particularmente sou apaixonada por livros que despertam algo em mim, pode ser qualquer coisa, desde um breve sorriso até as emoções mais intensas, sejam elas positivas ou negativas. Não gosto de pensar que dediquei tempo a algo que acrescentou pouco ou nada a minha essência, claro que tenho em mente que toda leitura tem algo a oferecer e coisas do tipo, mas me refiro as pequenas e grandes marcas que algumas histórias deixam em nossa alma, é isso que eu amo na leitura e é isso que eu busco quando leio um livro. Felizmente essas obras existem e eu tenho tido a sorte de encontrar algumas delas ao longo dos anos. Esta meus caros, sem sombra de dúvidas é uma delas. Vi vários comentários de pessoas dizendo ter chorado horrores durante a leitura, compreendo a razão disso ter acontecido mas comigo foi diferente, embora tenha esperado, eu não chorei. Pra mim este foi aquele livro que comove, desperta e te faz entender mesmo que um pouquinho sobre um assunto que só quem realmente vive sabe do que se trata. É assim que acaba, gera uma consciência inexistente na maioria das pessoas e te faz ter vergonha por ter destilado julgamentos mascarados de opinião. Esse é o tipo de obra que te faz refletir, transforma pensamentos, desperta empatia e te molda um ser humano melhor.

26 de abril de 2018

[Resenha] Submissa - Maya Banks

Olá pessoal!
Recentemente recebi este livro em parceria com o Grupo autêntica e embora narrativas sadomasoquistas não sejam minhas preferidas dentro do gênero erótico consegui alimentar certa empolgação para com esta leitura, associo isso quase que exclusivamente ao fato desta ser uma obra da Maya Banks, uma autora que sempre me surpreendeu positivamente, até aqui. Ainda não tinha lido nenhum título hot da autora e acabei não me contendo diante da oportunidade, contudo acabei não encontrando o que tanto procurava e dando ênfase a minha frustração me deparei com o que há de pior em histórias do tipo, o que me deixou inegavelmente decepcionada. Submissa é o primeiro livro da série The Enforcers, composta por três livros já publicados no exterior, os dois primeiros Submissa e Dominada já estão disponíveis no Brasil.

Submissa (Mastered)
Coleção: The Enforcers #01
Autor (a): Maya Banks @maya_banks
Publicação: Gutemberg *Cortesia
ISBN: 9788582354483 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2017
Páginas: 288
Minha avaliação: 2/5★
Evangeline nunca soube o que é viver no luxo, pois sempre teve que trabalhar duro para ajudar os pais e conseguir sobreviver em Nova York. Típica garota do interior, sente-se deslocada em meio à metrópole e percebe que ingenuidade e sinceridade, que sempre foram suas características mais marcantes, são vistas como defeitos pelos nova-iorquinos e, principalmente, por seu ex-namorado que a seduziu e a abandonou. Drake Donovan é um magnata do entretenimento e um dos milionários mais cobiçados do mundo. Ele e seus “irmãos” ergueram um império em Nova York, e o seu maior empreendimento é a badaladíssima Impulse, a casa noturna mais exclusiva da cidade. Acostumado a ter todos na palma da mão, Drake sente seu inabalável mundo balançar quando vê uma jovem com ar angelical e inocente perdida em sua boate. Quem era aquela garota? Ele não tem ideia, mas de uma coisa tem certeza: ela será dele!
Antes de tudo quero deixar registrado aos que não conhecem as obras da autora que este livro aqui não serve como parâmetro. "Pelamordedeus", esta história nem parece que foi escrita pela Maya Banks. Juro que até agora estou tentando entender o que aconteceu aqui. Tenho lido livros da Banks a algum tempo e esta é a primeira vez que me deparo com um que não me convenceu em âmbito algum. Quero deixar registrado que não associo minha decepção ao gênero em si, costumo ler livros hots com certa frequência e até então nunca desgostei completamente de nenhum enredo, talvez o fato desta trama ser muito fechada e não dar margem para outras histórias se desenvolverem em paralelo a dos protagonistas e esta por sua vez ser exposta de forma limitada, não abordando quase nada além do dia a dia atual do "casal" possa ser considerado um dos elementos determinantes para minha impressão final. Sem mais delongas, vamos ao que realmente interessa!

18 de janeiro de 2018

[Resenha] Sem fôlego - Abbi Glines

Hey tchucos!
Olha quem chegou aqui. Não quero ninguém falando por ai que eu nem terminei "Rosemary Beach" e já comecei "Sea Breeze", estou me despedindo aos pouquinhos de Rosemary e para prolongar ainda mais o processo decidi dar logo uma chance a esta nova cidade praiana e seus personagens, e já adianto para quem quiser saber que a Abbi acabou de que ganhar mais um pedaço do meu coração leitor. Aaaah! Fui fisgada meu povo. Então, sim! Eu vou acompanhar mais essa série gigante desta autora e provavelmente a próxima depois desta também, fazer o que né? Já estou na chuva mesmo. Sem fôlego é o primeiro livro da série "Sea Breeze" de Abbi Glines, (mesma autora de "Rosemary Beach"), a série conta com nove livros já publicados no exterior, apesar de possuírem protagonistas diferentes em cada volume as tramas estão interligadas e por isto devem ser lidas na ordem de publicação. Atualmente a autora está trabalhando em uma nova série (já com dois livros publicados no exterior) onde busca unir os herdeiros de Rosemary Beach com os de Sea Breeze, então já deu pra perceber que ainda tem muito pano pra manga, né nom

Sem fôlego (Breathe)
Coleção: Sea Breeze #01
Autor (a): Abbi Glines @AbbiGlines
Publicação: Arqueiro
ISBN: 9788580418019 | Skoob
Gênero: Romance +16
Ano: 2018
Páginas: 272
Minha avaliação: 4/5★
Sadie White acabou de se mudar com a mãe grávida para a cidade litorânea de Sea Breeze, mas seu emprego de verão não vai ser na praia. Como a mãe dela se recusa a trabalhar, Sadie vai substituí-la como empregada doméstica numa mansão na ilha vizinha. Quando os donos da casa chegam para as férias, Sadie se depara com ninguém menos que Jax Stone, um dos roqueiros mais desejados do mundo. Se Sadie fosse uma garota normal – se ela não tivesse passado a vida cuidando da mãe e dos afazeres domésticos –, talvez estivesse impressionada com a ideia de trabalhar para um astro do rock. Mas ela não está. Na verdade, é Jax quem fica atraído por ela. Tudo a respeito de Sadie o fascina, mas ele luta contra esse desejo: relacionamentos nunca funcionam em seu mundo e, por mais que ele queira Sadie, sabe que ela merece algo melhor. Conforme o verão passa, no entanto, essa paixão começa a deixá-lo sem fôlego – e é como se Sadie fosse a única pessoa capaz de lhe devolver o oxigênio.
Comecei a ler este livro a cegas, não fazia ideia do que poderia encontrar por aqui, mas dada as minhas experiências com os demais livros da autora imaginei que teria muito hot, personagens descontrolados e coisas do tipo. Ah! Ledo engano, as semelhanças desta série com Rosemary Beach se resumem a pequenos detalhes, o principal deles é o fato de Sea Breeze também ser uma cidade praiana, além disso temos ainda, pelo menos no primeiro livro, uma protagonista cheia de problemas e um mocinho disposto a ajudá-la a passar por isso da melhor forma possível, além dele ser economicamente bem servido enquanto ela obviamente vive de contar moedas, esses clichês básicos que já fazem parte da identidade de escrita da autora. Mas, *pausa para o que realmente me encantou* o romance é juvenil, juro que não estava esperando por nada do tipo. Não trata-se de uma história pesada, de limites extremos, mas de um romance fofo que surge de forma sutil e envolvente, os personagens são jovens e inexperientes e por isso acabam tomando decisões "meio nada a ver", mas as intensões são sempre as melhores, sabe? No final das contas essa história se mostrou o completo oposto do que eu imaginei. Ainda bem!

12 de janeiro de 2018

[Resenha] Últimas mensagens recebidas - Emily Trunko

Hey!
Recebi este livro no começo da semana e me vi tomada por um encantamento imediato que segue comigo até hoje. Últimas mensagens recebidas, é uma coletânea de frases e pequenos textos reais que marcaram o fim de um relacionamento ou amizade, uma partida inesperada, um abandono doloroso, uma até logo que tornou-se despedida e coisas do tipo. O livro foi organizado por Emily Trunko, uma garota de dezesseis anos que já administra um projeto (que serviu de inspiração para a obra) nesse mesmo estilo. Estou apaixonada por cada detalhes deste trabalho, uma leitura que apesar de breve deixa marcas permanentes naqueles que se proporem a absorver todo o significado que estas mensagens possuem. No final das contas me sinto feliz e satisfeita por ter dado uma chance, então chega de conversa e vem ler o que eu tenho a dizer sobre este livro magnífico.

Últimas mensagens recebidas (The Last Message Received)
Autor: Emily Trunko (org.) @EmilyTrunko
Publicação: Seguinte *Cortesia
ISBN: 9788555340604 | Skoob
Gênero: Não-ficção
Ano: 2017
Páginas: 176
Minha avaliação: 5/5★
Quando uma mensagem é a última, ela pode significar um fim, uma perda, ou até um alívio. E se você fosse o destinatário? A partir de contribuições anônimas, a jovem Emily Trunko reuniu nesta coletânea mensagens que contam histórias reais sobre os mais variados tipos de despedida: o fim de uma amizade, o término de um relacionamento ou até mesmo um acontecimento trágico que muda a vida do destinatário e do remetente para sempre. Enviadas por celular, por e-mail ou pelas redes sociais, essas mensagens narram perdas profundas e inspiram muita reflexão. Será que não deveríamos expressar mais o amor que sentimos pelas pessoas enquanto isso ainda é possível? Ou, em alguns casos, nos afastar o quanto antes daquelas que nos fazem mal?
Eu sou uma pessoa falante. Costumo matraquear por ai o tempo todo, desde que encontre alguém com disposição e paciência para me ouvir. Também sou explosiva, e falo o que vem na cabeça sem pensar duas vezes, recentemente briguei com minha irmã (uma das pessoas mais próximas que tenho na vida), falei o que estava no meu coração, desabafei sem filtros ou freios, fui dura, e tudo isso por mensagem e por telefone, depois conversamos e embora não esteja tudo okay não tem ninguém com ódio de ninguém e nem nada do tipo. Mas depois que li este livro me peguei pensando, e se aquelas mensagens que enviei no calor do momento fossem as últimas palavras que ela recebesse de mim? Não estou querendo instalar pessimismo na mente de ninguém, só quero que este exemplo pessoal transmita o quanto ler este livro mexeu comigo e me mudou. Nunca tinha parado para pensar no peso das minhas palavras, o que chega a ser bizarro já que eu tenho plena consciência de que as palavras podem curar na mesma medida que machucam. O fato é que eu nunca prestei muita atenção nas coisas que falo no calor do momento e muito menos no efeito que elas tem sobre a pessoas que me rodeiam, por favor não me julguem, não sou assim de propósito. É como se esta leitura tivesse me despertado de um longo período de distração, o que é muito bom.

2 de janeiro de 2018

Metas, flops e a certeza de que dá para fazer melhor

Hey!
Com a chegada de um novo ano é meio impossível não repensar nossos sonhos e objetivos. Somos seres em constante evolução e por isso não é nenhuma surpresa quando mudanças ocorrem, e é sobre isto que quero falar no primeiro post do ano. Quero contar um pouquinho das mudanças que vem acontecendo por aqui desde que voltei do hiatus forçado e quero compartilhar algumas novidades que pretendo por em prática neste novo ano. Eu sou apaixonada pelo blog e por tudo que ele tem me proporcionado e por isto estou sempre em busca de melhorar nosso desempenho. E neste ano não poderia ser diferente. Não é de agora que sinto a necessidade de melhorar algumas coisas por aqui, mas a rotina e o trabalho diário costumam minar estes pequenos rompantes de vitalidade, no entanto o inicio de um novo ciclo parece ter sido a força extra que eu estava precisando para enfim tirar alguns projetos da gaveta.