16 de dezembro de 2017

[Resenha] O silêncio das águas - Brittainy C. Cherry

Oi amores!
Eu estava super ansiosa por esta história, já havia lido inúmeras resenhas positivas e por ter tido boas experiências com os dois livros que antecederam este, sabia que não deveria esperar muito para conferir por conta própria o que essa trama tem a oferecer, e já adianto que esta é uma obra linda e comovente que eu só me arrependo de não ter lido antes e embora eu tenha me frustrado com o tempo que as coisas levaram para acontecer busquei entender e exercitar minha empatia para não me tornar um desses "juízes" que se esquecem que a vida não gira ao redor do seu umbigo. O silêncio das águas, é o terceiro livro da série Elementos de Brittainy C. Cherry, a coleção trabalha com os quatro elementos: água, terra, fogo e ar. As histórias de cada livro possuem desenvolvimento independente e podem ser lidas fora da ordem de publicação. Todos os livros já foram publicados no Brasil.

O silêncio das águas (The Silent Waters)
Coleção: Elementos #03
Autor (a): Brittainy C. Cherry @BrittainyCherry
Publicação: Record *Cortesia
ISBN: 9788501109644 | Skoob
Gênero: Romance +16
Ano: 2017
Páginas: 364
Minha avaliação: 4/5★
Quando a pequena Maggie May presencia uma cena terrível à margem de um rio, sua vida muda por completo. A menina alegre que vive saltitando de um lado para o outro e tem uma paixonite por Brooks Griffin, o melhor amigo de seu irmão, sofre um trauma tão grande que acaba perdendo a voz. Sem saber como lidar com o problema, sua família se vê em uma posição difícil e tenta procurar ajuda, mas nenhum tratamento vai adiante. Ao longo dos anos, Maggie aprende sozinha a conviver com os ataques de pânico e, sem conseguir sair de casa, encontra refúgio nos livros. A única pessoa capaz de compreendê-la é Brooks, que permanece sempre ao seu lado. A cumplicidade na infância se transforma em amizade na adolescência, até que um dia eles não conseguem mais negar o amor que sentem um pelo outro. Mas será que o forte sentimento que os une poderá resistir aos fantasmas do passado e a um acontecimento inesperado, que os forçará a navegar por caminhos diferentes?
Assim com A chama dentro de nós este é um livro que divide opiniões. Eu estou sempre buscando encarar as coisas com a mente aberta, odeio julgamentos e por isso não os faço. Acredito que quando o assunto é a vida, não existem verdades absolutas e por isso procurei entender da melhor forma possível a situação dos personagens. Li muitas opiniões em que as pessoas julgavam as decisões da Maggie e diziam que o trauma que ela viveu não foi tão grande para causar tanto estrago. Sabe o que eu faço quando me deparo com uma situação que desconheço por nunca ter vivido nada sequer parecido? Eu me pergunto, quem sou eu para medir o tamanho da dor do meu próximo? E mesmo quando se tem conhecimento de causa é preciso entender que as pessoas são diferentes e por isso é meio irracional exigir que "fulano ou siclano" pense e haja como eu faria. Menosprezar e diminuir sofrimento alheio não faz ninguém mais forte ou racional, ao contrário disto só mostra a ausência de empatia que tem tomado conta do mundo. Eu achei que perder a voz foi drástico, que durante algum tempo Maggie se acomodou a vida reclusa e que ela não se esforçou ao máximo para reverter a situação logo, fiquei sentida pelos anos e oportunidades perdidas e tive dificuldades de aceitar isto. Mas "quem sou eu para medir o tamanho da dor" dela? E é por isso que independente dos meus achismos eu optei por escrever esta resenha da forma mais imparcial possível.

14 de dezembro de 2017

[Resenha] Esposa até segunda - Catherine Bybee

Hey pessoas!
Já vou começar admitindo que demorei bem mais que o planejado para ler este livro. Quando iniciei a leitura desta série alguns meses atrás tinha planos convictos de ler os livros conforme fossem sendo publicados, mas como minha vida se recusa a andar em linha reta e seguir os planos direitinho, desviei e tropecei pelo caminho, o que fez com que eu me atrasasse consideravelmente, além de ganhar mais uma série na estante para completar no próximo ano. *Pausa para um aff gigante*. Mas a situação não é de todo ruim, estou atrasada e ainda preciso providenciar os outros cinco livros da mas contudo, entretanto, todavia isso não será nenhum grande sacrifício pra mim, já que estou completamente apaixonada pela escrita da Catherine e sigo gostando de suas abordagens e histórias. Esposa até segunda é o segundo livro da série Noivas da semana, que conta com sete livros. Apesar de independentes as histórias estão interligadas e por isso recomendo que a leitura seja feita na ordem de publicação, no intuito de obter melhor compreensão dos fatos e evitar spoilers das tramas anteriores.

Esposa até segunda (Married by Monday)
Série: Noivas da Semana #02
Autor (a): Catherine Bybee @catherinebybee
Publicação: Verus*Cortesia
ISBN: 9788576866046 | Skoob
Gênero: Romance +16
Ano: 2017
Páginas: 252
Avaliação: 4/5★
O segundo livro da série Noivas da Semana. Carter Billings: com seus cabelos loiros, olhos azuis e beleza hollywoodiana, ele pode ter a mulher que quiser. Mas, quando decide concorrer à vaga de governador do estado da Califórnia, Carter sabe que vai precisar abandonar a vida de solteiro e se tornar um homem de família. E para isso ele precisa de uma esposa. Entra Eliza Havens, que gerencia a agência de casamentos Alliance. Eliza Havens: ela está feliz por sua amiga Sam ter arrumado um marido rico e atraente. Só tem um detalhe que a deixa louca da vida: o melhor amigo dele, o sexy e ousado Carter Billings. Eliza nunca brigou tanto com um homem — e nunca conheceu alguém que mexesse tanto com ela. Juntar pessoas solitárias é a maneira como Eliza ganha a vida, porém um obscuro segredo do passado a faz descartar totalmente a possibilidade de se casar. Pelo menos foi assim até agora...
Depois de ter amado Casada até quarta tive receio de não gostar tanto deste segundo livro da série, felizmente meus anseios não demoraram a se mostrarem infundados. Mais uma vez a autora trouxe uma história clichê que envolve e conquista ao longo de sua apresentação. Confesso que quando iniciei a leitura não achei que as coisas fluiriam bem, diferente da primeira história que me conquistou desde a primeira frase, as primeiras páginas deste volume definitivamente não são as mais atraentes, já estava me preparando para me arrastar por uma trama pouco envolvente quando ban as coisas começaram a acontecer. Já posso adiantar que aqui temos acesso a um romance de base mais sólida e um desenvolvimento levemente mais elaborado. 

12 de dezembro de 2017

Lançamentos: Grupo editorial record | Dezembro/2017

Hey amores!
Sou só eu, ou você também achou que 2017 voou? Chega de dormir no ponto, né mesmo? Agora que black friday já se foi, que tal ficar de olho nas promoções festivas que surgirão este mês, hein? E é por isto que estou aqui. Sabe aqueles livros que você comprou no mês passado e consequentemente tirou da lista de desejos? Então, vem cá que vou te ajudar a substituí-los. Uma lista de futuras compras atualizadíssima, é isso que você terá quando terminar de ler este post, porque como já estamos carecas de saber, os lançamentos do Grupo editorial record já chegam com tudo e por isso tenho certeza de que pelo menos um desses livros te conquistará. A variedade é enorme, este mês tem livro para todos os gostos, séries que estão terminando e outras começando, livros únicos que estão sendo esperados a algum tempo e outros que chegaram de surpresa e por ai vai. Mas chega de conversa, né? Confira logo as novidades que estão chegando as livrarias.

10 de dezembro de 2017

[Resenha] Mente - Audrey Carlan

Hey amores!
Hoje quero falar um pouquinho a respeito do segundo livro da série Trinity de Audrey Carlan. Acredito que muita gente desanimou completamente com essa história e decidiu não continuar lendo a série depois da decepção que foi Corpo, e embora eu claramente me encaixe no grupo de pessoas que está cansado de dar de cara com a parede, decidi seguir dando uma chance a trama. Não estou aqui para dizer que esta seja a redenção de todas as falhas existentes no primeiro livro, mas garanto que melhora bastante. Novos elementos são inseridos na história e ganham ênfase importante conforme o enredo se desenrola. Definitivamente Mente é um livro com muito mais conteúdo que seu antecessor e mesmo que ainda conte com vários estigmas comuns a escrita da autora, levanta questões relevantes que valem a leitura.

Mente (Mind)
Coleção: Trinity #02
Autor (a): Audrey Carlan @AudreyCarlan
Publicação: Verus *Cortesia
ISBN: 9788501301468 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2017
Páginas: 275
Minha avaliação: 3/5★
Gillian está radiante com sua aliança de noivado. Em breve ela vai se casar com o bilionário e sedutor Chase Davis. Mas é difícil manter a alegria quando tem um maníaco atrás dela. Enquanto Chase e Gillian planejam o casamento, o perseguidor elabora seu plano de vingança. A princípio Gillian não dá tanta importância às ameaças desse homem — que ninguém sabe quem é —, até ele tomar uma atitude extrema que vai deixar o casal e seus amigos arrasados. Será que Chase vai conseguir usar todo o seu poder e dinheiro para proteger Gillian desse lunático? Talvez seja tarde demais para perceber o perigo mortal que ela está correndo... Com flashbacks perturbadores do passado de Gillian e a tragédia que esse homem misterioso traz para o presente, o leitor será cada vez mais atraído por esta história sombria, erótica e eletrizante.
Eu sou a típica leitora que se recusa a desistir. Já falei aqui que me decepcionei bastante com a primeira série da Audrey publicada no Brasil, e quem leu minhas impressões de Corpo, primeiro livro desta série, sabe bem que me incomodei com diversas situações narradas na história, então foi totalmente despida de expectativas que iniciei a leitura deste segundo volume, e que surpresa meus caros! A narrativa aqui alcança um outro nível, algo totalmente inesperado quando se toma como base o padrão de escrita da autora, a Audrey desenvolveu uma trama que exala medo e tensão e por isso ainda hoje sinto meu coração se apertar com as lembranças do que foi lido. Aqui a maioria dos personagens relevantes se encontram vulneráveis em todos os sentidos e o assunto que tanto sentimos falta no primeiro livro ganha destaque considerável, o passado de Gillian se revela através de fleshbacks perturbadores que comovem na mesma medida que indignam, e além disso temos acesso a um novo narrador, um homem misterioso e insano que trás para o enredo doses gigantescas de um suspense assustador.

6 de dezembro de 2017

Bate papo literário: Apreciadores vs acumuladores de livros

Hey amores!
Vamos conversar? O que vem a cabeça de vocês quando se fala em acervos particulares? Os colecionadores de livros podem ser associados a apreciadores, consumidores assíduos ou a acumuladores patológicos, e no meio disso tudo existem uma série de opiniões e ideias pré-concebidas a cerca destas pessoas. O fato é que o consumismo acompanha as grandes paixões e não vejo diferença no meio literário, claro que há casos e casos - odeio generalizações -, nem todo mundo sente o desejo insaciável de ter todos os livros que surgem em sua frente, mas convenhamos que é quase impossível para um fã, apreciador ou viciado em leitura não se ver nesse dilema constantemente. Como gosto de frisar, essa postagem se baseia única e exclusivamente em minhas experiências como leitora, as coisas que escrevo aqui são experiências que vivi e nem por isso espero que reflita os atos e gostos de toda a comunidade, okay? Dito isso, chega mais!

4 de dezembro de 2017

[Resenha] Corpo - Audrey Carlan

Olá chicos!
Algum órfão de A garota do calendário por ai? Admito que não tive uma experiência muito boa com a primeira série publicada aqui no Brasil dessa autora e que por isso tive muito receio em dar mais uma chance aos livros dela, mas como me recuso a desistir fácil do que quer que seja, cá estou eu para falar de mais uma série de Audrey Carlan. Trinity teve seu último livro publicado no exterior este ano, a série conta com cinco livros, onde os três primeiros focam na história de uma única protagonista, portando devem ser lidos na ordem de publicação, e os dois últimos que contam a história de suas irmãs de alma (falarei mais a respeito logo mais). Mesmo existindo a possibilidade de ler os últimos livro de forma independente recomendo que todos sejam lidos na ordem, pois a série segue uma cronologia e trás informações importantes que se completam a cada novo volume.

Corpo (Body)
Coleção: Trinity #01
Autor (a): Audrey Carlan @AudreyCarlan
Publicação: Verus *Cortesia
ISBN: 9999097354176 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2017
Páginas: 364
Minha avaliação: 2/5★
"Eu te amo. Eu te quero. Eu nunca vou te deixar." Gillian Callahan entra em pânico só de ouvir esse tipo de frase. Por anos ela viveu uma relação abusiva com seu ex-namorado violento. Agora ela está livre e segura, trabalhando para uma fundação de apoio a mulheres vítimas de violência - a mesma que a resgatou e salvou sua vida. Gillian não quer saber de homem nenhum. Até conhecer Chase Davis, o presidente da fundação. O bilionário é tão sexy e sedutor que Gillian fica sem chão. Chase sempre consegue o que quer - e ele quer Gillian. Agora ela terá de enfrentar a batalha entre o desejo e o medo. Gillian vai conseguir confiar em Chase? Ela está segura com ele? E quão perigoso pode ser um passado sombrio... não só o dela, mas o do homem que ela aprendeu a amar?
Quando soube que mais uma série da Audrey seria lançada no Brasil me vi dividida entre o medo de ter que enfrentar uma nova decepção e a ansiedade de descobrir o que essa nova história poderia me proporcionar. Decidi que daria uma chance, não me sentiria em paz em desistir sem nem mesmo tentar, então li e me frustrei mas não apenas isso. Dessa vez não é tão simples, não consegui amar e muito menos odiar esta trama, posso adiantar que fiquei em meio a um fogo cruzado, porque a temática sem sombra de dúvidas é relevante, a trama possui uma base sólida para ser desenvolvida, a narrativa segue fluída, mas a forma que a autora escolheu para nos apresentar a situação me soou meio que desconexa. Eu tenho sérios problemas de aceitar a visão de "sexualidade feminina" da autora, talvez este seja meu maior problema com suas histórias, não estou aqui criticando o direito das mulheres serem sexualmente ativas, terem múltiplos parceiros, sentirem-se excitadas ao estar com um homem atraente, nem nada do tipo. Me refiro a algo bem mais específico, como a irracionalidade da situação, não duvido que existam casos por ai, mas mesmo assim continuo achando excessivo e até mesmo exagerado o fato de uma mulher se submeter a situações desconfortáveis para dizer o mínimo, única e simplesmente porque está muito atraída pelo cara (ah! se eu não estivesse tão excitada não aceitaria esse tratamento grosseiro, invasivo e opressor, mas como ele é muito lindo vou fingir que nada está acontecendo). Por essas e por outras que para mim Corpo foi uma leitura ambígua.

2 de dezembro de 2017

[Resenha] Brumas do tempo - Karen Marie Moning

Hey peoples!
Vamos começar o mês com o pé direito? A primeira leitura de dezembro me deixou mergulhada em uma bolha de felicidade plena. Você já sabe que amo histórias protagonizadas por guerreiros Highlanders, não sabe? Claro que sim, aposto que já está até "careca de saber". Pois bem, tenha em mente que dentre os livros que abordam o tema, este foi o melhor que li esse ano, o que serviu para lavar a vergonha e a decepção que haviam me atingido após a leitura de Fúria domada, mas isso é uma outra história. Se você ama tramas compostas por guerreiros escoceses apaixonantes e mocinhas desafiadoras, seja bem vindo ao paraíso. Brumas do tempo é o primeiro livro da série Highlanders, composta por OITO livros, isto mesmo que você leu, não quatro, nem cinco mas oito livros (bendita Karen Marie Moning), TODOS já publicados no exterior. Esta é uma série bem antiguinha lá fora, o primeiro livro foi publicado originalmente a uns dezoito anos atrás e o último a mais de dez anos (nem acredito que demorou tanto pra chegar aqui, antes tarde do que nunca, né?). Enfim, vamos logo a resenha que estou ansiosa para compartilhar minha euforia.

Brumas do tempo (Beyond the Highland Mist)
Coleção: Highlanders #01
Autor (a): Karen Marie Moning @KarenMMoning
Publicação: Verus *Cortesia
ISBN: 9788576866145 | Skoob
Gênero: Romance +18
Ano: 2017
Páginas: 308
Minha avaliação: 5/5★
Um sedutor lorde escocês... Ele é conhecido no reino como Falcão, o lendário predador nos campos de batalha e na cama. Nenhuma mulher resiste ao seu toque, mas nenhuma jamais conseguiu mexer com o coração dele — até uma fada vingativa tirar Adrienne da Seattle dos dias de hoje e transportá-la para a Escócia medieval. Presa em um século que não é o seu, ousada demais, franca demais, Adrienne representa um desafio irresistível para esse conquistador do século XVI. Forçada a se casar com Falcão, Adrienne jura manter distância do marido — mas o poder de sedução dele vai destruir lentamente a determinação dela. Uma prisioneira no tempo... Adrienne tem o “não” na ponta da língua para o notório lorde escocês, mas Falcão jura fazê-la sussurrar seu nome com desejo, implorando que ele a incendeie de paixão. Nem mesmo as barreiras do tempo e do espaço o impediriam de conquistar o amor dela. Apesar das incertezas sobre seguir seu coração apaixonado, a hesitação de Adrienne não é páreo para a determinação de Falcão de mantê-la a seu lado.
Um livro que vai além das expectativas é um livro que sempre será lembrado. Eu quis ler esta história desde o instante que soube do seu lançamento, o motivo único e exclusivo é a temática abordada, o lance dos guerreiros highlanders ("pirikilt", lembram?), apesar de não ter me deixado convencer completamente pela sinopse, estava ansiosa para visitar a Escócia dos séculos passados pela visão da Moning, e olha que nunca havia lido nada dessa mulher. Eu poderia estar caminhando para um desastre sem tamanho mas me recusei a recuar, eu acreditei que esta história seria épica e ela foi além, me arrebatou completamente e não me largou nem mesmo depois de finalizada. Ah! Quantos sorrisos bobos e suspiros sonhadores no meio da madrugada, quanta vontade de me esconder em um canto solitário da casa para poder devorá-lo sem ser interrompida durante o dia. Sabe aquela sede por mais e mais que te atinge irrevogavelmente quando você está completamente preso em um mundo fictício arrebatador? Pois bem esta fui eu durante as doze horas que passei na companhia de Falcão e Adrienne em Dalkeith, porque eu estive lá, duvida?