25 de outubro de 2017

[Resenha] O príncipe corvo - Elizabeth Hoyt

Oi amores!
Hoje trago a resenha de um livro bafônico, O príncipe Corvo de Elizabeth Hoyt é o primeiro livro da Trilogia dos Príncipes, escrito por volta de 1970 foi um dos pioneiros no gênero, o que torna essa história ainda mais espetacular devido aos tabus que ele aborda (falarei disso mais adiante). Eis aqui senhoras e senhores uma obra completa e apaixonante, a autora além de trabalhar com maestria a força feminina, aborda a igualdade de gêneros e sexualidade. Quem leu a sinopse deve ter ficado tão curioso (a) quanto eu para descobrir até onde iria a "audácia" da jovem viúva Anna Wren, pois bem, se aconchegue e venha saber mais a respeito de um dos melhores livros de época que já li na vida.

O príncipe corvo (The Raven Prince)
Coleção: Trilogia dos príncipes #01
Autor (a): Elizabeth Hoyt @ElizabethHoyt
Publicação: Record *Cortesia
ISBN: 9788501109811 | Skoob
Gênero: Romance +18
Ano: 2017
Páginas: 350
Avaliação: 5/5★
Anna Wren está tendo um dia difícil. Depois de quase ser atropelada por um cavaleiro arrogante, ela volta para casa e descobre que as finanças da família, que não iam bem desde a morte do marido, estão em situação difícil. O conde de Swartingham não sabe o que fazer depois que dois secretários vão embora na calada da noite, – ele precisa de alguém que consiga lidar com seu mau humor e comportamento rude. Quando Anna começa a trabalhar para o conde, parece que ambos resolveram seus problemas. Então ela descobre que ele planeja visitar o mais famoso bordel em Londres para atender a suas necessidades “masculinas”. Ora! Anna fica furiosa — e decide satisfazer seus desejos femininos… com o conde como seu desavisado amante.
Meu primeiro contato com a escrita de Elizabeth Hoyt não poderia ter ocorrido de forma mais feliz, estou completamente apaixonada por todos os detalhes desse livro, desde a capa apaixonante que te obriga a admirá-la por horas, até a última palavra. Outro ponto bem interessante e que chama a atenção durante a leitura desse livro é a forma que a autora intercala duas história denominadas O príncipe corvo, a primeira é contada através de trechos dispostos no inicio de cada capítulo e faz referência ao livro que a protagonista está lendo enquanto a trama principal se desenrola e a segunda obviamente é a história da jovem viúva e do conde solitário na qual essa resenha se baseia. Achei interessantíssimas as analogias presentes em ambos os textos e me senti presenteada por poder conhecê-los. Sem sombra de dúvidas a autora chamou minha atenção e despertou meu interesse para suas obras.

Já faz alguns anos que Anna sente o peso da viuvez, definitivamente não é nada fácil para ela assumir as responsabilidades e cuidados do lar que normalmente caberiam ao "homem da casa", não por falta de vontade, dedicação ou competência mas sim pelas inúmeras dificuldades impostas pela sociedade em que vive, mesmo assim ela não se deixa abater e nem desiste de encontrar uma forma eficaz de ajudar a si e a sogra por quem se tornou responsável após a morte do marido. Sempre atenta a todas as possibilidades Anna agarra com as duas mãos a chance de tornar-se secretária do conde de Swartingham, até então um homem que devido a sua enorme discrição tornou-se quase que uma incógnita na região, poucos tiveram de fato a oportunidade de encontrar-se cara a cara com o tal conde, mas nem isso impede os boatos de rolarem soltos. Considerado um homem desagradável tanto na forma que se porta como em sua aparência, Edward fica estupefato ao dar de cara com Anna, a jovem que inicialmente lhe pareceu quase sem atrativo algum não demora a invadir seus pensamentos de forma pouco cavalheiresca, o levando a procurar meios "convencionais" aos lordes de tentar esquecê-la mesmo que por alguns dias. O que o conde nem ousa cogitar é que assim como ele Anna possui seus desejos a serem saciados e mesmo que pareça improvável ela correrá todos os riscos para conseguir satisfazê-los.

Minha "nossinhora" dos livros de época, como eu faço para expressar minha paixão extrema por essa história? Gente, vocês não tem noção do quanto esse livro é completo. Sem exageros eu posso afirmar que ele tem de tudo um pouco, o principal ingrediente é o bom e velho romance obviamente, mas nem de longe trata-se apenas disso, porém vamos por partes para não bagunçar o negócio, não é mesmo? Anna é uma personagem incrível, decidida e corajosa mas que também possui suas inseguranças (normal, né monas?), trabalhar para o conde é antes de tudo uma necessidade, ela precisa manter a casa em que vive com a sogra e como disse antes as oportunidades para ela não são as melhores, o fato do Lorde Swartingham se mostrar uma presença imponente não a fez sequer questionar seus objetivos, as dificuldades reais de Anna surgem quando ela começa a enxergar quem é o conde na realidade, Edward nada mais é que um homem solitário, e desde que toda a sua família foi acometida pela varíola, doença que matou seus pais e irmãos e marcou seu corpo de forma a deixá-lo quase que repugnante aos olhos da sociedade, ele sonha com o dia em que poderá constituir novamente seu lar, e nem mesmo o casamento que resultou em sua viuvez precoce conseguiu aplacar esse anseio. Conforme conhece melhor as dores e os dilemas do conde, é inevitável para Anna deixar-se envolver e embora ela perceba certa relutância por parte do Lorde em ceder a forte atração que começa a crescer entre eles, ela mais uma vez não deixará essa oportunidade passar, mesmo que ele nunca tome conhecimento dos seus planos e ações, Anna irá passar por cima da sociedade e arriscará sua honra para poder estar com Edward, mesmo que por apenas uma noite.

"Raiva. Anna sentiu raiva. A sociedade poderia não esperar o celibato do conde, mas certamente esperava isso dela. Ele, por ser homem, poderia ir a casas de má reputação e aprontar por toda a noite com criaturas sedutoras e sofisticadas. Enquanto ela, por ser mulher, deveria ser casta (...)"

Além de abordar a questão da sexualidade feminina que claramente vem sendo negligenciada a muitos anos a autora também descreve situações recorrentes em livros do gênero, como os arranjos matrimoniais visando o lucro da família da noiva e as restrições impostas pela sociedade as mulheres da época. Mas nem só de questões sociais viverá o livro, não é mesmo? Então falemos do romance e de seus componentes. Edward também se surpreendeu ao conhecer melhor a natureza de sua secretária, e tão logo ele passou a conviver com a jovem viúva pode perceber o quanto a subestimara, diferente de todas as jovens com as quais teve a oportunidade de conviver Anna demonstra que apesar de suas dificuldade não é uma donzela em busca de proteção, ela não se deixa oprimir e sabe muito bem defender seus questionamentos, mesmo que de forma impulsiva não se priva de rebater com afinco as observações do patrão, dona de uma confiança invejável ela mostra a que veio e embora lá no fundo ela tema prejudicar sua imagem, não se detém diante dessa barreira que lhe foi imposta. Forte e determinada ao mesmo tempo que dedicada e altruísta, essa é a viúva Anna Wren, que como um furacão trás novas possibilidades a vida solitária do conde de Swartingham.

O príncipe corvo, é uma história de descoberta e entendimento. Com uma narrativa magnífica Hoyt aborda de forma irreverente alguns temas relevantes e outros tantos que cumprem bem o papel de fazer o leitor suspirar por páginas sem fim. Além de uma história romântica trata-se de uma trama de sensualidade acentuada, com cenas bem descritas e que deixam muito pouco a imaginação. Também nos apresenta personagens desenvolvidos com maestria, portadores de histórias cativantes que despertam admiração e empatia do leitor, o conde e a viúva desafiam o óbvio e se revelam tão humanos quanto se é possível. De modo geral trata-se de uma leitura leve e descontraída, fácil de assimilar que diverte, entretém e trás um desfecho que mesmo sendo previsível aquece o coração de quem lê e torna impossível não desejar mais, em conjunto a isso temos um trabalho editorial admirável que torna a obra ainda mais atraente. A exemplo disto quero deixar registrado que já estou super ansiosa pela leitura dos próximos volumes que compõem a trilogia, estes por sua vez podem ser lidos de forma  independente sem que haja a necessidade de respeitar sua ordem de publicação.

9 comentários

  1. Oi, Del! Tudo bom?
    Eu fico super feliz em saber que você apreciou este livro! Adorei as capas desta série e o Grupo Editorial Record acertou em trazer esses livros para o Brasil! Bom, eu não sou muito fã de livros deste gênero, por ter uma passagem mais hot, então irei indicar para alguns amigos que gostam deste estilo literário! Sua resenha ficou maravilhosa!

    Allons-y,

    JUSTIFICOU ♡

    ResponderExcluir
  2. Essa é uma trilogia que quero muito ter na minha estante. O primeiro e segundo livro eu vi e eles são lindos. Em relação ao enredo... é um romance de época, impossível não ler e se apaixonar.
    Adorei a resenha Del, espero mesmo poder ler está trilogia.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oie, como vai?

    Primeiramente, sua resenha está linda e contagiante! A capa está linda demais, e foi uma das coisas que mais me chamaram a tenção na obra. Li faz algum tempinho e adorei a leitura. A Ana foi a personagem que mais gostei. A principio, a leitura não estava dando liga para mim, mas foi evoluindo de uma forma que terminei o livro amando demais.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, sua resenha ficou bem completa e foi uma das poucas deste livro que li tudo porque fiquei interessada, mas gosto de livros escritos em outros anos porque a visão é diferenciada e ao mesmo tempo bem atual e esta saga está sendo muito bem divulgada.

    ResponderExcluir
  5. Oi,

    Confesso que achei esse livro superestimado, pois quando fui lê-lo, encontrei tudo aquilo que existe em outros romances de época. Acabou que o livro foi bem medião. Mas eu entendo quem gostou, haha, alguns pontos são bem interessantes mesmo.

    Parabéns pela resenha, beijos.

    ResponderExcluir
  6. Como eu gosto de ser surpreendida....
    Confesso que em um primeiro momento quando vi as divulgações do livro eu passei longe, achando que esse era um que não entraria na minha lista de leituras. Conforme fui lendo sua resenha, fui me perguntando o porque de eu ter pensado isso. Adorei a premissa e o que você detalhou sobre a história. Fiquei mais do que curiosa em conhecer o trabalho da autora - e querendo muito o livro!!!!
    Com certeza entrou para a lista dos desejados! Espero logo conseguir ler - e gostar tanto quanto parece que você gostou :)
    Beijinhos,
    Lica

    ResponderExcluir
  7. Oii Delmara, tudo bem? Gostei muito da sua resenha! Esse livro é mesmo muito bonito, por dentro e por fora, com essa edição incrível. Eu adorei a história e a escrita da autora é ótima! Já estou com o segundo aqui e pretendo ler em breve :)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bom?
    Esse livro <3 Sou apaixonada pela escrita da Elizabeth Hoyt e é como você disse, além da autora levantar questões como a sexualidade feminina, casamentos arranjados e se encantar além das aparências, este ainda é um livro divertido, romântico e muito envolvente. Fiquei apaixonada pelos personagens da autora quando li e espero amar o último volume também *-* ps: acho que você vai amar o segundo! rs

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Gente, mesmo se o livro fosse ruim, olha essa capa!
    Super daria uma chance até sem ler a sinopse! E ouço muotos elogios a autora, por isso essa obra esta na minha lista desde quefoi lançada! Amei tudo que vc citou, só fiquei com mais vontade ainda de ler!!

    ResponderExcluir