Mais uma que se rende: Orgulho e preconceito

setembro 04, 2016
Oieee!
Sempre quis assistir a esse filme, me lembro vagamente de ter começado a fazê-lo, quando era mais nova e ainda não sabia absolutamente nada seu respeito, naquela época não cheguei a prestar muita atenção na trama e nem terminei de assistir. No entanto, com o passar do tempo, conforme ia tomando conhecimento da importância atribuída a essa obra em específico, da autora Jane Austen acabei ficando curiosa e desejosa de saber mais a respeito, então o que eu fiz? Corri para a livraria e comprei o livro, mas eu o li? Não, não li. Em parte por falta de vergonha na cara, admito. Mas o medo de me decepcionar, sempre foi o real motivo para uma procrastinação tão longa (mais de cinco anos). Depois de milhares de elogios a esse livro/filme e ao Sr. Darcy interpretado pelo gatíssimo Matthew Macfadyen, minhas expectativas foram infladas ao máximo, e eu definitivamente não estava preparada para lidar com um filme menos que ótimo. Por essas e por outras adiei o inevitável momento, que finalmente chegou. E já quero adiantar que como o título da postagem deixa claro eu me rendi a essa trama singela e apaixonante.


Inglaterra, 1797. As cinco irmãs Bennet: Elizabeth, Jane, Lydia, Mary e Kitty, foram criadas por uma mãe que tinha fixação em lhes encontrar maridos que garantissem seu futuro. Porém Elizabeth deseja ter uma vida mais ampla do que apenas se dedicar ao marido, sendo apoiada pelo pai. Quando o sr. Bingley, um solteiro rico, passa a morar em uma mansão vizinha, as irmãs logo ficam agitadas. Jane logo parece que conquistará o coração do novo vizinho, enquanto que Elizabeth conhece o bonito e esnobe sr. Darcy. Os encontros entre Elizabeth e Darcy passam a ser cada vez mais constantes, apesar deles sempre discutirem.


Antes de mais nada, quero externar os maus sentimentos que passei a nutrir pela mãe Bennet, considero ela o exemplo clássico de cabecinha de borboleta. Gente, eu entendo a situação dela, afinal cinco filhas é um número considerável para se arranjar casamentos, também consigo entender que esse era o costume da época e que casar bem as jovens da família e assegura-lhes um futuro confortável (financeiramente falando) era uma prioridade importante. Maaaas, a mãe Bennet é uma completa sem noção e muitas vezes sem escrúpulo algum, só se importando de fato com o que as pessoas iriam pensar dela e de sua família e em conseguir um par de calças endinheirado para sua prole. Isso me incomodou bastante e me fez querer desesperadamente ler o livro, preciso saber o que se passa na cabeça desse povo, pois apesar de ter percebido o quanto a matriarca da família pode ser desagradável e sem filtro, achei nítido o carinho que toda a família tem por ela, não consegui perceber nenhuma mágoa ou revolta por parte das filhas ou do marido diante dos devaneios dela (o tipo de coisa que é possível descobrir LENDO os pensamentos), e embora eu considere esse fato admirável (eles a aceitam e respeitam com todas as imperfeições), não deixo de achar surreal. Outro ponto que me incomodou foi a inércia do Sr. Bennet, poucas foram as vezes que fez uso de seu poder de chefe de família, inclusive se ele tivesse exercitado um pouco mais essa sua atribuição poderia ter evitado alguns inconvenientes.


Quando o assunto é Lizzie Bennet, posso dizer que amei tudo que diz repeito a ela, uma jovem inteligente, centrada e sem papas na línguas, que certamente estava a frente de seu tempo e se destacava por sua personalidade marcante, ao mesmo tempo em que se mostrava educada e coerente. Antes de prosseguir falando de Lizzie, quero fazer uma breve observação, não sei como ela é descrita no livro, mas durante o filme percebi que ela não era considerada uma jovem bonita, e que sua irmã Jane era a mais bela dentre as irmãs... Se for isso mesmo (e eu tenho quase certeza que sim), escolheram a atriz errada para fazer o papel de Elizabeth Bennet, pois considero a Keira Knightley um ser humaninho lindo, muito mais bonita que a Rosamund Pike (Jane). Voltando ao assum... Esperei pelo encontro de Lizzie e Darcy desde o primeiro instante (e já adianto que foram muito poucas as cenas deles juntos), apesar disso preciso confessar que não cai de amores pelo Mr. Darcy de imediato, seu ar sisudo e introspectivo quase que me fizeram antipatizar com o dito cujo, mas como resistir aos olhares e aos meios sorrisos do Matthew Macfadyen? Conforme fui absorvendo pequenos fragmentos de sua personalidade, percebi o quão deslumbrante esse personagem é, e a partir daí foi impossível não adicioná-lo a minha lista gigantesca de crushs.


Considero esse, um dos filmes mais enigmáticos que já assisti (posso estar errada), os atores tão expressivos deram a entender durante toda a trama que havia muito mais acontecendo por trás dos olhares e maneios de cabeça. Por isso eu quero ler esse livro desesperadamente, felizmente já tenho meu exemplar em mãos. Não consigo tirar da cabeça que a mente daquele povo possuía um turbilhão de informações que jamais foram verbalizadas.

Orgulho e preconceito é uma trama envolvente que retrata claramente as futilidades mais comuns da época, bem como trás a tona as limitações e preconceitos que as jovens não pertencentes a famílias abastadas eram frequentemente submetidas. E apesar da sua trama simples e previsível, é composto por elementos deveras atraentes, que lhe tornaram o queridinho de muitas gerações, e creio que continuará sendo. Até quando? Só o tempo irá dizer. 

9 comentários:

  1. Confesso que também não lia nem assistia Orgulho & Preconceito por medo de se decepcionar (já que sempre sou diferentona) mas depois desse post vou me render a trama, tenho certeza que também não irei gostar dessa personalidade da mãe, e até te entendo nessa parte de querer ler o livro para entender melhor. Vou assistir e tirar minhas próprias conclusões

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    Então, creio que assisti a esse filme, mas há muito tempo e também não me recordo de quase nada, porque era outra fase da minha vida. Então, estou louca para assistir novamente, com muita calma. O livro também não li, mas já comprei e estou no aguardo. Sempre leio tão bons comentários sobre essa obra, que preciso ler e matar minha curiosidade. Mas acredito que vou gostar muito. Delmara, sua resenha está perfeita! Beijos no coração.

    ResponderExcluir
  3. Oieee! Eu tenho o livro aqui há anos e também ainda não li. Acho que procrastinar é meu nome do meio rs. E o filme eu também tenho, e adivinha? Também não assisti ainda. Mas eu quero! E vc me deixou curiosa! Acho que vou me efeiçoar muito pela Lizzie <3 já não sei se vou gostar tanto assim do Sr. Darcy... Sei que ele é o crush de td mundo que conhece a história, mas eu tenho birra por alguns mocinhos de romances de época. Se eu gostar dele, venho te contar, viu? Hahaha. Me cobra! Vou tentar encaixar Orgulho e Preconceito nas leituras ainda desse ano! Né possível que eu adie mais!

    Bjoooo

    ResponderExcluir
  4. Tenho muito vontade de ler o livro da Jane Austen pois já vi esse filme e achei incrível, até porque eu amo romance de época, é tão hipnotizante e maravilhoso ♥ Gostei muito da resenha pois a riqueza de detalhes e emoções e opiniões transmitidas aqui, deu pra ver seu aspecto claramente sobre o filme e a história romântica ♥

    ResponderExcluir
  5. Já tinha ouvido falar várias vezes do livro Orgulho e preconceito e de outros da Jane, mas nunca me interessei, até que, este ano assisti a versão "modificada", Orgulho e preconceito e zumbis, o que me despertou o interesse pela obra original. Depois foi que descobri que tinha filme, assisti e me apaixonei muito, agora estou na pretensão de ler, tanto a versão clássica (e mais linda, com certeza), quanto a versão mais moderna, com os zumbis...

    ResponderExcluir
  6. Oi Delmara, eu também me rendi a essa história através desse filme e amei, mas não tive coragem e ler o livro ainda, ainda temo ser uma das poucas a não amar rsr. Keira Knightley, está ótima como Lizzie assim como Matthew Macfadyen sendo o Sr.Darcy, e realmente são tão poucas cenas dos dois, eu queria ver mais deles juntos (saiu uma cena deletada se não me engano deles dois depois do final que é possível achar no youtube, que é linda, vc viu?). Já tentei assistir outras adaptações, mas nenhuma me conquistou como essa, vale super a pena <3

    ResponderExcluir
  7. Já vi esse filme várias vezes e não me canso. O livro cheguei a começar a ler mas acabei parando por causa da faculdade.
    Já que gostou desse indico para você ver o Amor e Inocência (Becoming Jane).
    Boa leitura!

    ResponderExcluir
  8. Ganhei o livro Orgulho e preconceito do meu esposo e ainda não li, estou meio que adiando (acho que como algumas pessoas fazem com medo de se decepcionar com tudo, mas geralmente isso não acontece. A gente acaba gostando mesmo. hihihi. Bom eu vou aproveitar que meu esposo está com um tempinho livre e vou assistir o filme e depois ler o livro!

    ResponderExcluir
  9. nunca vi esse filme e nem li nenhum livro de jan, confesso que comecei a ler Persuasão mas eu achei uma escrita um pouco difícil (acho que só eu) kkk e fui direto para o filme. Orgulho e Preconceito deve ser muito bom principalmente o filme, minha amiga ama Sr.Darcy.


    Bjuss

    ResponderExcluir