30 de maio de 2016

Resenha #194 Relato de uma vida anônima

Oi pessoal!
Primeiramente quero pedir mil desculpas pelo sumiço, ando na correria com o bebê e não estou tendo tempo pra quase nada. Mas agora que aparentemente ele está entrando em uma fase mais calminha, corri aqui pra compartilhar com vocês a história desse conto. Ainda na novela tentando desencalhar os e-books do meu kindle, apresento Relato de uma vida anônima de Nanda Nascimento.


Titulo: Relato de Uma Vida Anônima
Autor(a): Nanda Nascimento
Editora: Amazon
Ano: 2015
N° de páginas: 09
Ela buscou o amor e encontrou o ódio, pediu ajuda encontrou o preconceito. Queria paz ganhou violência.
Diante do momento em que estamos vivendo atualmente no país, onde há um grande clamor pelos direitos das mulheres, ao mesmo tempo em que um grande número de "juízes" inflam o peito para declarar que essa classe a tanto tempo oprimida e massacrada é merecedora dos abusos que vem sofrendo, resolvi trazer a resenha desse conto. Primeiro porque me lembrou o momento atual e segundo porque mais uma vez me peguei pensando o quão relativa uma situação pode ser, não é mesmo? A verdade está nos olhos de quem a vê.

Nossa protagonista é uma anônima, tal qual o título do conto sugere, não conhecemos seu nome, características físicas ou psicológicas. Tudo é narrado através de um emaranhado de emoções. Ela sofre agressões físicas de seu esposo, companheiro e pai de seu filho (igualmente anônimo). O homem ao qual ela escolheu para amar e do qual esperou cuidado e carinho é viciado em drogas e quando se encontra sob influência de entorpecentes agride a esposa impiedosamente. Após mais uma sessão de violência, essa mulher destruída pela vergonha, se encontra diante dos julgamentos velados daqueles que deveriam lhe apoiar e direcionar. Sem muitas opções ela se vê pairando sobre a linha tênue que separa a esperança de uma vida melhor e o abismo do medo e da insegurança.

Já falei inúmeras vezes, mas nunca é demais repetir, não sou dada a generalizações, acredito que para toda regra há uma exceção e que nada é impossível de fato, só porque não conseguimos enxergar não quer dizer que não exista, e coisas desse tipo. Sendo assim, quando falo sobre violência doméstica e o fato de as mulheres serem vítimas constantes de abusos, me refiro exclusivamente aos casos "comuns", aqueles que temos conhecimento básico (e não aqueles que supostamente são "premeditados"?). 

Relato de uma vida anônima, trás justamente isso, uma mulher que apanha do marido e que vive o dualismo de amá-lo e odiá-lo, por quem ele foi e por quem ele se tornou, respectivamente. Infelizmente esse cenário é tão vergonhosamente comum que pouco se vê (eu nunca vi), grandes campanhas defendendo essa causa, afinal, ela está com ele porque quer ou quem manda ela não ter vergonha? Nos últimos dias tenho lido tanta coisa absurda que sinceramente, não sei nem o que pensar. Mas uma coisa é certa, é muito fácil julgar e apontar os erros alheios, olhar os fatos de fora e inventar mil teorias a respeito, decidir quem está certo ou errado e quem merece ou não atenção e cuidado, mesmo assim, nada garante que a sua versão dos fatos seja a certa, nada garante que embora faça todo sentido do mundo pra você suas divagação sejam reais. E se por fim, tudo for o que parece ser, quem pode afirmar com toda certeza que essa é a única verdade?

Então lendo esse conto minúsculo, narrado por uma vítima de agressão, eu me peguei pensando que, quem sou eu para julgar ou tentar interpretar o inferno de alguém? Existem milhares de mulheres e crianças que são vítimas de abusos diários e que por não estarem em evidência nas mídias da vida, não tem seus casos sequer lembrados, o anonimato lhes conferem o status de mera estatística, esquecidos eles vivem com seus estigmas a espera do dia em que poderão enfim se ver livres dessa realidade caótica. Pensem nisso!

|| Skoob || Compre: Amazon || Gênero: Conto ||

23 comentários

  1. Oi Delmara, eu fiquei bem curiosa sobre esse conto e que bom que você está conseguindo conciliar suas tarefas, o bebê e as leituras. A temática é polêmica e acredito que deve ser uma leitura válida. Vou procuras mais informações a respeito.
    Beijos, Fer (FECPRATES)

    ResponderExcluir
  2. Olá! A temática é bem pesada, hein? Acredito que por ser em forma de conto a leitura deve ser boa, caso contrário, infelizmente, deixaria de lado. A anônima vê alguma melhora em sua vida? Ou apenas detalha seu sofrimento mesmo? Acho muito triste histórias assim e fico mais triste ainda porque se que existem milhares de mulheres que ainda vive isso no dia a dia.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A anônima não chega a ver melhora,
      mas existe um fio de esperança de que isso possa acontecer algum dia.

      Excluir
  3. Eita, parece um livro bastante carregado. Não sei se teria emocional para le-lo, mas quem sabe algum dia eu arrisco. O legal é que por ser conto a leitura pode ser rapidinha. Obrigada pela dica. Beijos e um queijo!

    ResponderExcluir
  4. deve ser uma leitura impactante e que levanta questionamentos, acho o momento bem propício para se ler e discutir o conto... fiquei curiosa pra ler, mesmo em ebook... vou ver se compro pra ler no celular...
    bjs...

    ResponderExcluir
  5. Ah menina, esse conto apareceu no momento certo. Eu preferi não comentar nada sobre agressão no meu face ou dar opiniões porque, é como você disse, quem sou eu para julgar? Só conseguia pensar no sentimento da garota com tanta gente falando dela, tanta exposição de algo que, se fosse comigo, eu não ia querer ficar lembrando a cada clique no meu face ou canal de TV.
    As dores de viver dramas de violência devem ser terríveis, emocionais principalmente.
    Vou conferir o conto também, fiquei curiosa em como ela conseguiu manter o anonimato dos personagens.
    Beijo, Mari

    ResponderExcluir
  6. Oi Delmara, eu ainda não conhecia esse conto e confesso que não gosto muito desse tema, mas a sua resenha me deixou bem curiosa para saber o que acontece. Acho que a obra traz um certo impacto na leitura e isso é que me deixou interessada. Quando vi a capa já achei angustiante e vendo a resenha eu acredito que a leitura do conto também seja.

    ResponderExcluir
  7. Fiquei bem curiosa com o conto em função do link que você fez para a nossa atualidade. Acho que seria uma leitura pertinente e que traria uma boa oportunidade de reflexão. Já estou procurando o conto na Amazon.
    MEU AMOR PELOS LIVROS
    Beijos

    ResponderExcluir
  8. Bom fugir um pouco da realidade caótica. Gostei da premissa do livro e achei instigante não sabermos nada da personagem.
    Adorei seu blog.
    http://revelandosentimentos.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. OI Delmara, olha realmente a gente pensa como pode acontecer mas acabei conhecendo pessoas que sofrem com isso e continuam com a pessoa por causa de amor ou porque o cara faz com que elas se sintam culpadas ou que merecem, é uma coisa bem psicológica mesmo. É algo triste e verdadeiro. Ao que se parece é mais comum do que imaginamos.

    Beijos,

    Greice Negrini

    Blogando Livros
    www.blogandolivros.com

    ResponderExcluir
  10. Oi Delmara, tudo bem?
    Em um momento como esse que o tema está em foco, acredito que um conto como esse se encaixa bem. Concordo em como você expressou a sua opinião, quem somos nós para julgar? Infelizmente existem abusos, agressões e de fato nem metade das pessoas que cometem essas atrocidades são sequer responsabilizadas pelos seus atos. Acredito que o conto deve levantar questionamentos importantes sobre a causa, me interessei em lê-lo.
    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi Delmara,
    O que mais me chamou a atenção é o fato da protagonista não ter nome, o anonimato é o que resta para e muitas dessas mulheres que sofrem diversos tipos de abuso, as vezes podem está perto de nós e nem mesmo percebamos isso. E acho que o foco é muito mais mostrar o lado o psicológico do que o quem sou eu.
    Achei a proposta do conto interessante, mas não arriscaria ler nesse momento principalmente pelo frescor do assunto. Acho que as pessoas tem sido radicais de mais com suas opiniões e mesmo quando estão certas ou podem estar certas tentam impor isso de forma muito grosseiras as outras pessoas.

    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Oiee ^^
    Eu ainda não conhecia este conto, mas imagino que deve ser muito tenso e revoltante, mesmo contendo tão poucas páginas. É triste e revoltante (novamente) saber que milhões de mulheres e crianças passam por essa "situação" todos os dias, sem ter o apoio que merecem e sendo julgadas como se fossem culpadas por aquilo que recebem. E é ainda mais triste saber que a maioria dos criminosos que praticam tais atrocidades não são nem punidos :/
    MilkMilks ♥
    http://shakedepalavras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Ola Delmara esse tema é bem polêmico, para a mulher que sofre a violência e migra entre o amor e o ódio, vive também a esperança que foi só dessa vez, mas o fato se repete, julgar, apontar o dedo é fácil, para mudar é preciso coragem e muitas mulheres que são abusadas já perderam a coragem há tempos. Triste ver situações como essas é preciso buscar a coragem e esperança para essas mulheres. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  14. Eu acho muito bacana a sua ideia a respeito ainda mais oor não generalizar como um todo. Nem todo homem vai agredir sua mulher.... nem toda mulher vai sofrer algum tipo de violência doméstica. E essa generalização que vem ocorrendo entre algumas feministas me irrita profundamente.
    A mulher do conto no meu ponto de vista deveria dar um basta no sofrimento e indo embora com seu filho.
    Mas também não posso julgar como um todo pois não sei qual foi às situações que a levaram a aceitar a situação em que vive. È algo realmente muito triste.
    Bj

    ResponderExcluir
  15. Olá , ainda não conhecia o conto , mas agora faço questão de ler ainda mais por abordar um tema como esse . Sempre falou em meus comentários que gosto de pessoas que trazem a tona assuntos do dia a dia que muitas pessoas ignoram , sim ignoram muitas pessoas vêem, mas fingi que não vê . Adorei a proposta da autora .Parabéns por todas as suas palavras ditas acima faço delas as minhas também ! Parabéns por compartilhar isso com a gente vou ler em breve !

    ResponderExcluir
  16. Oi Delmara. Achei esse conto muito cativante e impactante. Eu indiquei essa leitura na escola graças a sua resenha. E como é um conto de poucas páginas, o professor disse que valia a pena ler. Bom, estou muito chocada com as coisas que você disse na resenha, pois como sou uma jovem que leio muitos livros de Ficção e Romance, ler um livro com agressão doméstica me trás de volta a realidade em que vivemos. Estou muito feliz, de ter lido esse conto, e isso só foi graças a você.

    Beijos

    ResponderExcluir
  17. Oi.
    Tudo bom?
    Não conhecia essa história, mas acho que lendo iria sentir falta de mais informações dos personagens para poder visualizar melhor a história.
    Violência doméstica é um tema bem atual e que virou moda dizer que é culpa da mulher.
    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Olá!
    Gostei da sua resenha, esses dias tenho lido mito comentários horríveis sobre o caso da menina que sofreu o estrupo, são coisas absurdas e as pessoas falam com tanta convicção que chega a assustar, principalmente quando vem de mulheres. Enfim, parece que estamos vivendo em outro mundo, as pessoas não pensam mais uma nas outras, só apontam o dedo e julgam. Gostei do conto e quero dar uma lida.

    Beijos!
    http://lovesbooksandcupcakes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  19. Olá...
    Gostei da sua resenha, e da sua opinião pessoal sobre o assunto, eu realmente não gosto de livro ou contos assim, uma amiga de muitos anos acabou casando com um colega do meu ex, eu conhecia ele e sempre frequentava a casa dela pois eles não tinham estabilidade e ela estava gravida, eu sempre tentei ajudar de qualquer forma, comprando algumas coisas aqui, outros remédios ali, foi ai depois de alguns meses que eu descobri que ele batia nela, nunca em lugares visáveis porem quando ela estava muito mal eu acabei vendo as marcas e ela confessou que estava com medo, não por ela mais pelo bebê, eu levei ela pra minha casa, arrumei um quarto e falei pra ela ficar comigo que eu cuidaria dela e do meu futuro afilhado (eu ia ser madrinha) ele veio buscar ela um dia depois e ela foi com ele, no outro dia tava cheia de marcas e eu desesperada pedi pra ela voltar pra minha casa, ou denunciar ele, o resultado foi que ele mandou ela parar de falar comigo e foi oque ela fez, se afastou totalmente, eu tentei ajudar pois temia pelo bebê, ela quase perdeu a criança, de qualquer forma eu fui forçada a me mudar na mesma época e depois voltando ao bairro em que eu morava lá estava ela com mais dois filhos e com algumas marcas no rosto, fiquei realmente triste por que ela não quis falar comigo com medo... deis desse episodio sempre fico muito deprimida ao ler estorias assim... Tento fazer minha parte contra a agressão da mulher de qualquer forma por que acho que nenhuma de nós merece um tratamento desse, ainda mais de uma pessoa que amamos...
    Beijocas...
    https://westfalllivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Oi Delmara, eu não conhecia o conto e agora adorei saber dele, com certeza vou lê-lo. Sabe que esse é um assunto polêmico e que está muito em alta no Brasil, infelizmente. As mulheres sofrem agressões dos companheiros e se sentem divididas e muitas vezes sem saber como agir, é triste isso. Acho que o conto vai expressar bem isso, amei a sua opinião e vou lê-lo!

    Beijos

    http://www.oteoremadaleitura.com/

    ResponderExcluir
  21. Olá!

    Acho uma boa contos pequenos assim para ler em uma fila de banco, naqueles pequenos tempinhos da correria dos dias!
    Esse não conhecia, vou até ver se não tenho (pq tenho mais de 1000 no Kindle rs). O tema é apropriado para a fase que vivemos. Me interesso muito, já que passei por isso em uma fase da vida. Mas claro, nem tudo que vemos é o que realmente acontece!

    Bjus
    Blog Fundo Falso

    ResponderExcluir
  22. Olá,
    Adorei o conto. Não conhecia ele e assumo que adorei a sua resenha. Abuso e agressão, são temas muito importantes e que acontecem diariamente. Inclusive, tenho uma amiga que passa por essa situação e tem medo de denunciar. Vou procurar o conto e tentar ler.
    Beijos,
    Delírios Literários da Snow

    ResponderExcluir