23 de novembro de 2016

[Resenha] Desejo Concedido - Megan Maxwell

Oieee!
O primeiro volume da série As Guerreiras de Megan Maxwell, é também o primeiro livro que leio da autora e consequentemente meu primeiro surto de amor pela escrita daquela que já conquistou inúmeros fãs. Uma experiência super positiva que me deixou desejosa de correr atrás do tempo perdido e ir em busca de todos os livros já publicados por ela, portanto Desejo concedido é aquela surpresa que mais uma vez expandiu meus horizontes e que acrescentou a minha lista mais uma escritora a ser acompanhada de perto.

Título Original: Deseo Concedido
Série: As guerreiras #01
Autor (a): Megan Maxwell @MeganMaxwell
PublicaçãoPlaneta de livros Brasil (Cortesia)
ISBN: 9788542207934 | Skoob
Gênero: Romance +16
Ano: 2016
Páginas: 464
Minha avaliação: 5/5★
Na Inglaterra do século XIV, após a morte dos pais, a jovem lady Megan Phillips, de vinte anos, segue uma vida tranquila, focada na educação e na criação de seus dois irmãos mais novos. Para fugir de um casamento arranjado por sua tia, Megan e a irmã, Shelma, vão para o castelo de Dunstaffnage, na Escócia, onde vive seu avô Angus de Atholl, do clã McDougall. Anos depois, durante o casamento de um de seus primos, Megan – uma mulher aguerrida, pronta a empunhar uma espada pra defender sua família e que não se dobra por nada e nem por ninguém –, conhece o temido guerreiro de olhos verdes Duncan McRae – um homem acostumado a liderar exércitos, mas que nunca esteve preparado para enfrentar o gênio forte de uma mulher. O destino trama contra (ou a favor de) Megan, que, contra a sua vontade, acaba se casando com Duncan. Conseguirão os dois se entender e seguir a vida como um casal feliz? Ou viverão às turras, como se estivessem num campo de batalha?
No século XIV a Inglaterra e a Escócia estavam em guerra, e obviamente havia uma tensão considerável entre esses dois povos, apesar disso era possível encontrar casais desafiando a hostilidade oriunda de uma guerra interminável e atravessando perigosas fronteiras na esperança de viver um grande amor, não antes é claro de enfrentar o repúdio e o descontentamento de sua própria gente e do país adversário. E é de uma dessas uniões improváveis que Megan e seus dois irmãos Shelma e Zac nasceram, filha de pai inglês e mãe escocesa, a jovem carrega em suas veias a união de duas nações rivais e devido sua natureza híbrida não conseguiu ser bem aceita na Inglaterra, país em que nasceu. Mas após a morte de seus pais, ser tratada como uma párea por quase todos ao seu redor torna-se o menor dos problemas de Megan.

22 de setembro de 2016

[Resenha] A garota do calendário, Abril - Audrey Carlan

Oieee!
Estava preparando uma outra resenha pra vocês, mas devido alguns imprevistos tive que adiá-la. Então vamos de garota do calendário? Já chegamos ao quarto volume (ainda faltam oito) e posso dizer que a cada livro gosto menos da protagonista (e da série). Mas Del porque você continua lendo essa série então? Vai saber né? No fundo nutro aquela esperança doentia de que algo de maravilhoso aconteça, além do mais os livros são extremamente curtos e consigo lê-los dentro de poucas horas. Sendo assim, sigo meu dilema de amor e ódio até quando não for mais possível. Sem mais delongas, confiram a resenha de A garota do calendário, abril.  

Título Original: Calendar Girl, April
Série: A garota do calendário #04
Autor (a): Audrey Carlan @AudreyCarlan
PublicaçãoVerus (Acervo pessoal)
ISBN: 9788576865193 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2016
Páginas: 160
Minha avaliação: 3/5★
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... O cliente de abril é o astro do beisebol Mason Murphy, de Boston, que precisa de Mia a seu lado para melhorar sua imagem com os patrocinadores. Mason não está acostumado a ouvir “não” de mulher alguma, e Mia vai representar o desafio supremo para ele.
Quando comecei a ler essa série a mais de um mês atrás, não imaginei que entraria no limbo em que estou atualmente. Sério gente, nunca quis tanto abandonar uma série como estou querendo abandonar essa, sabe a euforia inicial? Passou totalmente. Pra vocês terem uma ideia li esse livro assim que foi lançado, mas não tinha me animado a escrever a resenha até o momento, quanto aos demais livros comprei os e-books de maio e junho, mas não consigo me forçar a lê-los, nem sei se vou continuar comprando os físicos (talvez eu os compre apenas para não deixar a série incompleta na minha estante). O fato é que desenvolvi uma antipatia quase que irreversível pela Mia e quase tudo que ela fala ou faz me irrita, então já adianto que essa é minha tentativa extrema de ser imparcial com essa história.

16 de setembro de 2016

[Resenha] A garota perfeita - Mary Kubica

Oieee!
Preparado (a) para mais um triller psicológico? Então chega mais porque hoje é dia de A garota perfeita, uma leitura super comentada que adiei por tempo demais, mas como diz aquele ditado, "antes tarde do que nunca", não é mesmo? Um livro capaz de despertar no leitor não apenas os sentimentos contraditórios que os demais livros do gênero,mas que guarda em suas páginas algo mais. Quer ir além do que acreditamos ser certo ou errado? Ler através das pessoas e de suas ações? Descobrir o quão poderosas algumas motivações podem ser? E por fim, quer se envolver em uma trama que pode facilmente funcionar como um jogo de ilusão? Se a resposta para essas perguntas for sim, você está no lugar certo. Mas se por acaso respondeu não, para alguma ou todas elas, se aproxime e me deixe convencê-lo do contrário.

Título Original: The Good Girl
Autor (a): Mary Kubica @MaryKubica
Publicação: Planeta de livros Brasil (Cortesia)
ISBN: 9788542206814 | Skoob
Gênero: Suspense
Ano: 2016
Páginas: 336
Minha avaliação: 4/5★
Mia, uma professora de arte de 25 anos, é filha do proeminente juiz James Dennett de Chicago. Quando ela resolve passar a noite com o desconhecido Colin Thatcher, após levar mais um bolo do seu namorado, uma sucessão de fatos transformam completamente sua vida. Colin, o homem que conhece num bar, a sequestra e a confina numa isolada cabana, em meio a uma gelada fazenda em Minnesota. Mas, curiosamente, não manda nenhum pedido de resgate à familia da garota. O obstinado detetive Gabe Hoffman é convocado para tocar as investigações sobre o paradeiro de Mia. Encontrá-la vira a sua obsessão e ele não mede esforços para isso. Quando a encontra, porém, a professora está em choque e não consegue se lembrar de nada, nem como foi parar no seu gélido cativeiro, nem porque foi sequestrada ou mesmo quem foi o mandante. Conseguirá ela recobrar a memória e denunciar o verdadeiro vilão desta história?
É muito difícil conseguir prever alguma coisa tendo como base apenas a sinopse de um thriller psicológico, se você tentar é quase certo que irá errar feio, eu pelo menos nunca acerto, sendo assim nem me esforcei muito para capturar algo que fizesse sentido nesse mini textinho. E agora que li o livro, posso afirmar que essa sinopse não descreve nem a pontinha do iceberg. Acredito que assim como aconteceu comigo, certos questionamentos estão rondando a sua cabeça, pra começo de conversa, o que levou Mia a inventar de passar a noite com um desconhecido? Levar mais um bolo do namorado apenas, não me pareceu uma justificativa plausível e pra você? Além disso, o que aconteceu durante o tal sequestro que deixou a garota em um estado de choque tão profundo a ponto de afetar sua memória? E qual foi o motivo do sequestro mesmo? Esses e inúmeros outros questionamentos são respondidos no decorrer da trama que leva o leitor para um lugar ermo no fundo de sua própria mente.

15 de setembro de 2016

[Resenha] A sua espera - Abbi Glines

Volteiiiii!
Quanta saudade eu senti de vocês... Ficar sem internet é péssimo, acho que bati o record de ligações para os responsáveis técnicos que estavam enrolando o concerto da minha rede, mas felizmente deu resultado positivo e cá estou eu para falar de mais um livro da série (infinita) Rosemary Beach. Dessa vez a experiência foi positiva, primeiro porque o Mase não é um completo troglodita, apesar de vez ou outra agir como tal e a Reese, gente, essa garota passou por um drama bem pesado que me comoveu bastante. Ficaram curiosos? Então pode sentar que lá vem mais uma resenha caliente.

Título Original: When I'm Gone
Série: Rosemary Beach #10
Autor (a): Abbi Glines @AbbiGlines
Publicação: Arqueiro (Acervo pessoal)
ISBN: 9788580416169 | Skoob
Gênero: Romance +18
Ano: 2016
Páginas: 240
Minha avaliação: 3/5★
Mase sempre preferiu a vida simples em seu rancho no Texas à agitação do mundo do pai em Rosemary Beach. Na verdade, ele quase nunca visita o famoso astro do rock e Nan, sua meia-irmã mimada e egoísta. Mas tudo muda quando conhece uma das empregadas da casa, uma garota linda que, sem saber da presença dele, o desperta com seu canto desafinado. Depois de anos sendo maltratada pela família e pelos colegas por causa de um distúrbio de aprendizagem, Reese conquistou sua liberdade e mora sozinha trabalhando como diarista para as famílias ricas da cidade. No entanto, seu sustento fica ameaçado quando ela causa um acidente na casa de Nan Dillon. Ao ser salva por Mase, um rapaz atencioso e com charme de caubói, Reese fica surpresa pelo gesto dele e, depois, apavorada quando ele demonstra interesse nela. Nunca na vida Reese conheceu um homem em quem pudesse confiar. Será que Mase pode ser diferente? Nessa ardente paixão que nasce entre a doce e batalhadora Reese e o centrado e sexy Mase, Abbi Glines mais uma vez mescla tristezas da vida real com amores de contos de fada e nos faz suspirar até a última página.
Sim meus caros, a Nan voltou! Na resenha passada cheguei até estranhar sua ausência, mas parece que falei cedo demais, e para completar o pacote ela está mais venenosa que nunca. Mas deixemos a serpente ruiva de lado e foquemos no que realmente interessa, Mase Maning (vulgo cowboy tudibaum). Desde a primeira vez que li algo sobre esse personagem (nos livros anteriores) soube que ele tinha muito, mas muito a oferecer, só não sabia o que a autora faria para levá-lo até Rosemary Beach, afinal o cowboy texano não combina muito com nosso paraíso praiano, não conseguia ver nada que pudesse atraí-lo para lá, isso porque não atentei para o quanto Mase é ligado a Harlow, claro que em algum momento ele iria visitar a irmã caçula que ele tanto ama, né? Pois então, e não precisou muito para que ele se visse preso a Rosemary. Conhecer Reese foi inesperado, porém bem vindo. Não é segredo para os que acompanham a série que o filho de Kiro possui um coração gigantesco, sendo assim não foi surpresa alguma perceber o quanto ele se empenhou para ajudar Reese, uma jovem desamparada pela vida. Mas óbvio que essa não foi a única razão.

5 de setembro de 2016

[Resenha] A transformação de Raven - Sylvain Reynard

Oieee! Essa foi uma resenha extremamente difícil de se escrever. Primeiro não sabia por onde começar e quando finalmente o fiz, não conseguia controlar minha euforia em estar falando de uma leitura que gostei tanto e sempre acabava revelando demais, o que me levou a digitar e apagar esse post incontáveis vezes, nada parecia bom o suficiente e quando começava a ficar legal percebia que havia liberado spoilers importantes, então depois de horas tentando fazer uma resenha limpa e coerente, mas que transmitisse todo meu amor e admiração, cheguei a um resultado aceitável, mas bem pouco satisfatório (pelo menos pra mim), então desde já peço desculpas caso tenha deixado a desejar. 

Título Original: The Raven
Série: Noites em Florença #01
Autor (a): Sylvain Reynard @sylvainreynard
Publicação: Arqueiro (acervo pessoal)
ISBN: 9788580413861 | Skoob
Gênero: Ficção
Ano: 2015
Páginas: 448
Avaliação: 5/5★
Florença, o berço do Renascimento. Um lugar culturalmente fervilhante, perfeito para quem quer esconder segredos ou está em busca de uma segunda chance. Como a doce Raven, que se muda para a cidade na tentativa de esquecer os traumas do passado e se dedicar à sua maior paixão: a restauração de pinturas renascentistas. Um dia, voltando para casa do trabalho na Galleria degli Uffizi, sua vida muda para sempre. Ao tentar evitar o espancamento de um sem-teto, Raven é atacada. Sua morte parece iminente, mas seus agressores são impedidos e brutalmente assassinados. Assustada e prestes a perder os sentidos, ela só consegue vislumbrar uma figura sombria que sussurra: Cassita Vulneratus. Ao despertar, Raven faz duas descobertas perturbadoras: uma semana se passou desde o ocorrido e ela se transformou por completo. Quando volta ao trabalho, mais uma surpresa: alguém conseguiu burlar o sofisticado sistema de segurança da galeria e roubar a inestimável coleção de ilustrações de Botticelli sobre A divina comédia. Em busca da verdade, Raven cairá diretamente nos braços do Príncipe de Florença – tão belo quanto poderoso, tão sedutor quanto maligno –, que lhe apresentará um submundo de seres perigosos e vingativos, cujas leis ela precisa aprender depressa se quiser se manter viva e salvar os que a cercam.
Confesso que já havia me esquecido como é boa a sensação de se jogar em uma história do Sylvain, recentemente li o conto O príncipe das sombras que funciona como uma obra introdutória para essa nova série, mas que não foi capaz de me preparar para o que estava por vir. Quem leu minha resenha do livro anterior sabe bem o quanto fiquei frustrada com esse universo sobrenatural que baseia a série, e mesmo agora não posso dizer que houve alguma evolução nesse sentido. Mas em contrapartida comecei a enxergar o príncipe de Florença com outros olhos, o ser sombrio que exala ódio e poder, também possui outras faces que começam a se revelar.

4 de setembro de 2016

[Fora dos Livros] Orgulho e preconceito

Oieee!
Sempre quis assistir a esse filme, me lembro vagamente de ter começado a fazê-lo, quando era mais nova e ainda não sabia absolutamente nada seu respeito, naquela época não cheguei a prestar muita atenção na trama e nem terminei de assistir. No entanto, com o passar do tempo, conforme ia tomando conhecimento da importância atribuída a essa obra em específico, da autora Jane Austen acabei ficando curiosa e desejosa de saber mais a respeito, então o que eu fiz? Corri para a livraria e comprei o livro, mas eu o li? Não, não li. Em parte por falta de vergonha na cara, admito. Mas o medo de me decepcionar, sempre foi o real motivo para uma procrastinação tão longa (mais de cinco anos). Depois de milhares de elogios a esse livro/filme e ao Sr. Darcy interpretado pelo gatíssimo Matthew Macfadyen, minhas expectativas foram infladas ao máximo, e eu definitivamente não estava preparada para lidar com um filme menos que ótimo. Por essas e por outras adiei o inevitável momento, que finalmente chegou. E já quero adiantar que como o título da postagem deixa claro eu me rendi a essa trama singela e apaixonante.

PRIDE AND PREJUDICE
Lançado: 10 de fevereiro de 2006
Duração: 2h 07 min
Elenco: Keira Knightley, Matthew MacFadyen, Talulah Riley
Gênero: Romance
Avaliação: 4/5 🎬

Inglaterra, 1797. As cinco irmãs Bennet: Elizabeth, Jane, Lydia, Mary e Kitty, foram criadas por uma mãe que tinha fixação em lhes encontrar maridos que garantissem seu futuro. Porém Elizabeth deseja ter uma vida mais ampla do que apenas se dedicar ao marido, sendo apoiada pelo pai. Quando o sr. Bingley, um solteiro rico, passa a morar em uma mansão vizinha, as irmãs logo ficam agitadas. Jane logo parece que conquistará o coração do novo vizinho, enquanto que Elizabeth conhece o bonito e esnobe sr. Darcy. Os encontros entre Elizabeth e Darcy passam a ser cada vez mais constantes, apesar deles sempre discutirem.

Vamos a um breve adendo antes de começarmos a falar sobra essa obra incrível. Eu quero sempre que possível trazer as playlist dos filmes para vocês, mas nem sempre conseguirei trazer a versão original porque provavelmente ou ela não existe ou não está disponível no Spotify que é o meio que utilizarei aqui. Então esta aqui não é a trilha oficial do filme, a playlist não foi criada pela produtora, mas sim por um por um provável fã, composta basicamente por música instrumental é de uma delicadeza sem par e eu recomendo para quem curte música do tipo.

2 de setembro de 2016

[Resenha] Jogos Macabros - R. L. Stine

Oiee!
Esse é o livro que marca o retorno de Stine a Rua do medo, o “Stephen King da literatura juvenil”, ficou famoso na década de 1990 com a aplaudida coleção Rua do Medo e quase duas décadas depois do último volume, Stine atende aos pedidos dos leitores e lança o livro inédito Jogos macabros, publicado no Brasil pela Globo Alt. Querem saber do que se trata? Então chega mais!

Título Original: Party games
Série: Rua do medo #52
Autor (a): R. L. Stine @RL_Stine
Publicação: Globo Alt (Cortesia)
ISBN: 9788525060402 | Skoob
Gênero: Terror
Ano: 2016
Páginas: 280
Avaliação: 5/5★
Tal como os outros títulos da coleção, a história se passa na velha cidade de Shadyside, nos EUA, conhecida por ser palco de acontecimentos misteriosos e aterrorizantes envolvendo os alunos da escola local. Todos na região conhecem a excêntrica e rica família Fear, e sabem também do passado terrível que os assombra. Apesar desses histórico nada promissor, Brendan Fear parece ser um garoto diferente de sua família. Gentil e simpático, o jovem vive rodeado de colegas e chama a atenção de Rachel Martin, uma garota simples, colega de classe dele. Quando o aniversário de Brendan está prestes a chegar, ele começa a planejar uma comemoração um tanto diferente na isolada ilha do Medo, onde existe um casarão de veraneio pertencente à família Fear. Rachel é uma das convidadas para passar o final de semana no local sombrio e, contrariando os avisos dos amigos, decide ir. No caminho, coisas estranhas já começam a acontecer e, ao chegarem à mansão, Brendan dá as coordenadas para o início de um jogo que se revelará o mais mortal de todos.
As inúmeras histórias assustadoras que rodam a família de Brendan não foram capazes de diminuir o interesse crescente que Rachel nutri pelo rapaz, muito pelo contrário, a paixonite platônica ganha força quando Brendan convida Rachel para seu aniversário de dezoito anos. Ignorando os conselhos da melhor amiga e do ex-namorado, Rachel embarca rumo a ilha do medo (nome bem sugestivo, né?), onde a família do rapaz possui um casarão (bem sinistro por sinal). Mas não demora muito para que o grupo de amigos se depare com acontecimentos assustadores, que fazem referência a jogos comuns, mas que nesse atual contexto, põem em risco a vida de todos. A partir daí começa uma corrida desesperada pela sobrevivência. Assolados por um medo desesperador e pela incerteza da sobrevivência Rachel e seus amigos irão vivenciar uma noite de aterrorizantes pesadelos.

31 de agosto de 2016

Resumo do mês: Leituras de Agosto

Oieee! 
Pensaram que eu tinha sumido?? Então, estava na correria por aqui e acabei não conseguindo postar nesses últimos dias. Mas continuei lendo, e por isso se preparem que tem muitas resenhas legais para o mês de setembro. Querem saber o que está por vir? Então deem só uma olhada nas minhas leituras de agosto e confiram os títulos maravilhosos que serão assunto no blog nos próximos dias.

26 de agosto de 2016

Conheçam: Jogos Macabros de R. L. Stine

Oieee!
Quem aqui é apaixonado por aquele típico suspense que faz seu coração sofrer mini infartos no decorrer da leitura? Eu não, mas mesmo assim volta e meia me deixo fisgar por algo do gênero, e desfruto da sensação de desvairo onde a adrenalina pulsa nas veias e o coração parece que vai sair pela boca. É extremamente revigorante, se você não experimentou ainda, sugiro que tente, pelo menos uma vez. E isso é o que nos traz ao post de hoje, acabei de ler Jogos Macabros e estou super animada para falar dele pra vocês, chega mais e vamos conhecer um pouco mais sobre esse triller super tenso e eletrizante.

24 de agosto de 2016

[Resenha] A herdeira da morte - Melinda Salisbury

Oieee!
Esse livro está descaradamente furando a fila das resenhas, isso porque eu não podia esperar nem mais um minuto sequer para falar dele com vocês. Eu estou destruída com essa trama... Pra começo de conversa, mais uma vez eu andei shipando o casal errado (definitivamente eu não levo jeito pra isso). Mas vamos deixar esse detalhe de lado e falar dessa história incrível. Quem me acompanha sabe bem que não costumo ler todo tipo de fantasia, na verdade eu uso o gênero para sair da minha zona de conforto e diversificar o conteúdo aqui no blog, e o mais maravilhoso disso é que eu quase sempre acerto nas minhas escolhas, que ocorrem de forma aleatória, sem nenhum critério específico. Dito isso, leiam a resenha do melhor livro de fantasia que li esse ano.

Título Original: The Sin Eater's Daughter
SérieA Herdeira da Morte #01
Autor (a): Melinda Salisbury @MESalisbury
Publicação: Fantástica Rocco (Acervo pessoal)
ISBN: 9788568263327 | Skoob
Gênero: Fantasia
Ano: 2016
Páginas: 320
Minha avaliação: 4/5★
Twylla tem 17 anos, vive num castelo e, embora seja noiva do príncipe, não é exatamente um membro da corte. Ela é o carrasco. Primeiro de uma surpreendente série de fantasia, Herdeira da Morte conta a história de uma garota capaz de matar instantaneamente qualquer pessoa que ela toca. Até mesmo seu noivo, cujo sangue real supostamente o torna imune ao toque fatal de Twylla, evita sua companhia. Porém, quando um novo guarda chega ao castelo, ele enxerga a garota por trás da Deusa mortal que ela encarna, e um amor proibido nasce entre os dois. Mas a rainha tem um plano para acabar com seus inimigos, e eles incluem os dons de Twylla. Será que a jovem se manterá fiel a seu reino ou abandonará tudo em nome de um amor condenado?
Twyla foi resgatada da pobreza e de seu lar miserável aos quatorze anos e desde então tem servido a rainha e ao seu reino. Considerada por todos a encarnação de uma deusa, ela possui a função de punir os traidores da coroa, com o toque da morte. Resignada e obediente ela cumpre sua missão sempre que solicitada, mesmo que o amargor do veneno que está sobre sua pele, tome conta da sua vida e dos seus pensamentos dia após dia. Três anos após sua chegada ao reino, Twyla, não é mais aquela garota faminta e deslumbrada, aos dezessete anos ela carrega o peso de muitas mortes em suas mãos e em sua consciência e como consequência alimenta a infelicidade de possuir um destino que já foi traçado por terceiros. Sujeita as vontades e caprichos de uma rainha má (e louca de pedra), ela vê seus dias se encherem de cor com a chegada de Lief, um rapaz cheio de vida, designado para sua guarda. Não demora muito para que a jovem se sinta acolhida pelo olhar amável e o sorriso cativante de Lief, mas com o bálsamo vem o desespero de que essa aproximação possa ser vista como uma traição a rainha e ao príncipe Mereck (herdeiro do trono e noivo de Twyla), e se assim for, a pele venenosa da garota e a impossibilidade de toque, será o menor dos problemas desse "possível" casal.

19 de agosto de 2016

[Resenha] Sedução - Nicole Jordan

Oieeee!
Hoje vamos falar do primeiro volume da série Notorious de Nicole Jordan, que teve sua segunda edição publicada recentemente pela Ed. Planeta de livros Brasil, através do selo Essência. As novas capas dessa série foram o principal atrativo que me levaram a desejar tê-la na minha estante, isso associado a curiosidade que sempre tive de conhecer a escrita da Nicole, é claro. Agora que conheço posso afirmar que essa mulher tem um talento capaz de derrubar forninhos.

Título Original: The Seduction
Série: Notorius #01
Autor (a): Nicole Jordan @BrittainyCherry
Publicação: Essência (Cortesia)
ISBN: 9788542206753 | Skoob
Gênero: Erótico + 18
Ano: 2016
Páginas: 336
Minha avaliação: 3/5★
Lord Damien Sinclair dedica seu tempo a seu próprio prazer - o que pode ser resumido em duas palavras: jogos e mulheres. Mas essa rotina muda quando sua irmã, Olivia, sofre um acidente em uma situação comprometedora, que pode colocar em risco a sua honra. Damien estava disposto a acabar com Aubrey, o nobre que a teria ferido, mas não esperava encontrar um obstáculo tão... sedutor: Vanessa Wyndham, a irmã do rapaz. Ela se oferece para cuidar da inválida Olivia, e assim poupar a vida do irmão. Damien aceita, mas com uma condição: ela também teria de ser sua amante. Nesse romance de intriga e sedução, a autora explora sentimentos que nem sempre são revelados. Será que os corações escaparão ilesos quando o acordo for posto em prática?
Damien Sinclair, nunca se preocupou em disfarçar sua fama de libertino, dedicado a satisfazer seus prazeres ele passou boa parte da vida visitando salões de jogos, bordéis e metido em escândalos, o que nem de longe o tornou inapto para o casamento aos olhos da sociedade, muito pelo contrário, as jovens e suas mães embarcaram em uma caçada ao pote de ouro, afinal quem seria a jovem capaz de fisgar e aprisionar o coração de um dos maiores libertinos (rico, muito rico por sinal) de Londres? Damien se vê obrigado a mudar de postura (pelo menos temporariamente), quando sua irmã caçula sofre o infortúnio de ser atraída e enganada por um calhorda, o que ocasiona um acidente que resulta na invalidez da jovem. O tal calhorda é ninguém mais ninguém menos que o irmão de Vanessa Wyndham, uma viúva determinada que fará o impossível para proteger sua família dos anseios de vingança de Damien.

18 de agosto de 2016

[Resenha] A Garota do Calendário, Março - Audrey Carlan

Oi pessoal!
E lá vamos nós para o terceiro livro da série A garota do calendário. Depois da extrema decepção que tive com o livro anterior, admito que cogitei seriamente em abandonar a série. Mas, aparentemente minha determinação é bem maior do que eu imaginava, e por isso resolvi dar uma chance a essa história, o que acabou restaurando, pelo menos por  hora, meu desejo de ler todos os livros. Felizmente, Março trouxe uma trama atraente e tornou possível ao leitor da série desintoxicar-se da forçação de barra de fevereiro.

Título Original: Calendar Girl, March
Série: A garota do calendário #03
Autor (a): Audrey Carlan @AudreyCarlan
Publicação: Verus (Acervo pessoal)
ISBN: 9788576865186 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2016
Páginas: 144
Minha avaliação: 3/5★
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Mia vai passar o mês de março em Chicago com o empresário Anthony Fasano, que a contrata para fingir ser noiva dele. A princípio Mia não entende por que um homem tão lindo e másculo precisa de uma falsa noiva.
Em Março, Mia é enviada para Chicago, onde irá se passar pela namorada de Anthony Fasano, um empresário notável em mais de um aspecto. Como já é de praxe ela fica hospedada na casa de seu cliente pelo período aproximado de um mês, tempo suficiente para que ela possa se inteirar dos dramas vividos por Tony, que por ser membro de uma família italiana tradicional, e herdeiro de uma rede super famosa de restaurantes, lida diariamente com as pressões e responsabilidades impostas por sua posição. Além de gerenciar um negócio próspero, ele enfrenta as cobranças constantes, para encontrar uma esposa que possa gerar seus herdeiros, e é pensando em ganhar tempo e aliviar um pouco o peso dessa imposição feita pela sua família, além de manter em segredo o motivo pelo qual ele não possui uma namorada de verdade, que Anthony apresenta Mia, como sua noiva, para o clã Fasano. Pela primeira vez até aqui, Mia irá questionar-se quanto a possibilidade de não conseguir cumprir com seu trabalho. Seria ela capaz de convencer os italianos questionadores de que está apaixonada pelo membro mais querido da família?

15 de agosto de 2016

[Fora dos livros] O quarto de Jack

Olá queridhêeenhos!
Esse mês eu estou uma coisa... Se vocês prestarem bastante (nem precisa tanta assim) atenção nas postagens até aqui, vão perceber um padrão bem nítido entre elas, a começar pelas resenhas de gênero unânime, juro que não fiz de propósito e já estou trabalhando para concertar, e além disso há é claro, o meu lado mais falante e por fim a Del cinéfila claramente atacada (ahhh! Essas fases), isso porque ando assistindo filmes que me trazem bons questionamentos, dos quais não consigo parar de falar. Vocês já perceberam onde quero chegar, não é mesmo? Então é isso galera, hoje vamos falar de mais um filme que mexeu comigo e que quero muito conversar a respeito. Chega mais e vamos falar sobre O quarto de Jack.

ROOM
Lançado: 18 de fevereiro de 2016
Duração: 1h 58min
Elenco:  Brie Larson, Jacob Tremblay, Joan Allen
Gênero: Drama
Avaliação: 4/5 🎬

O quarto de Jack, conta história de Joy e seu filho Jack (de apenas cinco aninhos), que são mantidos em cativeiro dentro de um quarto, o único contato que ambos tem com o mundo exterior, é oriundo das visitas do velho Nick (nome que Joy deu a seu sequestrador e carcereiro). Quando Joy enfim percebe que não está obtendo sucesso em suas tentativas para tornar tolerável a estadia no cativeiro, ela bola um plano de fuga, no qual Jack será uma peça fundamental.

Apesar de ter o livro aqui em casa e inclusive já ter até iniciado a leitura, eu não estava preparada pra esse filme. A carga dramática por si só já me envolveu completamente, mas a tensão... Gente, sem mentira nenhuma, não consegui relaxar um minuto sequer até os créditos começarem a rolar. Já de cara me vi atraída pela premissa que prometia muitas emoções, mas nem em mil anos eu ia conseguir imaginar tudo o que estava por trás das poucas palavras que descreviam a obra em sua sinopse. Baseado no livro "Quarto", de Emma Donoghue, que foi publicado pela Ed. Record aqui no Brasil, e dirigido por Lenny Abrahamson, O quarto de Jack é um suspense que transborda encantamento e delicadeza.

11 de agosto de 2016

[Resenha] O ar que ele respira - Brittainy C. Cherry

Olá amorecos!
Esse mês eu estou em uma vibe só... Nem tinha percebido isso até ler um comentário na última resenha, prometo que já estou providenciando ler outros gêneros para variar. Pode até parecer, mas nem sou tão fã de new adult assim, apesar disso, tenho um negócio com esse tipo de leitura que quando começo não consigo mais parar. Enfim, O ar que ele respira, é bem mais tranquilo do que os que eu postei até agora, então fiquem tranquilos porque a Brittainy criou uma obra que trás muita coisa legal.

Título Original: The Air He Breathes
Série: Elementos #01
Autor (a): Brittainy C. Cherry @BrittainyCherry
Publicação: Record (Acervo pessoal)
ISBN: 9788501075666 | Skoob
Gênero: Romance
Ano: 2016
Páginas: 308
Minha avaliação: 3/5★
Como superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por trás do ser intratável, há um homem devastado pela morte das pessoas que mais amava. Elizabeth tenta se aproximar dele, mas Tristan tenta de todas as formas impedir que ela entre em sua vida. Em seu coração despedaçado parece não haver espaço para um novo começo. Ou talvez sim.
Tristan viveu uma vida plena e feliz ao lado de sua esposa e filho, mas um acidente causou a morte de ambos e destruiu o coração do rapaz, tornando-o um homem quebrado e sedendo por solidão, ao se refugiar em Meadows Creek (uma cidadezinha do interior), ele conseguiu se afastar de quase tudo que pertencia a vida feliz que perdeu, menos é claro das suas próprias lembranças, que tornavam cada vez mais dolorosa a ferida que crescia em sua alma. Em meio a essa realidade caótica Tristan conhece Elizabeth, uma mulher que assim como ele enfrenta a dor de uma grande perda, ela ficou viúva a um ano e desde então tem tentado sem muito sucesso juntar os caquinhos e retomar sua vida, com Emma, sua filhinha de apenas cinco anos para cuidar, Elizabeth não tem muitas opções além de ser forte e seguir em frente. A aproximação entre essas duas almas devastadas ocorre de forma caótica, mas conforme suas dores são expostas, torna-se inevitável o surgimento de uma forte ligação, que poderá levá-los a destruição definitiva ou ao tão merecido recomeço.

10 de agosto de 2016

[Fora dos livros] Como eu era antes de você

Genteeee!
Eu preciso falar! Quero pedir licença aqui pra falar de um assunto que já está mais batido que a minha vitamina de banana. Eu tinha prometido pra mim mesma que não, eu não iria falar desse filme, até porque todo mundo já falou e eu sei, gente eu sei mesmo que vocês estão carecas de saber tudo que acontece. Tenho certeza que até quem não assistiu ao filme ou leu o livro já sabe de cór cada detalhe, isso porque os spoilers foram e continuam sendo generosos e podem ser vistos em todas as plataformas possíveis. Mesmo assim eu quero falar, tá? Prometo que serei breve, e quem sabe aborde alguns pontos novos (ou talvez menos falados).

ME BEFORE YOU
Lançado: 16 de junho de 2016
Duração: 1h 50min
Elenco: Emilia Clarke, Sam Claflin, Janet McTeer
Gênero: Romance
Avaliação: 4/5 🎬

Então, quem não conhece a história (se é que existe alguém no mundo), Como eu era antes de você nos apresenta Louisa Clark uma mulher excêntrica (no mínimo), que após ser demitida do seu último emprego se vê aceitando a vaga de cuidadora de Will Traner, um jovem que a dois anos lida com tetraplegia, resultado de um atropelamento. Will vive mergulhado na infelicidade de viver uma vida limitada e Lou recebe o encargo de trazer cor ao mundo cinza do rapaz (uma tarefa nada fácil, diga-se de passagem). Aos poucos Lou consegue se aproximar de Will e podemos entender tudo ou pelo menos uma boa parte da dor constante a que ele está refém. Juntos eles compartilham momentos de melancolia, felicidade e tristeza, a vida desses dois opostos se cruzam em um momento decisivo para ambos e depois dessa convivência meio que forçada nada será como antes, sonhos são construídos e despedaçados, novos caminhos e possibilidades são descobertos e aproveitados, decisões irreversíveis e extremamente dolorosas são tomadas. Em Como eu era antes de você uma história de amor, amizade e renúncia você encontrar mais de um motivo para chorar ou se indignar e aprenderá que não importa o que aconteça o respeito as decisões alheias não lhe priva de sentir sua própria dor.

Antes de começar a falar o que achei desse filme, quero deixar claro que essa postagem não se trata de um crítica, nem nada do tipo, só gostaria de conversar um pouquinho sobre minhas percepções a cerca da obra, okay? Então apertem o play dessa playlist diva e vamos lá!

9 de agosto de 2016

Bate papo literário: Sobre o discurso de valorização

Hey pessoal!
Finalmente resolvi me posicionar sobre o assunto do momento (será que ainda é?), no meio literário nacional. Vocês já ouviram falar da hastag #VALORIZEOBOOKTUBER? Tenho certeza que quem acompanha o youtube e o twitter sabe (nem que seja superficialmente) do que eu estou falando. Quem não sabe ainda, ou quem deseja saber o que eu penso a respeito, chega mais porque vamos conversar. Antes de mais nada quero deixar claro que não estou julgando ninguém, essa postagem tem o objetivo exclusivo de expressar minha opinião acerca do assunto e talvez não seja condizente com a realidade, mas é o que percebi e senti em relação ao "movimento". Não sou uma utilizadora assídua da plataforma youtube, na verdade eu quase nunca assisto vídeos por lá e já faz muito tempo que não penso e nem tenho vontade de ter um canal. Isso porque não me identificava com o formato de apresentação, não conseguia me imaginar falando para uma câmera ou algo do tipo.

8 de agosto de 2016

[Resenha] Para sempre minha - Abbi Glines

Oieee!
E mais uma vez, estou aqui para falar de um livro da interminável série Rosemary Beach. Quem me acompanha sabe muito bem o quanto sou refém dos livros da Abbi, e mesmo lendo mais do mesmo, lançamento após lançamento, ainda não consegui me libertar desse povo. Fazer o que, né? Cada um faz o que pode com o que tem. E o que temos pra hoje é mais um new adult clichê. Ah! Antes que eu me esqueça, sou completamente cuidadosa com a liberação de spoilers, porque sei que tem muitos leitores que se incomodam bastante com isso, e até aqui acredito que minhas resenhas não trouxeram nenhum (ou quase nenhum), mas nessa aqui não deu pra evitar, ta pessoal? Por favor, não me odeiem, afinal são nove livros interligados direta e indiretamente e a essa altura do campeonato não tem como falar dos demais personagens sem liberar spoilers dos outros livros, pois os secundários desse, são protagonistas dos outros, mesmo assim tomei muito cuidado e falei muito pouco, mas se não quiser arriscar, basta pular o penúltimo parágrafo.

Título Original: You Were Mine
Série: Rosemary Beach #09
Autor (a): Abbi Glines @AbbiGlines
Publicação: Arqueiro (Acervo pessoal)
ISBN: 9788580415773 | Skoob
Gênero: Romance +18
Ano: 2016
Páginas: 256
Minha avaliação: 2/5★
Alguns dos jovens de Rosemary Beach consideram Tripp Newark um herói. Há oito anos, ele abandonou uma vida meticulosamente planejada pelos pais para conquistar a independência. Pilotando sua Harley, Tripp desapareceu da cidade para viajar pelo mundo. E essa decisão o fez perder muito mais do que os milhões que herdaria. Bethy Lowry está vivendo o pior momento de sua vida. Há um ano e meio, Jace, seu namorado, morreu afogado ao salvá-la de uma forte correnteza. Sofrendo um período turbulento e ainda consumida pela culpa, ela vive sua rotina de maneira automática, com a certeza de que nunca mais voltará a amar. No entanto, sua vida está prestes a mudar. Quando tinha apenas 16 anos, Bethy teve um tórrido romance com Tripp, que é primo de Jace. Esse segredo continuaria enterrado para sempre se não fosse por um detalhe: Tripp Newark está de volta e determinado a reconquistá-la.
Tripp Newark sempre soube o que não queria ser, cansado da vida fútil que levava e decidido a não se render as imposições do pai que queria obrigá-lo a assumir os negócios da família ele traçou um plano, aquele seria seu último verão em Rosemary Beach, uma espécie de despedida da vida que não desejava, e quando o verão chegasse ao fim ele viajaria o mundo sem olhar pra trás. Mas o destino decidiu intervir, e o que já era uma decisão acertada acabou provocando reviravoltas inesperadas. Após cinco anos de andanças sem destino, Tripp está de volta a Rosemary, assim como sua partida, seu retorno tem objetivo certo, ele precisa concertar algo que está quebrado em sua vida, e sua felicidade depende do sucesso dessa nova missão, que ele pretende desempenhar com afinco, leve o tempo que for. Maduro o suficiente para não desejar fugir das dificuldades que se apresentarão Tripp irá reviver dores que marcaram não apenas a sua alma, mas também a da jovem Bethy Lowry, que após ser destroçada por uma perda irreparável será obrigada a encarar de frente os sentimentos controversos do seu passado, que apesar de presos em um coração machucado permanecem vivos e desejosos de liberdade.

4 de agosto de 2016

[Resenha] A garota do calendário, Fevereiro - Audrey Carlan

Oiee!
Estou super atrasada com a leitura dessa série, sendo assim, decidi devorar todos os livros conforme for conseguindo adquiri-los, pois tenho em mente que se ficar pra trás nessa série de DOZE livros, não irei terminá-la tão cedo. Tudo bem, eu sei que os livros são curtinhos e tals, mas mesmo assim, sei que não vou consegui ler depois de ser bombardeada por spoilers, isso porque essa tem sido uma das séries mais comentadas nos últimos meses. Então preparem-se pois ainda estou decidida a levar esse negócio até o fim HAHAHA. 

Título Original: Calendar Girl, February
Série: A garota do calendário #02
Autor (a): Audrey Carlan @AudreyCarlan
Publicação: Verus (Acervo pessoal)
ISBN: 9788576865070 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2016
Páginas: 135
Minha avaliação: 2/5★
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.  Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Em fevereiro, Mia vai passar o mês em Seattle com Alec Dubois, um excêntrico artista francês. No papel de musa, ela vai embarcar em uma jornada de descobertas sexuais e lições sobre o amor e a vida que permanecerão com ela para sempre.
Em fevereiro Mia desembarca em Seatle, onde conhece o seu segundo cliente, Alec Dubois, um artista renomado que transborda charme e excentricidade. Diferente de Wes (o cliente anterior) Alec não pretende desfilar a beleza da beldade por seu circulo social, muito pelo contrário o workholic está extremamente empenhado em um projeto artístico no qual terá Mia como musa. Decidida a desfrutar ao máximo de todas as experiências que essa nova fase de sua vida pode lhe proporcionar a jovem mais uma vez irá sentir seu mundo se abalar, dessa vez ela irá aprender que existem as mais variadas formas de amar e de ser amada.

2 de agosto de 2016

[Resenha] A garota do Calendário, Janeiro - Audrey Carlan

Oláaa meu povo!
Eis que finalmente consegui adentrar o universo conturbado de Mia Saunders, já faz uma eternidade (mentira, não tem tanto tempo assim) que estou querendo ler os livros dessa série, e os motivos para essa ânsia desesperada são os mais diversos possíveis, dentre eles posso listar facilmente o sucesso da série no exterior, o trabalho maciço do marketing editorial nacional, as inúmeras críticas positivas e por fim a proposta singular que doze meses e doze homens diferentes conferem a trama. 

Título Original: Calendar Girl, January
Série: A garota do calendário #01
Autor (a): Audrey Carlan @AudreyCarlan
Publicação: Verus (Acervo pessoal)
ISBN: 9788576865063 | Skoob
Gênero: Erótico +18
Ano: 2016
Páginas: 144
Minha avaliação: 5/5★
Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato. A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil.  Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser... Em janeiro, Mia vai conhecer Wes, um roteirista de Malibu que vai deixá-la em êxtase. Com seus olhos verdes e físico de surfista, Wes promete a ela noites de sexo inesquecível — desde que ela não se apaixone por ele.
Mia mais uma vez assume para si a missão de salvar o pai alcoólatra e viciado em jogo, de uma enrascada. Na tentativa de liquidar a dívida milionária do patriarca, ela se torna acompanhante de luxo, e é em seu primeiro trabalho que ela conhece Wes, um roteirista famoso (vulgo surfista gato), que apenas com um olhar foi capaz de ouriçar as borboletas no estômago de Mia, que há algum tempo jaziam adormecidas. Mia foi contratada pela mãe de Wes, com o objetivo de manter as cavadoras de ouro (aquele tipinho que não consegue ver um homem bonito e rico que já quer "flertar"), que rondavam o rapaz como mosca no mel e constantemente atrapalhavam suas tentativas de manter contatos profissionais durante os eventos sociais que ele frequentava (isso porque ele era educado demais pra fazer elas se mancarem). E é como o escudo anti-interesseiras de Wes que Mia entra em sua vida, durante três semanas eles irão compartilhar muito mais que um apartamento e estarão a mercê de emoções arrebatadoras.

19 de julho de 2016

Resenha #208 Como ela sabe o que eu penso? - J.C.Virgínio

Oi pessoal!
Estão lembrados desse carinha aqui? Como ela sabe o que eu penso?, foi apresentado a vocês na coluna Dia de nacional e hoje trago uma impressão mais completa para que vocês finalmente saibam tudo o essa história singular lhes reserva. Ao ler a sinopse desse livro pela primeira vez fui assolada por uma curiosidade extrema, como assim ler os pensamentos através do toque das mãos? Acredito que assim como eu, muitos ficaram interessados em descobrir como um romance que conta com um "toque" extra tão peculiar se desenrolou no final das contas. Curiosos? Então confiram a resenha.



Titulo: Como ela Sabe o Que eu Penso?
Autor(a): J.C.Virgínio
Editora: Talentos da Literatura Brasileira
Ano: 2016
N° de páginas: 173
O que você faria se descobrisse que a pessoa que você ama e com a qual pretende se casar pode ouvir seus pensamentos toda vez que segura sua mão, mas nunca disse uma palavra sobre isso? Anne é uma jovem arquiteta, bonita e bem-sucedida, que tem o que muitas mulheres gostariam de ter: a capacidade de ouvir os pensamentos de seu amor. Apaixonou-se à primeira vista por Eduardo, sabendo de antemão tudo o que se passava em sua cabeça. Eduardo não acredita que alguém tão especial possa se apaixonar por um homem comum sem ser ciumenta e possessiva. Anne não revela ao parceiro sua curiosa habilidade, mas não consegue se controlar ao ouvir os pensamentos estereotipados dele. Acompanhe esta história e ria, emocione-se e divirta-se!

Desde a primeira vez que Anne viu Eduardo, algo se transformou dentro dela, apesar disso sua timidez a impediu de se aproximar e descobrir onde essa sensação a levaria de fato. No entanto, cinco anos depois ela se vê novamente cara a cara com aquele que tem povoado seus pensamentos, e após um primeiro contato meio desastrado Anne descobre que pode ouvir os pensamentos do rapaz, mas não sem antes lhe dar um pequeno choque. Isso mesmo que vocês leram, ao tocar a mão de Eduardo a jovem lhe transmite uma pequena corrente elétrica que lhe permite ouvir os pensamentos dele. Situação duplamente incomum, não é mesmo? Apesar disso nenhum dos envolvidos se importa com essa situação inusitada, ambos estão encantados e não pretendem deixar passar a oportunidade de se conhecerem e quiçá se relacionarem.

A escrita informal do Jean confere a trama uma desenvoltura ainda maior, o que facilita o entrosamento e aumenta a credibilidade dessa história tão surreal. O fato de não termos uma explicação definida para esse "dom?" de Anne não chega a incomodar, pois mesmo a narrativa ocorrendo na terceira pessoa, expressa apenas os fatos que os envolvidos tem conhecimento, e Anne nuca teve certeza do porque dela ter essa capacidade, mesmo que ela já tenha dado choque em seu pai durante a infância, Eduardo é o primeiro que ela consegue ouvir os pensamentos. Confesso que quando iniciei a leitura, achei invasivo e desonesto o fato dela continuar ouvindo tudo o que ele pensava sem lhe informar o que estava acontecendo, mas conforme os pensamentos de Eduardo iam se revelando dei completa razão a garota.

Não que tamanha invasão de privacidade se justifique, mas Anne amava e desejava verdadeiramente ter um relacionamento com Eduardo, que por diversas vezes se mostrou no mínimo um escroto de marca maior, com sua mente extremamente afiada por pensamentos que iam do machismo ao possível adultério. Não sou ingênua ao ponto de acreditar que os pensamentos sexistas do personagem sejam mera ficção, muito pelo contrário, tenho certeza que muitos homens, se não todos (pelo menos em um ou outro momento da vida) pensam: "nossa que mulher gostosa" ou "preciso pegar ela", o fato de essas e outras expressões terem surgido com certa frequência nos pensamentos de Eduardo me incomodaram um pouco. Mas o mais difícil de digerir, foi o fato de Anne "ouvir" tudo isso e achar tudo muito normal, afinal os homens pensam essas coisa mesmo, né? Eu sinceramente acho que não. Não achei normal Eduardo estar com Anne e pensar tão descaradamente em "se aliviar" com outra, e se esse tipo de pensamento é comum na mente de todos os homens como o autor quis passar, eu jamais saberia lidar com um "poder" como esse, no mínimo eu morreria solteira (e feliz), porque sou extremamente drástica com minhas opiniões de valores. 

Em contrapartida a evolução de Eduardo é nítida, conforme seu envolvimento com Anne vai amadurecendo é possível vê-lo abandonando, pelo menos em parte, certas ideologias furadas. Outro ponto no qual o personagem apresentou crescimento considerável foi em sua insegurança diante do fato de Anne ser uma arquiteta bem sucedida e com um poder aquisitivo confortável, diferente dele que mesmo cheio de projetos promissores, não estava tão estável financeiramente. Essa situação incômoda para Eduardo foi uma das poucas coisas que ele não conseguiu externar, mas que felizmente com o desenrolar da trama foi perdendo força. Já Anne sempre se mostrou uma personagem mais tranquila e sem muitas neuras, apesar de mimada e inflexível em determinadas situações, suas inseguranças se resumiam basicamente a se Eduardo a amaria e a aceitaria de verdade, bem mais compreensíveis, pelo menos pra mim. 

Como ela sabe o que eu penso?, foi uma leitura cheia de altos e baixos, com um desfecho extremista porém surpreendente e necessário. Em um conjunto geral posso dizer que a carga dramática é bem maior que a humorística, poucos foram os momentos em que eu ri com a leitura, mas por outro lado senti raiva, me solidarizei e torci, mas torci loucamente para que Eduardo abandonasse seus pensamentos engessados e jurássicos, e por fim, quero acreditar que isso de fato ocorreu. Além disso, a trama nitidamente nos faz refletir sobre os limites que devem existir para que uma relação seja saudável para ambas as partes e que ultrapassar esses limites poderá acarretar sérias consequências aos envolvidos, bem como nos mostra que o respeito é essencial para se desenvolver a confiança necessária para que um envolvimento se torne real e duradouro. Recomendo a leitura para quem está a procura de uma premissa singular, permeada de clichês e que se desenvolve de forma naturalmente leve, com um toque de humor.  

Cortesia: J.C.Virgínio
 || Skoob || Compare e compre: SubmarinoSaraivaAmazon || Gênero: Romance, humor, comédia ||

14 de julho de 2016

Resenha #207 Talvez um dia - Talvez Um Dia

Oieee!
Sabe quando você está nadando contra a maré, mas nenhum esforço é suficiente pra te levar onde você quer ir? Então, esta sou eu tentando não ler esse livro. Genteee, daqui a pouquinho o ano acaba e eu quase não li nenhum livro da minha minha meta anual, são tantos lançamentos... E esse eu quis ler de imediato, se não bastasse ser uma obra da diva Colleen Hoover, ainda tive que lidar com o bombardeio de críticas positivas e os milhares de elogios, por isso e somente por isso eu sucumbi. Não aguentei mais e li mesmo, agora estou aqui para contar pra vocês o resultado disso. Vamos lá!


Titulo: Talvez Um Dia (Maybe #1)
Autor(a): Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Ano: 2016
N° de páginas: 368
Sydney acabou de completar 22 anos e já fez algo inédito em sua vida: socou a cara da ex- melhor amiga. Até hoje, ela não podia reclamar da vida. Um namorado atencioso, uma melhor amiga com quem dividia o apartamento... Tudo bem, até Sydney descobrir que as duas pessoas em quem mais confiava se pegavam quando ela não estava por perto. Até que foi um soco merecido. Sydney encontra abrigo na casa de Ridge. Um músico cujo talento ela vinha admirando há um tempo. Juntos, os dois descobrem um entrosamento fora do comum para compor e uma atração que só cresce com o tempo. O problema é que Ridge tem uma namorada, e a última coisa que Sydney precisa agora é se transformar numa traidora.

Desde o meu primeiro contato com a escrita da Colleen Hoover soube que leria tudo que essa mulher publicasse, dois anos depois ainda estou bem longe de cumprir com esse desejo, mas estou na luta, quando soube do lançamento de Talvez um dia, admito que me juntei aos fãs da escritora e fui a loucura, estava desesperada para descobrir o que ela havia nos reservado dessa vez. E quando finalmente li o livro me vi dividida, entre o que a autora quis passar e o que eu realmente achei da história, no final das contas decidi ficar com o que eu senti, e é isso que irei contar pra vocês agora.

Após descobrir que seu namorado tem um caso com sua melhor amiga, Sydney abandona o apartamento que divide com a traidora e se muda para o apartamento de Ridge, o cara misterioso que ela conhece a duas semanas e com o qual trocou apenas algumas mensagens de texto. Tendo a paixão pela música como fator comum, Sydney ajuda o rapaz a passar por um bloqueio criativo e juntos trabalham na composição do novo repertório para a banda que Ridge tem com o irmão caçula. Mas conforme se aproximam, uma atração crescente surge entre eles, o que não seria um problema de fato se Ridge não fosse um cara comprometido, mas ele é. Ao tomar conhecimento de que está se apaixonando pelo namorado de outra, Sydney inicia uma enorme batalha contra esse sentimento que poderia levá-la a cometer a mesma traição da qual foi vítima tão recentemente.

O conflito entre Sydney e Ridge é quase palpável, durante toda a trama vemos ambos lutando contra um sentimento arrebatador que se desenvolve facilmente. A lealdade de Ridge a Maggie, sua namorada a cinco anos é admirável. Apesar disso, tenho que deixar registrado que embora a Colleen tenha batido mais de uma vez na tecla de que a paixão que emergia entre Sidney e Ridge era algo inesperado e irrefreável, ficou claro que ambos deram muita corda para o que estava acontecendo. Senti que a atração inicial, foi algo que nenhuma das partes conseguiu prever, mas a transformação dessa faísca em sentimento foi algo que ocorreu lenta e gradativamente e devidamente alimentada pelos dois. Por mais que eles repetissem inúmeras vezes que estavam lutando para se manterem afastados (já que Ridge não pretendia trocar e nem trair Maggie com Sydney) e que desejavam inibir o sentimento que crescia em larga escala, era claro que não havia qualquer empenho de nenhuma das partes para que isso de fato não ocorresse. Gente, não tem ninguém no mundo que vai me convencer que, um ter acesso livre ao quarto do outro (e ficarem por horas trancados lá dentro), mesmo que para "comporem", bem como toques e encaradas entre outras tantas coisas, caracteriza de alguma forma a tentativa de se manter emocionalmente afastado. Eu penso que quando percebe-se a existência de uma atração tão crescente e não se deseja qualquer envolvimento, deve-se impor certos limites.

No decorrer de toda a história temos um Ridge visivelmente dividido entre dois amores, ele sabia que havia encontrado em Maggie a companheira ideal, aquela com quem imaginou viver por toda a sua vida, mas isso não lhe impediu de ver em Sydney alguém que poderia amar igualmente. O fato de Maggie ser uma garota tão divertida e em nenhum momento desconfiar do que estava ocorrendo bem debaixo do seu nariz (confiança demais meus caros, ou talvez ela só não quisesse enxergar o óbvio), só tornou a situação ainda mais incômoda para todos os envolvidos, inclusive essa leitora que vos fala. Confesso que torci para que não surgisse um casal desse triangulo, primeiro porque Maggie era boa demais e não merecia a cachorrada (me desculpem pela expressão) que os dois estavam fazendo com ela. E segundo porque não acho justo e muito menos convincente depois de tudo que li Sydney e Ridge simplesmente ficarem juntos.

Apesar de toda essa minha opinião contrária, tenho que admitir que meio que gostei de acompanhar a aproximação entre Sydney e Ridge (Tá! É muito contraditório, eu sei.), enquanto compunham eles exteriorizavam seus sentimentos de forma tão verdadeira, que era impossível não se comover de alguma forma com o dilema que viviam, além disso a sinceridade com a qual um compartilhava suas dores, medos e anseios, com o outro, é extremamente rara e foi devidamente apreciada. Não me levem a mal, entendo que todos tem o direito de se apaixonar quantas vezes desejarem e for possível, mas não consigo aceitar como tudo se desenrolou, e menos ainda como a autora resolveu concluir a trama, tudo aconteceu tão rápido e tão fácil que até agora não consigo acreditar. Foram tantas páginas de um drama gigantesco, de "eu amo as duas e não sei qual escolher", "não consigo desistir de nenhuma", mas com apenas um conversa (dolorosa, admito) de algumas horas (se tanto) e pronto, tudo estava no lugar, as dúvidas desapareceram e todo mundo estava pronto para o felizes para sempre.

Talvez um dia, me encantou e enraivou ao extremo, amei e odiei os mesmos personagens mais de uma vez e no final das contas mesmo não estando satisfeita com os caminhos escolhidos, consegui aceitar o desfecho. Não foi a leitura mais incrível da minha vida, mas foi uma leitura que me agradou justamente pelos sentimentos dúbios e intensos que despertou em mim. A escrita está impecável e a narrativa extremamente fluída como é comum nas obras da autora, além disso me apresentou a um personagem secundário que já amo mais que chocolate, Warren é o melhor amigo de Ridge e divide o apartamento com ele, Sydney e Bridgette, com esta última ele mantém uma relação conturbada que ganhou um conto de nome Talvez não (em tradução livre), ao qual já quero muitíssimo ler. Por fim, recomendo o livro para o fãs da autora e para os que não se importam com todos os pontos que listei a cima e que de fato me incomodaram.

|| Skoob || Compare e compre: Submarino • SaraivaAmazon || Gênero: Romance, jovem adulto ||

12 de julho de 2016

Resenha #206 O príncipe das sombras - Sylvain Reynard

Oi pessoal!
Já faz um tempinho que li a trilogia Inferno de Gabriel, e quem leu as resenhas sabe o quanto eu curti a história que foi inspirada em A divina comédia, de Dante Alighieri. Agora tive a oportunidade de conhecer mais uma obra publicada por Sylvain Reinard e me deparei com a feliz descoberta de que mesmo O príncipe das sombras possuindo uma pegada sobrenatural o que difere completamente dos livros da trilogia, possui uma ligação direta com Júlia e Gabriel, isso mesmo que vocês leram, temos mais do casal Emerson nessa nova série do autor canadense. Querem saber onde os pontos se ligam? Come on!


Titulo: O Príncipe das Sombras (Noites em Florença #0.5)
Autor(a): Sylvain Reynard
Editora: Arqueiro
Ano: 2015
N° de páginas: 128
Um conjunto muito valioso de ilustrações de Botticelli sobre A divina comédia, de Dante Alighieri, é exposto na Galleria degli Uffizi, em Florença. O dono das peças é o famoso professor de literatura Gabriel Emerson. Quando se deixou persuadir por sua amada esposa, Julianne, concordando em dividir com o mundo a beleza daquelas obras de arte, Gabriel jamais poderia imaginar que estaria atraindo para si um poderoso inimigo. Mais de um século antes, aquelas mesmas ilustrações foram roubadas de seu verdadeiro dono, o Príncipe de Florença, uma criatura sobrenatural e misteriosa que governa o submundo da cidade e há muito não sabe o que é o amor. Agora um dos seres mais perigosos da Itália está disposto a recuperar o que lhe pertence e se vingar de Gabriel e Julianne. Mas logo seus planos são frustrados. Um atentado o obriga a deixar os Emersons de lado, afinal ele precisa resolver assuntos muito mais importantes. Tanto seu principado quanto sua própria vida parecem estar em risco. Passado na cidade mais artística da Itália, O príncipe das sombras é uma incrível introdução à nova série de Sylvain Reynard, Noites em Florença, e vai deixar os leitores com gostinho de quero mais. 
Recentemente eu ganhei o livro A transformação de Raven, primeiro livro da série Noites em Florença, mas ao tomar conhecimento de que havia uma obra introdutória quis conhecer de imediato, mal sabia eu que iria reencontrar Gabriel e Júlia, meu casal querido da trilogia Inferno de Gabriel. Mas assim que tomei conhecimento do fato fiquei ainda mais empolgada pela leitura, admito que pelos motivos errados, já que o enfoque do livro é no tal príncipe das sombras, e por essa expectativa mal direcionada posso não ter desfrutado do livro de forma plena.

Júlia e Gabriel estão mais uma vez em Florença, desta vez eles vem como anfitriões de uma grandiosa exposição, o professor Emerson resolveu finalmente ceder aos pedidos da esposa e compartilhou com o mundo as ilustrações de Botticelli sobre A divina comédia, de Dante Alighieri, que lhe pertencem e que jamais foram expostas ao público. Apaixonados pela arte, eles decidem expor a beleza das ilustrações na Galleria degli Uffizi, que eles conhecem tão bem. Embora seja um exímio conhecedor de tais obras, Gabriel não faz ideia de toda a história sombria que se esconde por trás das ilustrações e apesar de ter entrado em alerta imediato após cruzar com um observador sombrio durante a exposição, não imagina o perigo que ele e sua amada Juliane estão correndo. 

Considerado uma criatura sombria e sem qualquer sentimento, residente do submundo florentino, o Príncipe de Florença, mantém o foco em seu objetivo maior, reaver as ilustrações de Botticelli, que foram roubadas de seu acervo pessoal a séculos e destruir o casal que se auto intitulam donos daquilo que lhe pertence. Tomado pelo ódio e uma sede de justiça deturpada o Príncipe sombrio não poupará esforços e não terá misericórdia, Gabriel Emerson e sua esposa devem morrer da forma mais lenta e dolorosa possível. No entanto, uma ameaça externa a seu principado o obriga a desviar o foco, o que pode ser a chance de salvação do casal Emerson, mas até quando o ser sobrenatural e perverso deixará impune a afronta inconsciente que lhe foi feita? 

Tenho que admitir que esse contanto inesperado com Júlia e Gabriel, me afetou bastante. Eu já estava conformada com o final da trilogia e não pensava de forma alguma em seus protagonistas, mas o fato do autor tê-los trazido de volta nesse momento e nem de longe como meros coadjuvantes, me fez desejar mais espaço para eles nos próximos livros da série, pelo menos até que ocorra o desfecho do novo dilema dos dois. Exatamente isso, o autor abriu uma porta gigantesca que torna o futuro do casal Emerson incerto e provavelmente muito doloroso e deixo claro que não me refiro a provável vingança do Príncipe sombrio. Isso está me tirando o sono, não consigo prever o que está por vir para esses dois e não entendo o porque de tal dramaticidade nesse momento, isso sem sombra de dúvidas acabou desviando boa parte da minha atenção.

Voltando ao protagonista, tenho que admitir que ainda não estou muito convencida. Durante toda a leitura, percebi que o autor desejava desesperadamente impor um ser maligno, inflexível e impiedoso, mas as vezes era possível vislumbrar certos conflitos de personalidade, acredito que conforme os demais livros da série forem sendo lançados compreenderemos melhor o que se passa com o Príncipe, que aparentemente, perdeu sua humanidade no decorrer dos séculos e acabou por se tornar um ser assombroso, além disso a ameaça iminente ao seu principado e o risco contínuo de traições, não lhe permitem demonstrar fraqueza diante dos seus inimigos e muito menos de seu "aliados". Mas seria o príncipe um ser completamente desprovido de emoções? Estou apostando todas as fichas no 'não'.

O príncipe das sombras, é uma obra introdutória, que serve para nos preparar para o que está por vir e instigar nossa curiosidade a cerca desse ser sobrenatural que transborda poder e mistério, além disso nos proporciona um breve vislumbre da vida atual dos protagonistas da trilogia Inferno de Gabriel, despertando saudade e mais uma vez curiosidade pelo futuro incerto de ambos. Apesar das decapitações e dos poderes sobrenaturais, essa não chega a ser uma trama eletrizante, pode-se dizer que a narrativa é mediana, embora um pouco massante. Estou na torcida para que a trama do próximo livro seja mais atraente. Apesar de não ter gostado tanto do conjunto da obra, irei dar três estrelas devido a participação dos Emersons que foi a parte que mais me agradou na leitura.

|| Skoob || Compare e compre: SubmarinoSaraivaAmazon || Gênero: Suspense, ficção, mistério, romance ||

8 de julho de 2016

Resenha #205 O diário internacional de Babi - Chris Salles

Oi pessoal!
Hoje estou trazendo pra vocês a resenha de um dos maiores fenômenos do Wattpad, quem usa a plataforma sabe bem e quem não usa vai saber agora. O diário internacional de Babi, ganhador Watty2015 (prêmio que homenageia os livros mais populares da plataforma), será lançado pela Ed. Planeta de Livros Brasil apenas no final de julho, mas a editora nos enviou uma prova antecipada e depois de devorar o livro, não me contive e corri aqui para contar tudo (ou pelo menos quase tudo), pra vocês. Chega mais, vamos contagiar o mundo com a minha empolgação.


Titulo: O diário internacional de Babi
Autor(a): Chris Salles
Editora: Outro planeta
Ano: 2016
N° de páginas: 298
Mudar nunca foi a palavra preferida de Bárbara. Porém, depois da separação dos pais, a garota de 15 anos se vê obrigada a migrar com a mãe e os irmãos para Orlando, a cidade americana onde os sonhos ganham vida. E descobre que a fronteira entre o real e o ilusório pode ser mais difícil do que parece. 
Meu interesse por esse livro foi imediato, assim que soube do lançamento desejei lê-lo, primeiro porque (já repeti mil vezes) amo juvenis e segundo porque só tenho tido boas experiências com o selo Outro planeta, além de que fiquei super interessada pela premissa, sendo assim não pensei nem duas vezes antes de agarrar com todos os membros do meu corpo a oportunidade de conhecer essa história antes do lançamento. O que nos trás a esse momento do mais puro e completo deslumbramento, em que estou vivendo.

Bárbara estava feliz com sua vida em Estrela, amava sua escola e seus amigos e nunca havia cogitado sair de lá, mas após o divórcio dos pais a garota se viu obrigada a deixar tudo para trás e partir com a mãe e os irmãos rumo a um recomeço em Orlando (terra do Mickey), a cidade dos sonhos. Mas só se for os sonhos dos outros, porque Bárbara queria mesmo é permanecer no Brasil ao invés de ter que se adaptar com outras pessoas, outra língua e em outro país. Se não bastasse todas essas mudanças impostas, ela ainda terá que lidar com o fato de ser um grande imã que atrai para si as mais diversas confusões. Através do seu diário, Babi nos apresenta suas dúvidas, dilemas, e micos, muitos micos mesmo.

Apesar de não utilizar a plataforma Wattpad, tenho plena consciência de que muitos livros bons são revelados por lá, o fato desse ter se destacado não só pelo número de leituras, mas também ter recebido um prêmio, elevou minhas expectativas a um nível considerável. Expectativas essas que além de alcançadas, foram também superadas, já que de cara somos fisgados pela escrita dinâmica e envolvente da Chris, e conforme vamos avançando na leitura que é 100% narrada pela Babi em seu diário, vamos nos envolvendo e encantando com a protagonista super carismática. Por ser uma leitora assídua de livros do gênero, sei o quanto é comum nos irritarmos vez ou outra com alguma atitude de personagens adolescentes, mas por incrível que pareça, não experimentei essa sensação em nenhum momento durante toda a trama, mesmo sendo muito estabanada e se metendo nas mais diversas enrascadas, Babi me cativou do inicio ao fim da leitura.

A escrita da autora é leve e flui facilmente, prova disso é a facilidade com a qual eu me perdi no tempo enquanto concluía a leitura em algumas poucas horas. O envolvimento é tão natural, que diversas vezes me senti como se estivesse vivenciando cada acontecimento narrado nesse diário. Uma trama bem construída que não deixa margem para dúvidas, o enredo é completo e realístico, a gama de personagens é riquíssima e cada um possui um peso com maior ou menor relevância para o amadurecimento da história. A relação da protagonista com a mãe e os irmãos, é um dos pontos importantes que nos faz refletir a cerca da real importância que as palavras não faladas possuem para se manter um bom relacionamento familiar. A vezes pensamos que por sentirmos tudo tão intensamente, nossos esforços e mágoas que estão sempre ali na superfície são perceptíveis a todos, o que nem sempre (quase nunca) ocorre de fato, o que nos trás a importância da exteriorização dos nossos sentimentos, nem que seja no meio familiar mais próximo.

O diário internacional de Babi, é uma história adolescente em todos os sentidos, cheio de dramas e exageros, mas acima de tudo é um livro incrivelmente adorável, capaz de despertar aquele sorriso bobo que surge quando se está absorto em uma narrativa irreverente. Tudo isso somado a um romance singelo, construído pacientemente enquanto desviava de maus entendidos e decisões precipitadas, foi capaz de preencher e trasbordar meu coração (eternamente adolescente). Além disso contamos com a composição de uma playlist incrível, e a cada capítulo somos presenteados com uma indicação maravilhosa. Indico esse livro para todos, mesmo aqueles que não curtem juvenis, se você é ou já foi (algumas pessoas dizem ter pulado essa fase) adolescente em algum momento da sua vida, leia esse diário, tenho certeza que a escrita da Chris irá te prender e apresentar a uma história maravilhosa que no mínimo te arrancará muitas risadas. Por fim, como não desejar mais e mais dessa história? Por sorte já posso adiantar que a autora está trabalhado na sequência, que torço para que não demore a sair.

Está tentando sair de uma ressaca literária? Então corre, esse é o livro certo.

|| Skoob || Compare e compreSaraivaAmazon || Gênero: Suspense ||