25 de agosto de 2013

O valor da pontuação!


Oi galerinha.! Trouxe uma frase sem pontuação alguma para que vocês me ajudem a encontrar o verdadeiro sentido. Espero que vocês gostem tanto quanto eu gostei, porque essa frase traz nitidamente a importância da pontuação.
Um homem muito rico, percebendo aproximar-se do fim, sentindo que o tempo era escasso, solicitou imediatamente caneta e papel, e escreveu o seguinte testamento, morrendo imediatamente depois, sem ao menos ter tempo de pontuar o texto:
Deixo os meus bens à minha irmã não a meu sobrinho jamais será paga a conta do alfaiate nada ao Mario Schiloil Grooss.
O documento, agora em poder do cartório, expressava uma terrível dúvida; para quem afinal o ricaço deixará a sua imensa fortuna?

Na verdade, quatro eram os prováveis herdeiros: um sobrinho, uma irmã mais nova, o alfaiate da família e um parente , Mario Schiloil Grooss,  muito pobre por sinal, morador em uma cidade vizinha.

Cada um dos pleiteantes recebeu  uma cópia do texto, preparada pelo escrivão, com a incumbência de melhor interpretá-lo; o primeiro deles, o sobrinho, antes de entregar o texto de volta ao escrivão do cartório, efetuou a seguinte pontuação:

Deixo os meus bens à minha irmã? Não! | A meu sobrinho. | Jamais será paga a conta do alfaiate. | Nada ao Mario Schiloil Grooss.

A irmã do morto chegou em seguida, com outra cópia do texto, e pontuou-o desta maneira:

Deixo os meus bens à minha irmã. | Não a meu sobrinho. | Jamais será paga a conta do alfaiate. | Nada ao Mario Schiloil Grooss.

As correções do alfaiate da família foram:

Deixo os meus bens à minha irmã? Não! | A meu sobrinho? Jamais! | Será paga a conta do alfaiate. | Nada ao Mario Schiloil Grooss.

Finalmente, o parente Mario Schiloil Grooss fez a seguinte correção:

Deixo os meus bens à minha irmã? Não! | A meu sobrinho? Jamais! Será paga a conta do alfaiate? Nada! | Ao Mario Schiloil Grooss.

Não podendo ser resolvido em cartório, a pendenga foi ao tribunal.

Adaptação livre de um texto colhido do "Almanaque Bertrand"- 1966

Fonte: Almanaque

E então galerinha, qual dessas interpretações vocês acham que faz mais sentido??? Só eu que estou achando a última totalmente improvável??? Na minha opinião a frase mais coerente é a do alfaiate e vocês o que acham??? Não deixe de comentar expressando sua opinião.

5 comentários

  1. Nossa, eu acho a pontual essencial! Tanta coisa pode ganhar duplo, triplo sentido por uma mudança ou falta de pontuação! Eu que o diga, pois sou advogada, e já enfrentamos problemas seríssimos com significados e interpretações de lei por um artigo ter uma pontuação errada, ou uma vírgula no lugar errado. Beijos, Mi

    www.recantodami.com

    ResponderExcluir
  2. Nossa... fiquei quebrando a cabeça aqui rsrsrsrsrs, mas a ultima frase realmente não rola.... na minha visão gostei da primeira... mas como não sou boa com essas questões do português sei lá... rsrsrs. Mas gostei muito!!! xero!!!

    http://minhasescriturasdih.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Del!!

    minha professora de português do colégio adorava usar esses exemplos. Realmente pontuação é algo muito importante e que devemos ficar de olho sempre =D A última é mesmo meio "nada a ver", mas as outras são bem possíveis.

    beijos
    Kel
    porumaboaleitura.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Adorei, a pontuação correta é fundamental para entender o texto e não causar confusão.

    www.iasmincruz.com

    ResponderExcluir
  5. Conhecia já esse texto, bem, uma variação dele mas com o mesmo sentido (ou, mais correto seria: sentidos?)
    É bem interessante mesmo esse lance de pontuação, como virgulas, pontos, exclamações, enfim, podem fazer tanta diferença e às vezes a gente mal nota, né mesmo?! É uma daquelas coisas que faz mais falta do que presença.

    Té mais...
    http://bmelo42.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir